Política nacional 04/04/2010

“A vitória do PV não é impossível”.

Senadora Marina Silva (PV-AC), candidata do PV à Presidência e enorme otimista.

Cartórios agora querem controlar arbitragem
O milionário lobby dos cartórios é incansável. Agora, um projeto de Alex Canziani (PT-PR), dublê de deputado e tabelião, tenta alterar a Lei da Arbitragem e garantir nova “reserva de mercado” para cartórios. Em vigor há 14 anos, a lei 9037/96 conquistou a confiança pela segurança jurídica: as partes escolhem um árbitro e este decide disputas e conflitos, inclusive contratuais, sem precisar recorrer ao lento Judiciário.

Esperteza
Pela lei, qualquer um pode ser árbitro, desde que goze da con-fiança das partes. Mas Alex Canziani quer explicitar nela notários e tabeliães.

Malandragem
Arbitragem é atividade privada, e os cartórios tentam usar o fato de serem delegação do Judiciário para tomar conta desse negócio.

Manobra
Emenda de Marcelo Itagiba (PMDB-RJ) ao projeto Canziani é admissão da manobra: diz que cartórios “estão aparelhados” para a arbitragem.

Muito suspeito
Quando tentou impor rega-lias para o setor, o lobby dos cartórios fazia “reuniões-privê” com políticos em suítes de hotéis de luxo de Brasília.

Candidato ‘nanico’ acusa Serra de ‘plágio’
O pré-candidato à Presidência da República Levy Fidelix, do Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB), aliado do governo Lula, diz ser dele o projeto do Rodoanel – cuja penúltima etapa o pré-candidato tucano José Serra inaugura em breve. Exibe registro em cartório de seu “Anel viário” e até do “aerotrem” Campinas-SP, que chamou de “metrô leve”. Diz que vai denunciar tudo durante a campanha.

Um mundo de idéias
José Serra não comentou. Levy Fidelix também acusa o prefeito paulistano Gilberto Kassab (DEM) de “plágio” do seguro-calamidade.

Papelório
A Presidência da República contratou cinco gráficas para “impressos diversos”. Espera-se que o PACote seja, ao menos, reciclado.

Oremos
Deve ser a proximidade da Páscoa: a deputada Graça Matos (PMDB-RJ) criou o Dia do Teólogo, ainda sem data, mas será no final do ano.

O Brasil é uma festa
Vencedora da licitação de R$ 170 mil para a festa do PAC 2, dias antes organizou por R$ 6,6 mil um evento do Ministério da Saúde, no Rio. Em janeiro venceu na Anac para “eventos diversos”. Em setembro termina contrato de R$ 2,4 milhões com o Ministério da Ciência e Tecnologia.

Visita íntima de preso…
A Ordem dos Advogados do Brasil do Mato Grosso do Sul confirmou denúncia da ONG Brasil Verdade, em 2009, de que câmeras de áudio e vídeo gravavam visita íntima dos presos no presídio de Campo Grande.

… era gravada em MS
A ONG Brasil Verdade mostrou um dos vídeos, refutados pela direção da penitenciária, mas a OAB achou equipamentos no parlatório dos advogados e numa cela especial usada pelos detentos.

Dado assustador
Dados da Segurança Pública do Pará mostram que em 2010 houve um crescimento de 2,78 % no índice de homicídios em Belém. A cada 24 horas, quatro pessoas são assassinadas na capital do Estado.

Belém em guerra
Em 2009 foram 1.169 mil assassinatos em Belém. Levantamento do senador Flexa Ribeiro (PSDB) mostra que o número de mortes na capital paraense se compara com Bagdá (Iraque), que teve 1.545 homicídios.

Caça-níqueis
A multinacional de jogos Gaming Laboratories International faz lobby na Câmara, de olho na liberação dos bingos. “Mas não fomos dizer se o jogo deve ser ou não permitido”, disse em comunicado. Então, tá.

Pelo cano em Angola
Grandes contrutoras brasileiras, como Odebrecht e Camargo Correia, já demitiram milhares de operários, após o governo de Angola dar um cano de cerca de US$ 2 bilhões da “reconstrução do país”, segundo a Reuters. Muito dessa grana é do Brasil, rico protetor dos pobres países lusófonos.

E o céu também
Para concretizar a compra dos caças Rafale, só falta oferecer a primeira-dama Carla Bruni pilotando: além da transferência total de tecnologia, o governo francês toparia comprar dez bimotores KC390, da Embraer, participando de seu desenvolvimento, revelou a revista L’Express.

Pensando bem…
…a julgar pelas últimas pesquisa, a candidatura de Dilma “emPACou”.

PODER SEM PUDOR

Jânio e a roubada do poder

Na intimidade, Jânio suportava conversar sobre a renúncia, assunto explosivo se provocado em público ou em ambiente com muitas pessoas. Um dia, aos próprios amigos, que insistiam em fazê-lo confessar algo mais do que a explicação que dava, respondeu com surpreendente calma:
– A verdade sobre a renúncia vocês já sabem. Se quiserem ingressar na ficção, conversem com o Vladimir Toledo Piza, que tem mais de dezoito versões. Escolham uma delas.
E acrescentou: 
 – Se houve golpe, eu não o comuniquei a nenhum militar. A Presidência da República não me deu nada. Pelo contrário: andou me tirando. Lá furtaram-me um terno, uma camisa e um par de sapatos.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation