Política local 11/05/2010

“Não pedi ao PMDB me indicar candidato ao governo: eles é que têm que retirar meu nome”.

Frase do candidato ao governo, Rodrigo Pinto (PMDB).

4 milhões ou forca
A executiva do PMDB colocou o candidato ao governo Rodrigo Pinto (PMDB) com a corda no pescoço: ou consegue 4 milhões de reais para bancar a campanha ou não haverá como levar a sua candidatura adiante. Ou seja: vai para a forca. O fato me foi revelado ontem pelo próprio Pinto, que se mostrou magoado com a forma como a sua candidatura foi fritada no partido.

Forma clara
Para Rodrigo Pinto, ao colocar o orçamento da campanha no seu colo, foi uma forma do PMDB dizer claramente que sua candidatura foi rifada, já que não há como ele viabilizar essa quantia.

Prazo na mesa
Foi dado um prazo de 10 dias para a executiva regional do PMDB anunciar que sua candidatura foi retirada. Para Pinto, o PMDB  terá que dar uma explicação ao eleitor do motivo da decisão.

Comentário irônico
Rodrigo não esconde a sua revolta com essa situação, e foi irônico sobre a exigência do PMDB para manter sua candidatura: “se eu tivesse 4 milhões era candidato a deputado federal”.

Juros e correção
Na verdade, a implosão da candidatura do Rodrigo é um troco com juros e correção monetária do PMDB na tese de duas candidaturas ao governo imposta pelo zangado Tião Bocalom (PSDB).

Come o dono
Um dirigente peemedebista me disse ontem ao se referir às rasteiras dadas por Tião Bocalom no  PMDB que nem sempre ser esperto é bom: “a esperteza às vezes cresce e come o dono”.

Erro fatal
O erro do candidato do PSDB, Tião Bocalom, ao fazer de tudo para implodir a unidade das oposições, foi pensar que ao peitar o PMDB estava tratando com amadores na política.

Cara a cara
Agora, Tião Bocalom (PSDB) vai ter que enfrentar o senador Tião Viana (PT) no mano a mano, com a parada sendo decidida sem chance de segundo turno. Era tudo o que ele nunca quis.

Não prejudica
Se por um lado implode o sonho de Bocalom de duas candidaturas da oposição ao governo, a saída de Rodrigo Pinto de cena não prejudica a candidatura de Petecão (PMN) ao Senado.

Sopa no mel
Neste caso a oposição terá duas candidaturas a senador, a dele e a do ex-deputado federal Sérgio Barros (PSDB), que já anunciou a volta do seu nome para a disputa do Senado.

Nem pensar
Liguei ontem para o deputado federal Flaviano Melo (PMDB) para saber se eram verdadeiros os boatos de que neste contexto disputaria o Senado. Resposta rápida: “isso nem pensar”.

Distância segura
O fato político mais notado ontem na inauguração do Ceasa foi os principais dirigentes da FPA guardarem distância do prefeito de Acrelândia, Carlinhos (PSB), deixado isolado num canto.

Bem direcionadas
Quem aproveitou bem foi o deputado federal Fernando Melo (PT) ao perfilar no pátio do Ceasa 120 micro-tratores comprados pela Embrapa com  R$ 5 milhões de suas emendas.

Filhotes de jacaré
Também conhecido como “Fernando Jacaré”, Fernando Melo denominou os micro-tratores de “jacarés- tingas” , que é a menor da espécie existente na Amazônia.

Festa política
Melo não é tolo e vai captar dividendos políticos junto aos produtores rurais com a iniciativa.

Óculos emprestados
Vou pedir os óculos especiais (devem ser 3D) do pesquisador da Embrapa, Judson Valentim, para conseguir ver o “aumento da produção agrícola” que só ele consegue enxergar, no Acre.

Não é preciso muito
O Acre mal produz cheiro-verde ou o feijão, arroz, verduras e legumes não viriam de Rondônia e outros centros. Tampouco importaria os produtos do Peru para abastecer o Vale do Juruá.

Bela obra
Agora, falando do Ceasa: é uma bela obra feita pelo prefeito Raimundo Angelim, fruto de um administrador de visão, que não fica naquela coisa pequena, mas pensa grande e no futuro.

Não dar margem
O senador Tião Viana (PT) fez questão de não discursar ontem no Cea-sa (embora como parlamentar fosse legal) e se ausentou para não dar margem a denúncias da oposição no TRE.

Apoio declarado
Pouca gente sabe, mas com essa briga entre PMDB e o PSDB, muitos peemedebistas têm procurado o senador Tião Viana (PT) para lhe manifestar apoio em represália aos tucanos.

Nome jovem
Dimas Sandas (PT) é o nome que está mobilizando as bases da juventude petista, como candidato a deputado estadual. Todo sangue novo na política só merece incentivos.

Não passa disso
Tendo apenas como candidatos a deputado federal Márcio Bittar (PSDB), Ilderley Cordeiro (PPS), Antonia Lucia (PSC) e Raimundo Noleto (DEM), esse time não emplaca duas vagas.

Leva de barbada
E o favorito para ficar com essa vaga é sem dúvida o Márcio Bittar (PSDB), que tem carisma, bases em todos os municípios, e sem dúvida, é uma das maiores lideranças da oposição.

Nem é preciso conversar

Não converso há um bom tempo com o prefeito de Cruzeiro do Sul, Wagner Sales (PMDB), mas, não tenho o menor temor em prever que, com o fim da candidatura do vereador Rodrigo Pinto (PMDB) ao governo, ele não subirá no palanque de Tião Bocalom (PSDB) no Juruá. Até porque sabe que partiu do próprio Bocalom toda sorte de boicote à aliança entre PMDB-PSDB. Quem quiser apostar no contrário, o escritório de apostas se encontra aberto desde agora.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation