Pular para o conteúdo
POLÍTICA

Dilma discute com base problemas regionais

Em meio a divergências e disputas na montagem de seus palanques estaduais, Dilma Rousseff marcou para segunda-feira um jantar com todos os líderes dos partidos governistas da Câmara dos Deputados.

O encontro ocorrerá no momento em que a pré-candidata e o PT atuam para tentar desatar os nós entre os aliados e deslanchar um roteiro de viagens pelo país, em busca de vitrine e votos.

O jantar será servido na casa do deputado Eunício Oliveira (PMDB-CE), pivô de uma das principais disputas regionais entre PMDB e PT. Candidato ao Senado, Eunício pressiona o PT a retirar a pré-candidatura ao Senado do ex-ministro da Previdência e deputado José Pimentel.

De acordo com o líder do PT na Câmara, deputado Fernando Ferro (PE), os líderes das bancadas governistas devem aproveitar o encontro com Dilma para apresentar a fatura pelo apoio à candidatura.

“Vai ser uma discussão geral. Ela já tinha manifestado o interesse nessa conversa. É claro que essa questão da disputa regional, das rivalidades locais vai entrar em discussão”, disse o deputado.

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), que organiza o encontro, desconversa sobre as dificuldades regionais e sustenta que a prioridade do encontro é a interação de Dilma com os partidos aliados. “É mais um canal de aproximação”, afirmou.

O número de palanques de apoio a Dilma é cerca de 40% maior que o de Serra, até porque a base de sustentação do presidente Lula conta com oito grandes e médios partidos (PT, PMDB, PR, PP, PTB, PSB, PC do B e PDT), e a oposição reunida em torno de Serra só tem três (PSDB, DEM e PPS).
Mas a vantagem numérica tem como contrapeso as disputas dentro da base aliada em torno das candidaturas governistas, com a consequente pressão exercida sobre a campanha nacional, alguns cobrando apoio exclusivo, outros exigindo tratamento isonômico.

Na noite de ontem, a coordenação nacional de campanha de Dilma deveria se reunir novamente em Brasília com a cúpula do PMDB para tratar dos problemas regionais, principalmente o de Minas, onde os peemedebistas pressionam o PT a apoiar a candidatura ao governo de Hélio Costa.
Também na segunda o PT lança o site oficial de Dilma, que dará entrevista coletiva a blogueiros e jornais nesse dia.

O site entra no ar uma semana depois de ela aderir ao microblog Twitter. Ontem a ex-ministra já seguia 31 pessoas, entre elas os cantores Ivete Sangalo e MV Bill e a apresentadora de TV Ana Maria Braga, com quem jantaria à noite.

Seus seguidores somavam 22.800 às 16h. José Serra (PSDB), com o microblog ativo há bem mais tempo, tem 199 mil seguidores. (Folha Online)