Politica local 11/04/2010

“Eles escolheram o caminho deles, e nós vamos trilhar o nosso”.

Deputado federal Flaviano Melo (PMDB) sobre o PSDB.

Sentimento de traição
O sentimento contra o deputado federal Sérgio Petecão (PMN) entre os dirigentes do PMDB é de “traição” e ao mesmo tempo de revolta. E não sem razão. Na campanha para PMRB o PMDB lhe deu legenda, sustentou seu palanque, enquanto Tião Bocalom (PSDB), seu adversário, o acusava de ter a estrela do PT na testa. Quando a lógica da gratidão apontava para que apoiasse o PMDB para o governo, eis que estendeu o tapete e se juntou ao algoz.

São Bocalom
Além da justa revolta dos dirigentes do PMDB contra Sérgio Petecão (PMN), ninguém no partido entende sua idolatria, sua reverência, servilidade, ao tucano Tião Bocalom (PSDB).

Muito mais chance
Petecão teria muito mais chance para o Senado se não tivesse quebrado a ponte do PMDB.

Palanque livre
Se depender do deputado federal Flaviano Melo, o PMDB apoiará, no Acre, Marina Silva à presidência.

Décima viagem
Esta é a décima viagem para a China e até hoje não redundou em nenhum benefício.

Unanimidade jurídica
O presidente Lula conseguiu unir contra sua desastrada declaração que os tribunais não devem punir quem compra votos, as cabeças principais do mundo jurídico nacional na condenação.

 Ver o que vai fazer
A FPA deve pensar e repensar o que fará na nova eleição em Sena Madureira: se optar por apoiar o grupo do ex-prefeito Nílson Areal, como se propala, dará o mandato à Toinha Vieira (PSDB).

Alguém acha?
Alguém acha que o prefeito de Sena Madureira, Wanderley Zaire (PP), que resgatou a imagem daquela prefeitura, que é da FPA, aceitará impassível uma traição ao seu nome deste porte?

Jair Medeiros
É outro bom nome na relação dos novos candidatos a deputado estadual. Criminalista de muitas vitórias nos tribunais do júri, Medeiros disputará a eleição pelo PSDC.

Pepino nos tribunais
O deputado Luiz Calixto (PSL) protocolará amanhã na Procuradoria Regional Eleitoral a representação contra o coronel PM Paulo César, Thaumaturgo Lima (PT) e Ermício Sena (PT).

Propaganda antecipada
A base jurídica é que Paulo César levou o deputado Thaumaturgo Lima (PT) e o candidato a deputado Ermício Sena (PT) para uma reunião política nas dependências da PM.

Pulando fora
O PTB está reavaliando a sua aliança com o PRP e PV, coligação que lhe seria desvantajosa.

Matemática da oposição
A matemática mais aceita entre os dirigentes da oposição é que farão no máximo três deputados federais, com a FPA ficando com as outras cinco vagas.

Sem problemas
O PMDB elegeria um deputado federal e a coligação dos tucanos os outros dois.

Como lema
Não mandem  mais e-mails atacando adversários políticos, porque a coluna tem como princípio básico não ser usada, e ter opiniões próprias, certas ou erradas, aceitas ou não.

Pode beliscar
Pela composição da chapa de candidatos a deputados estaduais da coligação puxada pelo PSDB, Jamil Asfury (DEM), desta feita disputa com mais chance uma cadeira na Aleac.

Vaga segura
A outra vaga do DEM é segura para o deputado N.Lima.

Alguém entende?
Fora o fato de ser um bonachão e boa praça, não criar problemas como vice-governador, alguém explica como César Messias (PP), desgastado no Juruá, será de novo vice da FPA?

Com quem se conversa
No Juruá, com quem se conversa é unanimidade que, como vice César Messias não soma nada.

Oportunidade de ouro
Falando em vice, como a deputada Idalina Onofre (PPS), parlamentar atuante, andou pensando em sair da vida pública, ser vice de Tião Bocalom é uma oportunidade de ouro.

Canetada jurídica
A cada julgamento cresce a lista das empresas e pessoas jurídicas condenadas por doações irregulares na eleição. Para as empresas é pesado: ficam proibidas de entrar em licitações.

Cassar o mandato
Depois de várias cassações de mandatos de prefeitos por compra de votos, espera-se que a nova composição do TRE seja tão ou até mais rígida que a antiga na punição dos infratores.

Único escape
Para quem quer ver uma disputa limpa, uma vitória de candidatos sem vícios, o Tribunal Regional Eleitoral do Acre é a única esperança de contrapor os compradores de votos. 

Apertar o cerco

As cassações dos mandatos dos ex-prefeitos Nílson Areal (Sena Madureira), Juarez Leitão (Feijó) e Vilseu Ferreira (Acrelândia) pela Justiça Eleitoral são belos exemplos de combate à impunidade. O TRE não deve direcionar sua espada só às candidaturas majoritárias, mas, principalmente, aos que disputam vagas na Aleac e Câmara Federal. E na área proporcional que a bandalheira política mais acontece, com as famosas “listas” do dia da votação.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation