Política local 06/05/2010

“O inimigo do momento é a falta de respeito do governo às nossas propostas”.

Presidente do Sinteac, Manoel Lima, sobre a greve dos professores.

Azedou de vez
Botaram colher usada no pudim da greve: azedou de vez a relação com o governo. O episódio que levou a isso, revelado ontem na assembléia dos professores, foi o fato do procurador-geral do Estado, Roberto Barros, ter reagido com ironia e desdém à proposta da categoria na mesa de negociação, assim: “vocês pensam que o governo é índio para ter nariz furado?”.

Respostas duras
A professora Rosângela Castro, que não leva desaforo em greve, reagiu na hora: “quem tem nariz furado é você”. E a partir daí, consta, ninguém se entendeu mais e acabou a reunião.

Mal informado
O procurador Roberto Barros, se de fato fez o comentário, está desatualizado: quem fura nariz hoje para botar percing é o branco, índio está globalizado, tem até internet e fala inglês.

Orelha ardendo
A orelha do procurador Roberto Barros foi a que mais ardeu ontem na assembléia geral dos professores, com os oradores se sucedendo e tecendo duras críticas ao seu comportamento.

Chegou na hora
Moisés Diniz, ele apagou na hora ontem a labareda que se tornaria num incêndio político: desautorizou uma entrevista dada pelos meninos da UJS (PCdoB) pelo fim da greve.

Combustível no fogo
Fosse publicada, os professores iriam debitar a conta no PCdoB e seria como gasolina no fogo.

Fico com esse
Mas entre os fatos cômicos, fico com a reação de um baixinho ao comentar que a secretária Maria Correia teria chorado na televisão: “se eu ganhasse 17 mil, eu não chorava, berrava”.

Investigação avançada
O delegado Emylson Faria revelou ontem já ter o retrato falado dos matadores do vereador Pinté (PP) e considera que as investigações do caso, ainda recente, estão bem adiantadas.

Não descarta
Revelou ainda que ele não descarta a linha de investigação de crime político.

Tempo e latim
Os deputados Luiz Calixto (PSL), N.Lima (DEM), Donald Fernandes (PSDB) e Idalina Onofre (PPS) se juntaram ontem para pedir a cabeça da secretária Márcia Regina: é perder tempo e latim.

Só fortalece
É não conhecerem o governador Binho Marques: do jeito como é, quanto mais baterem na Márcia e pedirem a sua cabeça na bandeja aí é que ela fica mais forte no cargo.

Eleição na porta
O presidente do TRE, desembargador Arquilau Melo, calcula que em no máximo 15 dias se resolvem as pendências jurídicas sobre Sena Madureira e serão marcadas as novas eleições.

Clima contaminado
Pela proximidade da eleição normal, o presidente Arquilau Melo acha que a nova disputa para prefeito de Sena será contaminada pelos debates do pleito majoritário deste ano.

Compra de voto
Na sua última entrevista na televisão, citou uma novidade que não agrada os compradores de votos:  serão fiscalizados este ano com mais rigor pelo Ministério Público Federal Eleitoral.

Ainda é pouco
Tudo que se fizer para combater a compra de votos, para punir com a cassação do mandato os que se elegerem usando o método, ainda é pouco, essa turma tem que ser marcada de perto.

Toma tendência!
Choquito, Choquito, toma tendência!

Nunca precisou
É um equívoco pensar que pelo fato da prefeita de Brasiléia, Leila Galvão, não apoiar o deputado Delorgem Campos (PSB), ele será prejudicado na reeleição: nunca teve esse apoio.

Discordância em parte
Não se comentava ontem nas rodas outra coisa a não ser a pesquisa do instituto Phoenix. A grande discordância eram os números do governo, mas quanto aos do Senado, sem reparos.

Números “bombados”
Até na oposição os números do Tião Bocalom (PSDB) ao governo foram tidos como “bombados”. Mas, pesquisa é isso mesmo, desperta sentimentos de paixão e ódio.

Debaixo da asa
Os deputados Hélder Paiva (PR), Dinha Carvalho (PR) e Zé Carlos (PTN) serão, segundo o deputado Thaumaturgo Lima (PT), abrigados na coligação PT-PDT, para disputar a reeleição.

Ficar sabendo
Hélder, Dinha e Zé Carlos vão sabendo desde já que nessa coligação quem tiver abaixo de 4 mil votos pode ficar certo que vai amargar suplência, tal a quantidade de candidaturas fortes.

Cobras criadas
Só para citar alguns: Walter Prado, Luiz Tchê, Ney Amorim, Geraldo Pereira, Francimar Fernandes, Chico Viga, Itamar de Sá, Ermício Sena, Nazaré Araújo, Manuel Lima, entre outros.

Velho ditado
“O cântaro tantas vezes vai à fonte que um dia quebra”, diz o velho ditado. O governo não deu importância a essa greve dos professores e calculou que seria mero fogo de palha como foram as demais, desde que a FPA chegou ao poder. Mas, errou na avaliação de que mais uma vez resolveria as coisas com o Carioca. E hoje temos a rede pública de ensino parada. É piegas o apelo que os alunos serão penalizados, porque por esse argumento nunca haveria uma greve. E a greve continua.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation