Política local 16/03/2010

“Política é como nuvem. Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”.

Magalhães Pinto, político mineiro.

Ou desocupa a moita
Que o ex-deputado federal Márcio Bittar (PSDB), se fosse candidato ao Senado, teria alta chance de ficar com a segunda vaga de senador nem se discute. Só que a sua indefinição o prejudica e à própria oposição. Agora, já se sabe por fonte segura, que joga com as fichas de após a pesquisa a ser feita pelo PSDB, a direção nacional o convocar para a missão. Bittar precisa ser mais pragmático e como se diz no popular: ou ocupa ou deixa a moita para outro.

Biruta de aeroporto
A indefinição deixa os seus eleitores como biruta de aeroporto, sem um rumo fixo.

 Caminho livre
Se Márcio Bittar quer ser candidato a senador, ótimo para a oposição, mas se não vai ser que diga logo e deixe o deputado federal Sérgio Petecão (PMN) livre para articular a sua indicação.

Breve lampejo
Se os dirigentes da oposição tiverem um breve lampejo de inteligência definem logo a questão: se o candidato ao Senado será Márcio Bittar (PSDB) ou Sérgio Petecão (PMN).

Mesmo patamar
Em termos de popularidade Bittar e Petecão se equivalem e tanto um como outro, entrariam na disputa da segunda vaga do Senado para brigar pau a pau com Edvaldo Magalhães (PCdoB).

Resolver a equação
Outro que precisa resolver a sua equação é o ético e bom parlamentar, deputado federal Henrique Afonso (PV), que não se sabe a que mandato será candidato nesta eleição.

Perde territórios
Até porque, à medida que não se define, os adversários ocupam seus espaços políticos.

São os números
Tive acesso a cinco pesquisas feitas por partidos de oposição. Em todas Tião Bocalom (PSDB) perde para Tião Viana (PT). Como dizer então que o tucano é favorito sem mentir?

Sem problema algum
No momento que as posições nas pesquisas se inverterem, não terei problema em registrar.

Arrumando o barco
O PMDB está mais ativo do que nunca. No próximo dia 21 fará um seminário em Cruzeiro do Sul com todas as lideranças do partido no Juruá para debater as eleições.

Maioria quer
Com apenas o voto contra da presidente Idalina Onofre (PPS), a maioria esmagadora do PPS defende uma aliança com o PMDB para deputado estadual, que tende acontecer.

Candidato a estadual
Segundo consta, o deputado federal Ilderley Cordeiro (PPS), que deve disputar uma vaga na Aleac, é um dos que mais defende a aliança com o PMDB.

Piada da semana
Nenhuma bateu esta: “o Conselho Político da FPA está se reunindo para definir as candidaturas majoritárias”. Foi a piada política da semana que passou.

Bom mandato
O deputado federal Fernando Melo (PT) fez um belo mandato propositivo, daí porque aparece bem nas pesquisas, e só por um grave acidente de percurso não se reelegerá.

Gesto grande
Fernando Melo teve ainda o gesto grande de retirar seu nome das discussões sobre o Senado para não causar fissuras dentro do PT.

Opinião peemedebista
É entendimento dos dirigentes do PMDB que após a pesquisa do PSDB, a direção nacional tucana vai chamar o ex-deputado federal Márcio Bittar (PSDB) para disputar o Senado.

Pelo que conheço
Nunca me falou nada a respeito, mas, pelo pouco que conheço do prefeito de Cruzeiro do Sul, Wagner Sales (PMDB), ele jogará suas fichas no candidato da oposição mais viável ao Senado.

Máxima política
Até porque diz a máxima que, em política, não se deve gastar vela boa com defunto ruim.

Não resiste ao vento
Queixas pipocam de todos os lados que o acesso ao programa de internet “Floresta Digital” é uma luta e quando se consegue, vento forte ou chuva  tira o sistema da conexão.

Até que enfim
A audiência da TV-ALDEIA não ultrapassa um risco. Mas, pelo menos na área esportiva deve ganhar alguns pontos com a transmissão do campeonato acreano comandada pelo Badaró.

O jogo é bruto

Os candidatos a deputados estaduais, fora do parlamento, não façam contas como se estivessem em disputa 24 vagas na Assembléia Legislativa. A matemática é outra. Em torno de 14 dos atuais parlamentares tendem a voltar.  Não apostem numa limpa. No máximo estarão abertas para a briga nesta eleição 10 cadeiras: acima disso mandem rezar uma Missa em Ação de Graça. O jogo não é tão fácil para se eleger deputado como muitos estão imaginando.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation