Política nacional 11/05/2010

“[Geraldo Alckmin] é um cavalo paraguaio”.

Cândido Vacarezza (PT), líder do governo, sobre o candidato tucano em SP.

GSI: chefe de gabinete pediu violação de sigilo
Ainvestigação sobre a vida fiscal de seis oficiais do Exército, três deles generais da ativa, revelada aqui, foi feita pela Coordenação-Geral de Pesquisa e Investigação da Receita Federal, conforme documento em poder da coluna. A ordem do Gabinete de Segurança Institucional ao Ministério da Fazenda, diz fonte da Receita, tinha assinatura eletrônica do coronel Luiz Fernando Lima Santos, chefe de gabinete no GSI.

Subordinado
O coronel Luiz Fernando Lima Santos é subordinado do general Jorge Félix, ministro-chefe do GSI, que ontem desmentiu a violação do sigilo.

Rota da violência
O GSI pediu a investigação em 18 de janeiro. A Receita informou à Fazenda o resultado da sua apuração às 9h11 de 17 de março.

Data do veredito
Às 18h56 de 23 de março o Ministério da Fazenda enviou ao GSI, pelo sistema “Note”, o veredicto coletivo da quebra de sigilo: “nada consta”.

Ninguém acredita
Jorge Félix telefonou aos oficiais que tiveram o sigilo quebrado para jurar que isso não era verdade. Ninguém acreditou nele.

OAB acha quebra…
Para o presidente da OAB, Ophir Cavalcante, é gravíssima a quebra de sigilo fiscal de militares críticos ao governo Lula. Lembrou a triste época em que o Estado devassava a vida de quem era contra o regime militar. “A devassa na vida fiscal das pessoas só pode ser feita com ordem judicial, dentro de um processo, quando houver suspeita do cometimento de crime”, diz o estarrecido presidente nacional da OAB.

Na sarjeta
O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA) não estranhou: “O governo Lula está na sarjeta e quer levar todo mundo. Agora ataca o Exército”.

Que democracia?
Do líder tucano na Câmara, deputado João Almeida (BA), sobre a violação do sigilo: “Estamos falando de democracia ou o quê?”

Agenda
Só este ano, o ministro Luiz Adams (Advocacia Geral da União) esteve 32 vezes no STF. Atuando em sessões e despachando com ministros.

Suprema divergência
O corintiano Cezar Peluso, presidente do Supremo, e o antecessor Gilmar Mendes divergem também no futebol. O santista Mendes quer Neymar e Ganso no time de Dunga; Peluso inaugurou a divergência.

A última que morre
Ponta de esperança para Neymar e Ganso: dono do pé mais gelado do país, Lula disse em um jantar com ministros do STF que é contra a convocação deles. Se estivesse torcendo, não teriam a menor chance.

Férias remuneradas
Professores da Universidade de Brasília ainda não trabalharam em 2010: emendaram as férias com uma greve, que já dura 60 dias, para continuar recebendo ilegalmente indenização que a Justiça concedeu a um pequeno grupo e depois malandramente estendida aos demais.

Pra lá de sessenta
Outros 60 dias virão de greve na UnB, se depender do secretário de RH do Ministério do Planejamento, Duvanier Ferreira. A Justiça também joga pesado: mandou devolver a grana recebida ilegalmente.

Coincidência
O escritório da mulher do governador do Rio, a advogada Adriana Ancelmo, defende “há tempos” a Service Clean, empresa do grupo do empresário Arhur Cesar de Menezes Soares Filho, o “rei da terceirização”, ganhador de licitações, e amigão de Sérgio Cabral.

Quebra de decoro
O vereador Paulo Rogério da Silva (PT), de Cidade Ocidental (GO), parece mais um político que gosta de levar vantagem: apesar da renda de R$ 7 mil, descolou bolsa do ProUni, para estudantes de baixa renda.

Mestre Aurélio, 100
A pedido do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), a Câmara vai homenagear nesta terça, às 10h, o centenário de nascimento do escritor e filólogo alagoano Aurélio Buarque de Holanda Ferreira. A sessão contará com a viúva, Marina, e do filho de mestre Aurélio.

Na disputa
Autor de doze livros sobre o ex-presidente Jânio Quadros,  o jornalista Nelson Valente, professor universitário e articulista da coluna, concorre à cadeira do bibliófilo José Mindlin, na Academia Brasileira de Letras

Pensando bem…
…um governo atropela a lei, age com arrogância e persegue seus críticos apenas quando é fraco.

PODER SEM PUDOR

O homem errado

O repórter de um jornalão paulista se preparava para entrevistar Jânio Quadros na casa dele, no Morumbi. Dia e hora acertados, o então jovem repórter liga o gravador no escritório do ex-presidente:
– 1, 2, 3, entrevista com o ex-presidente Leonel Brizola…
Jânio o intercepta:
– Se Brizola foi presidente da República, eu não tomei conhecimento e tampouco fui avisado.
Estende a mão e despede-se do jornalista.
– Passar bem! Fosfato faz bem para o cérebro.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation