Política local 27/04/2010

“Um deputado federal tem que trabalhar pelo Estado e não por uma região”.

Deputado federal Fernando Melo (PT), atacando a regionalização de candidaturas.

Preço alto
O deputado federal Henrique Afonso (PV), um dos mais éticos da bancada federal acreana, será homenageado amanhã, em Brasília, com a “Comenda Zilda Arns”, que homenageia as personalidades que se destacaram na luta em defesa da vida. Esta comenda é como uma reparação moral ao seu nome: por sua campanha contra o aborto, Henrique sofreu a humilhação de ser punido duramente para deixar o PT.

Protesto válido
O deputado federal Fernando Melo (PT) está fulo com os prefeitos Bira Vasconcelos (PT) e Neuzary (PT), que estão defendendo candidaturas regionais à Câmara Federal.

Deslealdade política
É muita deslealdade: na hora de pirangar emendas parlamentares batem na porta dos deputados federais, mas na hora do apoio político ajudam candidaturas dos afilhados.

Troco simples
Os atuais deputados federais que se reelegerem poderiam dar um troco a esses prefeitos: não recebê-los em Brasília quando baterem nas portas dos seus gabinetes.

Estátua na praça
Para serem justos, os dirigentes do PT poderiam erguer uma estátua do candidato ao governo, Tião Bocalom (PSDB), pela grande ajudar que deu à chapa majoritária da FPA.

Espatifou de vez
Bocalom, ao conseguir por meio de pressões e manobras segurar a sua candidatura pisando na cabeça de aliados, simplesmente, espatifou a unidade da oposição.

Não é demais
Por isso, não é demais dizer que Tião Bocalom, com sua atitude, por tabela, fortaleceu ainda mais a candidatura ao governo do petista Tião Viana (PT).

Força internacional
A senadora Marina Silva (PV) foi a estrela maior no último fim de semana em Washington, em meio a tantas personalidades, numa manifestação ambientalista.

Não votam
Como as expressões internacionais que lhe paparicaram não têm domicílio eleitoral no Brasil, em nada poderão ajudar sua candidatura à presidência decolar nas pesquisas.

Explicação dada
Dirigente de um dos partidos nanicos da FPA confirmou à coluna que foi sim feito um acordo para acalmá-los: serão abrigados nos gabinetes dos futuros senadores.

É um ingênuo
O empresário Fábio, dos transportes coletivos, é um ingênuo em pensar que seria aceito para primeiro suplente ao Senado da FPA, só por ser presidente do PHS.

Bem mais
Seria bem mais fácil Papai Noel descer de trenó puxado por renas em frente ao Palácio Rio Branco. Pelo que eu ouvi a respeito, se ainda faltassem nomes, não seria o escolhido.

Tateando no escuro
Os tucanos ainda estão tateando no escuro a procura de um vice representativo para o candidato Tião Bocalom (PSDB), depois da recusa da deputada Idalina Onofre (PPS).

Devido lugares
Falando em Idalina Onofre, ela conseguiu dar um chega para lá no grupo do ex-vereador Airton Rocha e assumiu por completo o comando do partido.

Protesto politiqueiro
Atacar, como fazem alguns parlamentares, o prefeito de Cruzeiro do Sul, Wagner Sales, sob o argumento que majorou astronomicamente o IPTU, é um protesto politiqueiro.

Nada diferente
Wagner fez o que o PT fez ao assumir a prefeitura da Capital, dimensionou de forma real o defasado cadastro imobiliário daquele município que beneficiava os milionários.

Pagando mixaria
Tinha a faixa dos ricos e os “novos ricos” de Cruzeiro do Sul, pagando 50 reais de IPTU por prédios e por mansões com terrenos imensos em áreas nobres.

Jogo sujo
Esse jogo sujo tem por finalidade proteger e agradar as grandes fortunas do município e conseguir ajuda financeira para as campanhas, nada mais do que isso.

Deixou mal
O Fantástico de domingo desmontou a defesa que a base do governo vinha fazendo na Aleac, que os exames de mamografia estavam sendo feitos na rede hospitalar pública.

Só reforçou
Ao mostrar que o serviço funciona mal, reforçou as denúncias da oposição que as pacientes passam meses para serem atendidas por falta de aparelhos operando.

Estratégia certa
O ex-prefeito de Rodrigues Alves, Deda (PP), se está investindo na Capital e municípios do Vale do Acre e não só no Juruá, como se comenta, está certo politicamente.

Muito difícil
Embora deva vir bem votado do Juruá, a votação daquele reduto poderia não ser o bastante para elegê-lo deputado, numa chapa como a do PP, só com cobra criada.

Livres e soltos
A Assembléia de Deus liberou os seus pastores a apoiar quem bem entender para deputado federal, já para deputado estadual, o nome recomendado é Hélder Paiva.

Sem favorito

A disputa mais renhida desta eleição deve acontecer entre o deputado federal Sérgio Petecão (PMN) e o deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) por uma das vagas do Senado. É uma briga sem favorito. Petecão é um nome que caiu na graça do povão, e por bem pouco não levou a eleição para prefeito da Capital ao segundo turno. Já Magalhães, se não tem esta aceitação, tem a FPA e o ex-governador Jorge Viana a puxá-lo, forças nada desprezíveis. Apontar hoje quem ganha é impossível.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation