Pular para o conteúdo

Rodrigo Pinto verifica denúncia em bairro e promete providência

Presidente em exercício da Câmara de Vereadores de Rio Branco, desde segunda-feira (12), o vereador Rodrigo Pinto, pré-candidato do PMDB ao Governo do Estado, está cumprindo o que prometeu para o exercício do cargo. Na terça-feira (13), ele foi até o bairro Ayrton Senna verificar denúncia de má prestação do serviço de saúde pelo município. Já na sessão de ontem, ele garantiu que vai tomar providências contra as manobras da base governista na Câmara que estão obstruindo as votações.
Rodrigo-Pinto
“A Câmara é para legislar, fiscalizar as ações da prefeitura e, acima de tudo, representar a população do município e defender os seus interesses. Por isso, estamos tomando as devidas providên-cias para, enquanto eu estiver à frente do Legislativo Municipal, mesmo que interinamente, nosso papel seja cumprido”, disse Rodrigo Pinto.

Denúncia na saúde
Na tarde de terça-feira, Rodrigo Pinto, como presidente em exercício da Câmara, foi até o bairro Ayrton Senna verificar a denúncia de moradores contra os serviços de saúde prestados pelo município. No Módulo de Saúde da Família, ele comprovou a falta de médicos e de estrutura e ouviu reclamações dos moradores.

Na unidade de saúde não havia médico para atender a população, apenas um enfermeiro que trabalha nos dias úteis da semana. O médico atende três unidades e só comparece no local durante três dias na semana, pela manhã. Ainda assim, não cumpre o horário contratual. Atende 15 pessoas e encerra o expediente.

“Às vezes ele não vem e quando vem sempre fica muita gente sem ser atendida. Sem contar que de vez em quando o turno está mudando. A gente vem pela manhã e dizem que é à tarde, a gente vem à tarde e dizem que é pela manhã”, afirmou a moradora Rosiane Santos, 25.

Além de problema nos serviços, a unidade sofre com a falta de estrutura, já que não possui sala de vacinação e a manutenção e condições físicas do prédio são precárias. A caixa d’água da unidade fica em um buraco, no barro e, nos finais de semanas, crianças se banham em seu interior. A fossa da unidade, precária, fica com a tampa entreaberta, e os dejetos expostos.

Os servidores que trabalham no módulo e receberam Rodrigo Pinto, não quiseram falar sobre as denúncias por temerem represálias. O vereador garantiu que irá cobrar as providências ao município, se possível, até fazendo indicações e convocando o secretário municipal de Saúde à Câmara.

Manobra dos governistas
Na sessão da Câmara, de ontem, atendendo a reclamação dos vereadores Luiz Anute (PPS) e Raimundo Vaz (PRP), o presidente em exercício, Rodrigo Pinto (PMDB), prometeu tomar providências contra as manobras do bloco governista que estão obstruindo as votações. Pelo segundo dia consecutivo, os vereadores da base de sustentação do prefeito se retiraram do plenário pouco antes de começar a ordem do dia, onde requerimentos deveriam ser votados.

Segundo a denúncia de Anute, a manobra foi articulada pelo líder do prefeito na Câmara, Astério Moreira (PRP), o primeiro a deixar o plenário. Ele foi seguido por Ariane Cadaxo (PCdoB), Ricardo Araújo (PT), Gabriel For-neck (PT), Alisson Bestene (PP) e Alonso Andrade (PSDB).

“Os parlamentares deveriam cumprir seu papel de representar e defender a população e não ficar fazendo manobras para atender os interesses da prefeitura e prejudicar o povo. Esta estratégia da bancada governista é para não serem votados os requerimentos, como os dois que fiz para convocar o senhor Semir Ferraz para explicar os péssimos serviços do Saerb e o aumento de até mil por cento nas contas de água. Também o do vereador Raimundo Vaz, onde quer saber do contrato misterioso da prefeitura com a empresa Lara, que eles escondem”, disse Anute.

O requerimento de Raimundo Vaz parece ser o mais polêmico e que está levando a bancada de sustentação do prefeito a obstruir a votação. Ele quer saber do Termo de Ajuste feito pela prefeitura com o Ministério Público sobre o impacto ambiental na Unidade de Tratamento de Resíduos Sólidos (Utre) de Rio Branco, inaugurada em outubro de 2009. Também porque o lixão da Estrada Transacreana continua ativo.

Vaz convoca, em seu requerimento protocolado há cerca de 15 dias, o secretário municipal de Meio Ambiente, Arthur Leite, para explicar sobre as licenças ambientais para funcionamento da Utre e para desativação do atual lixão. Também convoca o secretário municipal de serviços urbanos, Cezário Braga, a esclarecer sobre o contrato com a empresa Lara e o funcionamento da Utre e do Lixão da Transacreana.

Vaz lembrou, no fim da sessão, que a presença dos vereadores na Câmara é confirmada na ordem do dia e que quem se ausentar deve ser considerado faltoso, ter o ponto cortado e o dia descontado do salário. Com a ausência em três sessões seguidas, sem justificativa, o vereador está passível de representação no Conselho de Ética que pode opinar inclusive pelo processo de cassação. “É o que diz o regimento interno que deve ser seguido”, afirmou o parlamentar. (Assessoria do PMDB)