Política local 10/04/2010

“Todos nós estamos subordinados à Constituição Federal e às leis”.

Presidente do STF, Gilmar Mendes, sobre Lula não querer punição para candidatos.

Acordando do sono
A boa ação do senador Tião Viana (PT) em viabilizar a implantação de uma usina de pasteurização de leite e fabrico de deriva dos, em Brasiléia, conseguiu, enfim, tirar a Secretaria Estadual de Agricultura do sono letárgico em que estava na rede do setor produtivo, onde nada ocorria. Não fosse o Tião candidato ao governo, daria um bom secretário de Agricultura.

Não vai demorar
Ou se criam políticas públicas para o setor agrícola ou já estaremos importando cheiro verde.

Investindo no ralo
O candidato a deputado estadual Zenildo Vieira (PT) está jogando investimento político no ralo em fazer aliança com o ex-vereador Biléu do Incra, do bornal do ex-prefeito Nílson Areal (PR).

Vitória de Pirro
Essa vitória do candidato ao governo, Tião Bocalom (PSDB), em impor a sua candidatura na direção nacional tucana é a típica “vitória de Pirro”, já que a sua chance de eleição é mínima.

Constatação amiga
Com qualquer cabeça lúcida da oposição com quem se converse e se pergunte se acredita que Tião Bocalom (PSDB) possa bater Tião Via-na (PT) ao governo, a resposta é uma só: “é difícil”.

Bolsa do futuro
O próprio Tião Bocalom (PSDB) não é parvo e sabe que sua vitória é improvável. Na verdade, ele investe no futuro: perdendo e José Serra (PSDB) ganhando, com certeza, assumiria o Incra.

Sem ter dúvida
O deputado federal Flaviano Melo (PMDB) diz não ter nenhuma dúvida que Tião Bocalom (PSDB) perde para o vereador Rodrigo Pinto (PMDB) na disputa do governo.

Campeão de rejeição
Flaviano sustenta seu raciocínio em bases científicas: “um cidadão que nunca ocupou cargo político relevante como o Bocalom e tem uma grande rejeição nas pesquisas, como ganhar”?

Dado real
Flaviano Melo cita que a rejeição de Tião Bocalom (PSDB) nas pesquisas é muito alta: “bate até minha rejeição para cargos majoritários e eu que já fui quase tudo na política acreana”.

Nem conversar
Sobre o Senado, o deputado federal Flaviano Melo avisa que não admite nem conversar com o deputado federal Sérgio Petecão (PMN) sobre a possibilidade de receber o apoio do PMDB.

Candidaturas postas
Sobre as candidaturas ao Senado, do ex-deputado federal João Correia (PMDB) e do senador Geraldo Mesquita (PMDB), Flaviano adverte que estão postas e ambas são irreversíveis.

Única constatação
A única constatação real sobre a disputa do Senado que pode ser feita sem ferir a lógica é que uma das vagas deverá ficar com o ex-governador Jorge Viana (PT) e tão somente.

Fernando Lage
É quem deverá ser o primeiro suplente do Senado na chapa do deputado federal Sérgio Petecão (PMN), numa nego-ciação que envolveu o financia-mento dos marqueteiros.

Nome cotado
Já a vice mais cotada de Tião Bocalom (PSDB) é a deputada Idalina Onofre (PPS), como forma de colocar um pé no Juruá. Idalina não é tapada: sabe que vai jogar uma reeleição pela janela.

Desenxavido
O argumento usado é que com Idalina Onofre (PPS) de vice pode-se brecar o prestígio do prefeito de Cruzeiro do Sul, Wagner Sales (PMDB), que apoiará Rodrigo Pinto (PSDB).

Brincadeira
É brincadeira, piada sem graça, os tucanos imaginarem que o prestígio político da deputada Idalina Onofre (PPS) em Cruzeiro do Sul possa contrapor à força do prefeito Wagner Sales.

Rabadas das rabadas
Basta dar como exemplo a última eleição em Cruzeiro do Sul, quando o candidato a prefeito Ilderley Cordeiro (PPS), apoiado por ela, puxou a rabada como uma votação ínfima.

Rasgando leis
O presidente Lula foi incorporado pelo espírito do “ditador branco” da Venezuela, Hugo Chaves, ao dizer que os políticos não podem ficar ao humor dos tribunais na eleição.

Não é soberano
No miúdo, Lula defende que mesmo que um candidato que abuse do poder econômico, que compre votos (como maioria dos políticos), não seja punido pela legislação eleitoral.

Duas eleições
Duas eleições vão acontecer este ano no Acre: a do calendário eleitoral normal em outubro e a segunda para a prefeitura de Sena Madureira, nos próximos 60 dias, por via judicial.

Vendilhões do templo

O Tribunal Regional Eleitoral do Acre deveria estar ma-peando o uso abusivo de emissoras de rádios destinadas ao público gospel e estes shows evangélicos que vêm sendo realizados. Na verdade, significam uma campanha antecipada dos candidatos apoiados por igrejas evangélicas, que andam misturando o profano da política com o religioso do ensino bíblico.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation