Política nacional 24/03/2010

“São Paulo, Rio e Espírito Santo estão errados”.

Governador Jaques Wagner (BA), ao defender a nova divisão dos royalties do petróleo.

Na agenda de Jeany Mary, garotas e figurões
A capa – um desenho da “Pequena Sereia”, de Walt Disney – sugere que é de uma menina, e não de uma mulher suspeita de agenciar garotas de programa, a agenda de Jeany Mary Corner, de 75 páginas, contendo telefones de mulheres e clientes, entre os quais muita gente famosa. Há nomes como Jucelino, que o MP acredita ser Juscelino Dourado, ex-auxiliar de Antonio Palocci, suposto cliente de Jeany Mary.

Fornecedora
Jean Mary Corner enviava garotas à “mansão de Ribeirão Preto”, usada em Brasília por lobistas ligados a Antônio Palocci.

Testemunha
Na “mansão de Ribeirão Preto” trabalhava um cidadão que se indignou com o que testemunhava. Era o caseiro Francenildo dos Santos Costa.

Poder
Jeany Mary Corner tinha relações muito próximas com a Polícia Militar. Na sua agenda consta o telefone de vários oficiais: de capitão a coronel.

Popular, pero no mucho
O Banco Popular, criado por Lula para tirar o povo da m…, amargou prejuízo de R$ 12,4 milhões em 2009. Faz companhia ao “Fome Zero”.

Corregedoria-Geral
A Corregedoria-Geral do Distrito Federal já investiga as denúncias de ameaças até de morte do secretário de Transportes, Gualter Tavares Neto, contra pessoas que o acusam de beneficiar empresas amigas na instalação de “lacres eletrônicos”. A CGDF já recebeu uma caixa de Sedex, carta e várias fotos que foram os supostos instrumentos de uma das ameaças. O material foi encaminhado à Polícia Civil para perícia.

Voltou atrás
Gualter Tavares contra-atacou apresentando declaração de Zilda Xavier, uma das denunciantes, onde ela nega o que disse ao Ministério Público.

Rainha da bateria
A embrionária OSX, de Eike Batista, estreou na Bolsa com baixa de 12,5%. Vai ver faltou uma boa dose de silicone na novata.

Tô fora
Helio Doyle, um dos jornalista mais respeitados de sua geração, deixou a assessoria do candidato petista ao governo do DF, Agnelo Queiroz.

A falência dos Correios
A ECT no fundo do poço: anos atrás, carta do Recife era entregue no Rio às vezes em 24 horas. Estes dias, um envelope do Senado levou seis dias para percorrer 15 km, em Brasília. Um telegrama, 48 horas.
A lição do corregedor
A frase lapidar é do ministro Gilson Dipp, do STJ, corregedor nacional de Justiça, durante palestra em Lisboa, no I Congresso de Advogados de Língua Portuguesa: “Juiz tem que ser magistrado e não majestade”.

Palanque para Dilma
Lula vai a Itabuna (BA) sexta-feira inaugurar gás e abrir licitação para a ferrovia Leste-Oeste. Os ministros (Transportes, Desenvolvimento e Minas e Energia) não foram convidados. Quem vai é Dilma Rousseff, que nada tem a ver com o caso, mas tem tudo a ver com as eleições.

Conselheiro biônico
Demitido por suspeita de corrupção, o secretário de Justiça do DF, Flávio Lemos, tinha boa reputação de ex-conselheiro da OAB-DF. Mas não eleito: na democrática OAB, vagas no conselho são preenchidas pelos conselheiros. Seu eleitor foi o deputado Alírio Neto (PPS).

Iguatemi Brasília
Sexta (26), às 10h, Carlos Jereissati Filho, presidente do Iguatemi, fará a apresentação do novo shopping do grupo, no Lago Norte, bairro de classe média alta de Brasília. Será inaugurado nas próximas semanas.

Justiça a jato
O Tribunal de Justiça do Rio promoveu por merecimento quatro desembargadores, dois deles a jato: uma ex-contraparente de ministro do Supremo, já falecido, ‘voou” sobre 34 à sua frente. O filho de um ex-corregedor do TJ ultrapassou 45 que o prece-diam na antiguidade.

Ruim da bola
Um leitor gaúcho, que só bebe chimarrão, compara Lula ao jogador paraguaio Cabañas, que levou um tiro na cabeça: sabe o nome, o dos pais e sua profissão, mas não lembra o que fez no dia anterior…

De grão em grão…
Já passou da hora de o Ministério Público do Rio investigar a prática disseminada até em grandes redes de varejo: “a falta de troco” de até R$ 0,5. Quem protesta, recebe. Em outros países isso é roubo.

Pergunta roubada
A Interpol proibiu a entrada de Paulo Maluf em 181 países por Justiça ou por precaução?

PODER SEM PUDOR

A sopa era uma droga

Tentando ser simpático, o que não é tarefa fácil, o então líder do governo, senador Aloízio Mercadante (PT-SP), ofereceu um prato de sopa ao líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), no intervalo da longa audiência de Henrique Meirelles no Senado, em 2004. O sabor não estava lá essas coisas, o que levou Virgílio – dono do mais rápido raciocínio do Congresso – a brincar com o colega:
– Vou denunciar você à delegacia de combate às drogas…

Assuntos desta notícia


Join the Conversation