Política local 31/03/2010

“Em política, o que começa com o medo acaba, geralmente, com a loucura”.

(Samuel Taylor Coleridge)

Fora da aliança
Aconteceu o que a coluna antecipou: o PPS reuniu ontem a executiva regional e desautorizou  o uso do nome do partido como integrante da aliança que apóia as candidaturas de Tião Bocalom (PSDB) ao governo e de Petecão (PMN) a senador. O ato anula a autorização dada pela deputada Idalina Onofre (PPS) e pelo dirigente Aldenor Fernandes (PPS), que tinham avalizado a coligação. Isso é só a ponta do iceberg da confusão que ainda está a caminho na oposição.

Duas frentes
Duas frentes estão atuando a favor da aliança junto à direção nacional do PSDB: uma comandada pelo deputado federal Silas Câmara (PSC) e outra por Sérgio Petecão (PMN).

Frente dois
Na outra frente está o deputado federal Flaviano Melo (PMDB), brigando na executiva tucana pela aliança PSDB-PMDB, com o PSDB indicando o nome a senador e o PMDB a governador.

Sem problema
O deputado federal Flaviano Melo (PMDB) diz ser um belo equívoco pensar que, não sain-do a coligação com o PSDB, o PMDB retira os nomes dos seus candidatos majoritários e adere.

Nome inegociável
Flaviano Melo (PMDB) garante ser inegociável a candidatura de Rodrigo Pinto a governador.

Nó desfeito
Nas próximas 48 horas, o nó sobre a aliança PMDB-PSDB ou desata ou ata de vez.

Muito cuidado
O senador Tião Viana (PT) tem que ter muito cuidado com as pesquisas feitas para agradar: a eleição de Feijó, onde os pesquisadores maquiaram o quadro e o PT perdeu, é um exemplo.

Baixar o tom
O prefeito de Sena Madureira, Wanderley Zaire, foi aconselhado a baixar o tom das suas declarações sobre a nova eleição a prefeito para não ferir suscetibilidade dos caciques  da FPA.

Zaire paz e amor
Wanderley Zaire foi aconselhado a dar entrevistas nas televisões num tom mais light.

Um lembrete
Todas as declarações do prefeito Zaire aqui publicadas me foram ditas pelo próprio.

Como o diabo gosta
O deputado N. Lima (DEM) revelou ontem que Rio Branco tem duas mil “bocas-de-fumo” e 30 mil famílias tirando o sustento do tráfico de drogas. Ou seja: está como o diabo gosta.

u de brigadeiro
Como um “céu de brigadeiro” estão as relações entre os médicos e o governo: a categoria ganhou um aumento salarial, não vai ter greve e, entre os mortos e feridos, escaparam todos.

Sem melindres
A Reserva Chico Mendes não atingiu seus objetivos: boa parte da área virou pasto de boi e a única produção que se tem notícia até aqui foi a dos 15 mil pés de maconha apreendidos.

Queriam o que?
Com o quilo da borracha sendo pago a 50 centavos o quilo, como podia dar certo?

E nada mais
A Reserva Extrativista foi o típico caso de propaganda enganosa de modelo ambiental.

Última canarana
Tião Bocalom (PSDB) jogou sua última cartada nesta aliança anunciada de partidos em torno do seu nome, como o último ramo de canarana a se agarrar para sua candidatura não afundar.

Sem argumentos
O grave dessa sua impertinência é que não lidera nenhuma pesquisa, e até aqui, em todas as aferições, o senador Tião Viana (PT) aparece com o dobro de preferência do eleitorado.

Depois da copa
As candidaturas majoritárias e proporcionais vão ser oficializadas, mas a disputa só começa mesmo a se acirrar após a Copa do Mundo.

Exigência na mesa
Aliados do ex-prefeito Nílson Areal (PR) revelam que ele vai exigir da FPA fidelidade política à sua pessoa e que apóie a candidatura do vereador Mano Rufino (PR), do seu grupo, a prefeito.

Cortado e aparado
Como se diz na gíria de quem empina papagaio: o grupo do Tião Bocalom (PSDB) “cortou e aparou” o prefeito de Senado Guiomard, James Gomes (PSDB).

Cumpra a lei
O advogado Jonathan Santia-go diz que só está exigindo da mesa diretora da Câmara Municipal da Capital que cumpra a lei e emposse na décima quinta vaga a suplente “Graça da Baixada”.

Nome confirmado
O vice-prefeito Eduardo Fa-rias (PCdoB) confirmou ontem à coluna que de fato sairá candidato a deputado estadual. Como a legislação permite não será preciso que se afaste para concorrer.

Chapa fechada
Eduardo avalia que o PCdoB deverá lançar em média 40 candidatos às vagas da Aleac.

Quem avisa
O empresário Jonaldo (DEM), candidato à Aleac, se cuide: está com o bicho na capação.

Nada definido

Até o fechamento da coluna o nó górdio da chapa da oposição para o Governo e Senado ainda não tinha sido desfeito, em Brasília. Como as lideranças nacionais do PSDB estavam no Paraná, entre hoje ou amanhã devem sentar-se com o deputado federal Flaviano Melo (PMDB) para decidir o caso do Acre.  A situação só muda com a desistência de Bocalom ou via intervenção.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation