JUSTA HOMENAGEM A UM JORNALISTA ACREANO

VozAAssembléia Legislativa do Amazonas, em sessão solene, irá homenagear na próxima semana com o Título de Cidadão do Amazonas, nada menos que o poe-ta, escritor e jornalista Jorge Tufic, um acreano de Sena Madureira (nasceu em 13 de agosto de 1930) que honra o seu povo Brasil a fora, com mais de quarenta livros publicados de poesia, ficção e ensaios, dentre os quais: Varanda de pássaros; Chão sem mácula; Boléka: a onça invisível do universo; Quando as noites voavam; Poema-coral das abelhas, entre outros trabalhos. Para se ter uma idéia da importante homenagem, ele é autor da letra do Hino do Amazonas.
Antes de ser agraciado com o Título, ele falou para a coluna contando um pouco da sua história:

O encontro de Jorge Tufic com a inspiração poética começou cedo, em Sena Madureira, junto com a chegada dos soldados da borracha ao Acre. Naquele tempo ele tinha cinco anos de idade, e o ano era 1935. “Eu costumava ficar ouvindo as trovas (do francês, “trouber” (achar) nos indica o motivo de sua poesia ou de suas canções), o ponteio das violas sertanejas, os repentes e histó-rias fantásticas daquele povo”, lembra o poeta e jornalista, que escreveu os primeiros versos aos 15 anos. Hoje, quase aos 80 anos, somam-se ao seu acervo poético quarenta e duas obras, entre poesias, contos, ensaios e sonetos.

Ainda na infância, perdia-se na floresta, inventava palavras e deixava a imaginação voar alto. Mas, de repente, num livro escolar do primário, brotaram surpresas que despertaram a paixão do escritor pela poesia. “Tudo em Sena, aliás, como as serenatas boêmias despertavam nos meninos de minha idade sentimentos românticos muito mais fortes do que a nossa capacidade de expressar alguma coisa”, conta.

Descendente de uma tradicional família de comerciantes árabes é filho do libanês Tufic Alaúzo, que mudou para o Brasil no começo da década de 1920 e desenvolveu atividades comerciais nos seringais. Por isso, a forte influência da língua, da cultura e da arte árabe de contar histórias: “A influência árabe, falada no cotidiano daquela época antes do português, marcou bastante. Junto a isso, convêm lembrar as noitadas de música, ao som dos alaúdes (instrumento musical), com vinhos finos, Arak (bebida alcoólica) e um vasto serviço de comidas típicas do Líbano”.

Com o declínio da produção de borracha, no início da década de 1940, a família de Tufic mudou para Manaus, onde o autor realizou seus primeiros estudos. Exerceu, durante boa parte da vida, a atividade de jornalista. Com a aposentadoria, fixou-se em Fortaleza, no Ceará, passando a se dedicar exclusivamente à literatura.

Por tudo isto, e pelo amor que tem pela Amazônia, devido a forte dedicação as artes, por onde passa, é considerado uma espécie de embaixador da região Ele finaliza a entrevista dizendo que se orgulha, como representante do povo, em receber esse título.

A homenagem e o reconhecimento público ao referido jornalista partiram do professor Sinésio da Silva Campos,  Deputado Estadual – Líder do Governo na Assembléia Legislativa do Amazonas.

Bibliografia:
lJorge Tufic é sócio fundador da Academia Internacional Pré-Andina de Letras, com sede em Tabatinga, no Estado do Amazonas. Fez várias conferências literárias e é membro efetivo de algumas entidades culturais, tais como: Clube da Madrugada, Academia Amazonense de Letras, União Brasileira de Escritores (Seção do Amazonas) e Conselho Estadual de Cultura. Pertenceu à equipe da página artística do Clube da Madrugada, “O Jornal” e do “Jornal da Cultura”, da Fundação Cultura do Amazonas.

Colaborou e ainda colabora com vários órgãos de imprensa como “A Crítica”, “Amazonas Cultural”, Suplemento Literário de Minas Gerais, Revista de Literatura Brasileira e “Diário do Nordeste”.

FALA POVO

Oi Botto,
Voz1Venho por meio desta, expressar todo o descontentamento com a rua onde a minha mãe mora, que na verdade é um verdadeiro lamaçal, situa-da no bairro Nova Estação.

Para chegar até lá, passa-se pela Travessa Rafael, que também é esburacada e com muita lama, conforme pode conferir através das fotos que estou anexando junto com esta carta.

Chego a ficar revoltada com tamanho descaso da prefeitura, até parece que só se preocupam em arrumar o Centro da cidade, e acabam esquecendo dos bairros periféricos.

Portanto, acredito que se tiver um pouco de interesse dos órgãos competentes, teria sim como resolver o problema, acabando com o sofrimento dos moradores da Rua Curumbá.

Agradeço pela atenção,
Elizete Almeida
Estudante

DICAS IMPORTANTES
Fale a verdade
Não enrole, não enrole, não enrole: apresente seu peixe sem disfarces. Esse era um dos segredos de Richard Sears, que no começo do século espalhou folhetos de suas lojas por toda a América: “Jamais faço propaganda enganosa. A honestidade é a melhor política. Eu sei. Já experimentei os dois jeitos”. Isso estava também no refrão do primeiro sucesso do Grupo Cidade Negra, que surgiu na Baixada Fluminense, vendeu seu peixe sincero para uma multinacional e virou um sucesso de quase 2 milhões de discos vendidos: “Estamos aí, para o que der e vier, a fim de saber a verdadeira verdade…”

MENSAGENS
Prezado jornalista,
Parabéns pelo primeiro aniversário de sua coluna. A VOZ DO POVO tem registrado, para nosso deleite, casos pitorescos, dicas, informações importantes, legitimando-se como um veículo de reprodução da voz da sociedade acreana.
Votos de continuado sucesso!
Superintendência de Negócios Varejo e Governo – Acre
Edvaldo Sebastião Souza
Superintendente Estadual
do Banco do Brasil

Dr. Botto,
Venho aqui parabenizar você e a coluna por este aniversário, que marca o início de um caminho promissor e de sucesso. Considero ser uma das mais lidas do nosso estado, não só isso, posso garantir que transmite credibilidade com o público.
Caríssimo, muito sucesso e que sempre através das suas palavras possam ser ouvidas como é A VOZ DO POVO atualmente.
Abraços,
Deyvid Brito
Professor de Educação Física

 ÚLTIMAS DO DIA

* Se já não bastasse as paradas de ônibus quebradas, semana passada mostramos uma no bairro  do Bosque, que continua com o banco quebrado; há três meses o Colégio Francisco Ba-curau  na Vila Betel, esta fechado prejudicando dezenas de alunos daquele conjunto. Setores da prefeitura precisam agir rapidamente em duas áreas: Educação e Transporte.

* No último dia quinze foi comemorado o dia internacional do consumidor, justa homenagem pelos enormes avanços proporcionados pelo CDC – Código de Defesa do Consumidor, considerado uma das leis mais modernas do mundo e que tem sido copiada por vários países.

* Informação oficial através da Fieac, é que o Via Verde Park Shopping começa a ser construído em abril. Notícia dada em primeira mão, aqui na coluna, no início do ano…

* …e, só para relembrar, que junto ao empreendimento, deverão ser construídas duas torres gêmeas, as maiores do Acre, investimento de um grupo forte norte americano possuidor de um bilhão de reais para gastar no Brasil, o Estado esta incluído.

* A Polícia Civil andou prendendo muita gente ultimamente, isso significa que esta saindo das delegacias para investigar e trabalhar em benefício da população que clama por segurança. Um bom sinal!

* Só um detalhe, até agora seis agentes penitenciários foram presos acusados de envolvimento na morte de Magaiver. Todos  eles participaram da tortura? Convenhamos, se foi, é muita covardia! O mais estranho de tudo, deve-se ao fato, mesmo tendo direito a defesa,  de poucos advogarem a causa. Será que vão servir de exemplo e acabarão pagando pelo pato?

* Dano moral por ingestão de uma barata durante jantar em restaurante de Porto Alegre, deu o que falar, a 2ª Turma Recursal Cível do Rio Grande do Sul determinou o pagamento de indenização no valor de R$ 2 mil…

*  …de acordo com o relato das testemunhas, na terceira garfada de feijão com massa, a autora da demanda cuspiu parte do inseto no guardanapo. Sentindo mal-estar, dirigiu-se ao banheiro, em seguida, um garçom retirou o prato da mesa, mas não teve jeito à ação foi consumada…

* …no Rio, a 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça condenou uma famosa churrascaria na Ilha do Governador a indenizar uma consumidora em R$ 4.140, por danos morais, por ingestão de alimentos que a levaram a um quadro de gastroenterite aguda. O sofrimento suportado pela cliente não foi ‘mero aborrecimento’ e, portanto, passível de reparação. No entendimento jurídico, o restaurante é objetivamente responsável pelos danos decorrentes das atividades empresariais, na forma do artigo 12, do CDC (Código de Proteção e Defesa do Consumidor)… 

* …e, em São Paulo, um restaurante chique, não tinha cadeira para uma pessoa gorda, conclusão, o estabelecimento foi multado pela prefeitura da capital e ainda irá responder processo pelos mesmos motivos do outro caso ocorrido no Sul, ou seja, danos morais e materiais, acrescidos de multas e juros.

* Fica aí o alerta aos restaurantes, principalmente os do Acre, oferecer cadeiras mais largas especialmente para os “rechonchudos”. Portanto, só para lembrar, o Direito do Consumidor e a referida lei que ampara, completou 20 anos essa semana e vale mesmo de Norte ao Sul do país.

* No dia da eleição, cada sessão terá duas urnas, uma delas servirá para responder SIM ou NÃO ao novo horário do Acre. Começem a fazer as suas apostas.

*Agradeço as mensagens alusivas ao aniversário de um ano da coluna, em especial do respeitável site jurídico Migalhas que enviou e-mail.

* Fiquem com Deus e um bom fim de semana.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation