Gazetinhas 27/05/2010

* Depois daquela chuvarada, dia amanheceu ontem preguiçoso.

*Passando pela Rádio GAZETA 93,3 FM, o pré-candidato ao governo, Tião Bocalom. Primeiro a ser sabatinado pelos jornalistas Eliane Sinha-sique e Nelson Liano Jr.

* Uma horinha só foi pouco para abordar tantos assuntos de interesse da população. O telefone não parou de tocar. População quer perguntar, quer saber.

* Hoje é o dia de Rodrigo Pinto e amanhã tem Tião Viana. Não percam.

* Chega uma boa notícia, agora nem o vice-governador César Messias nem o deputado Edvaldo Magalhães precisam sair na ‘carreira’ toda vez que o Binho viajar.

* Com bom senso, o TRE, por meio do juiz Marcelo Bassetto, entendeu que não havia problemas em o vice assumir mesmo 6 meses antes das eleições.

* A verdade é que já passou da hora de rever essa legislação eleitoral que, venhamos e convenhamos, muitas vezes não tem lógica alguma.

* E nesse ponto concordo com o que diz Marcos Coimbra, soció-logo e presidente do Instituto Vox Populi, em recente artigo publicado no Correio Braziliense, que vale a pena destacar um trecho aqui:

* “Nossa legislação eleitoral é confusa, efêmera, artificial. Em alguns aspectos, é tão detalhista que parece obcecada com pulgas; em outros, é tão omissa que deixa escapar elefantes”.

* Alguém discorda?

* Escuta esta leitor: uma mudança na forma de cálculo da CCC (Conta de Consumo de Combustíveis) vai fazer com que os brasileiros paguem (isso mesmo) R$ 6 bilhões a mais na conta de luz nos próximos 4 anos. É mole?

* O impacto da nova CCC está estimado entre 1,5% a 2% na conta de luz dos brasileiros.

* O serviço já não é essa coca-cola toda, não pode chover que começa a piscar, vivemos constantemente pequenos apagões, a nossa energia já é uma das mais caras do país e ainda vai aumentar?

* E o que nós brasileiros já pagamos a mais nos últimos anos?

* Em outras palavras, sobrou pra nós consumidores.

* Das bizarrices exigidas pelas seleções para a Copa do Mundo, ninguém ganhou do Maradona, técnico da Argentina (tinha que ser).

* Ele exigiu em sua suíte um vaso sanitário no valor de R$ 2 mil. Mas o diferencial não tá no preço não, leitor, o legal é que o trambolho tem assento aquecido, secador com ar quente e dois bidês acoplados na frente e atrás do vaso.

* Tratamento vip para as partes baixas. Ai, ai, ai, ui, ui, ui!

 * Interina: Geisy Negreiros.

 

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation