Medalhistas de Prata da Olimpíada do Conhecimento falam sobre a experiência

Rafael Araújo e Maria Priscianne Souza Costa, 18 e 17 anos. Estes são os nomes que ficarão marcados no ‘Hall da Fama’ do Senai/AC como os dois primeiros acreanos a ganhar medalhas na Olimpíada do Conhecimento e Worldskills America 2010, uma das maiores (senão a maior) competições estudantis das Américas. Com um bom-humor contagiante e a sensação de dever cumprido, os jovens talentos contaram ontem À GAZETA sobre o aprendizado que vivenciaram no Rio de Janeiro (sede da disputa) e o orgulho de ter conquistado um mérito que nenhum outro Estado jamais conseguiu.Medalhistas
Segundo Maria Priscianne Souza Costa, prata na modalidade STI (Sistema de Transporte de Informações), representar o Acre numa competição que envolve 562 alunos não só do Brasil, como também de outros 11 países, já era uma honra sem tamanho. Ter ganhado a medalha, então, foi uma alegria indescritível. “Para mim, foi um momento muito especial, daqueles que guardarei para sempre na minha memória”, disse.

E não é para menos. Ainda mais se levado em conta as circunstâncias. De acordo com a jovem, na categoria STI quase todos os competidores eram do sexo masculino. Para dificultar ainda mais, a maior parte dos materiais que ela tinha levado consigo para o seu projeto eram emprestados. Então, lá estava Priscianne, com as ‘coisas dos outros’ e no meio de um monte de adversários homens. Como ela conseguiu? “Superação! É como eu sempre digo: nestas horas você tem que deixar o la-do emocional andar junto com o racional. Foi o que eu fiz e, graças a Deus, tudo deu certo no final”, responde ela.

Já o êxito de Rafael Araujo, prata na modalidade Mecânica de Automóveis e um dos maiores pontuadores da Olimpíada, pode ser descrita com as palavras confiança e persistência. Conforme o rapaz, foram mais de três anos de pura dedicação para obter proezas como essa da medalha. Ele sabia que não seria fácil, mas diante de todo o seu esforço algo muito bom tinha de acontecer, e provavelmente muito ainda virá no futuro.

“Eu me empenhei bastante porque eu acreditei mesmo que podia conquistar algo por lá. E foi o que aconteceu. Ganhei a medalha de prata e por pouco não veio o ouro”, comenta. Pouco mesmo! Rafael ficou 1,5 ponto atrás do 1º colocado. E isso competindo com rivais dos EUA, Colômbia, Peru e todos os 27 estados brasileiros. E mais: sobre um forte sistema de avaliação. “Lá, eles te observam 24h por dia, desde a hora em que você está competindo até as suas outras atividades, sua disciplina, idéias, reações, etc. Tudo isso, para mim, torna essa medalha mais especial ainda”, concluiu ele.

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation