Pular para o conteúdo

Política local 09/05/2010

“Quanto mais rígido for o TRE no combate à compra de votos, melhor para a democracia”.

Vereador Astério Moreira (PRP).

Situação difícil
Nada cômoda a situação do PMDB: sem recursos para tocar a campanha de Rodrigo Pinto (PMDB)  ao governo e sem uma
 chapa própria para a Câmara Federal que possa dar ao partido a garantia que reelegerá Flaviano Melo (PMDB). E para completar, o birrento presidente do PSDB, Tião Bocalom, criou toda série de dificuldades para evitar uma coligação com o PMDB.

Não sabe
Ontem, encontrei o ex-deputado federal João Correia (PMDB), cujo nome está posto para o Senado, e lhe perguntei: como vai ficar a candidatura ao governo? Resposta: “eu não sei”.

Virou palavrão
Em qualquer roda de peemedebistas que se chegar o nome do candidato ao governo pelo PSDB, Tião Bocalom, virou palavrão. A adjetivação usada para qualificá-lo é impublicável

Corrigindo erro
Correção com pedido de desculpa por ter sido induzido a um erro: não foi o procurador Roberto Barros quem teceu considerações que desagradaram aos professores em greve.

Não tem volta
Sejam quais forem os empecilhos dentro da oposição ao deputado federal Sérgio Petecão (PMN) ele não tem mais volta, até porque a sua candidatura ao Senado pegou um bom vento.

Aposta no blefe
Petecão não crê que Sérgio Barros (PSDB) e Flavia-no Melo (PMDB) podem disputar o Senado.

Delírio político
Os tucanos estão apostando que o candidato ao governo do PSOL, Osmarino Amâncio, pode chegar aos 5% dos votos e turbinar um segundo turno. É muito delírio político!

Nem o sindicato
Osmarino não tem vencido nem as eleições para o sindicato dos trabalhadores de Brasiléia.

Fica nisso
Se o DEM conseguir eleger dois deputados estaduais os favoritos são o deputado N.Lima e o Jamil Asfury. Os demais na lista dos candidatos tendem fazer apenas papel de mera figuração.

Tendência natural
Assim como o TSE seguiu o voto do Relator e absolveu o prefeito Nílson Areal e o vice Cassiano no “caso dos cheques” tende a condenar ambos, seguindo o Relator no “caso das telhas”.

Fim da novela
No máximo em 15 dias a novela, que vai entrando para o sexto mês, deverá chegar ao final.

Queixas abertas
Vereadores da base do prefeito Angelim só têm uma queixa dele: não ajuda os aliados na hora em que estes se candidatam, como contrapartida ao apoio recebido por ele no parlamento.

Manter distância
Os cardeais da FPA vão manter distância de Acrelândia enquanto não for descoberto quem matou o vereador Pinté (PP) e saber se houve ou não envolvimentos de políticos da aliança.

Comentários escabrosos
É uma medida acertada, pois os comentários da população são os mais escabrosos possíveis.

Uma dúvida
O candidato a deputado estadual pelo PT, Pereira, tem conseguido armar bons apoios de campanha e pode ter sucesso, mas, é preciso ver se vão funcionar na hora de chegar na urna.

Apostando errado
Quem apostar que se o senador Tião Viana (PT) ganhar o governo, como tudo indica,  com José Serra (PSDB) na presidência as portas para o Acre serão fechadas nos ministérios, vai perder.

Sempre que pode
Sempre quando se refere ao senador Tião Viana (PT), Serra o faz de maneira elogiosa. Foi assim recentemente numa entrevista concedida  ao canal GLOBONEWS.

Forte indicador
Claro que a campanha nem começou (só deve embalar após a Copa do Mundo), mas, onde se anda os majoritários mais falados são Tião Viana (PT) e Jorge Viana (PT).

Fora da disputa
O senador Geraldo Mesquita (PMDB) não vai disputar a reeleição. Não cumpre um mal mandato, mas, a sua esquisitice impediu de avançar para disputar a reeleição com chance.

Pesar e avaliar

Importante dirigente do PMDB fez a seguinte avaliação esta semana: “se for para a gente lançar o Rodrigo Pinto (PMDB) ao governo sem um mínimo de estrutura é melhor esquecer”.´