Pular para o conteúdo

O Progresso como bússola do Homem

Adotando a perspectiva de que o Homem é o principal responsável pelo seu próprio destino, colhendo aquilo que plantou com suas ações, pensamentos e sentimentos, pode-se alcançar a expressão de Paulo de Tarso: “o justo juízo de Deus, que retribuirá a cada um segundo as suas obras” (Rom 2, 5-6). Além disso, a vida pode ser assim encarada como uma espécie de bola de neve. Ou seja, quem está colhendo bons frutos tende a ganhar cada vez mais, pois continuará fazendo certo a coisa certa, enquanto aqueles que não têm, terão menos ainda. O que amarga colheita espinhenta tende a se revoltar contra o mundo ao invés de se arrepender de seus atos errôneos, dos vícios e da dureza de seu coração.

Precisamos aprender a refletir melhor sobre o nosso passado, uma vez que “se ninguém atirou a primeira pedra”, é porque cometer equívocos e enganos é uma característica de quem está na caminhada da luz, da perfeição. Todavia, a imperfeição não é situação eterna. É apenas passagem do homem entre o selvagem e o plenamente civilizado. O importante é não ficar parado e (re)encontrar a senda do progresso.

A lei do progresso é a lei da economia espiritual, ou seja, é preciso saber ver por trás das armadilhas da matéria e perceber que apenas quem tem paz e tranqüilidade na mente pode ter uma felicidade mais duradoura. Toda mercadoria material se torna depreciada e tende a acabar um dia. Toda beleza física se esvai. Toda produto novo acabando se tornando lixo. Isso não é apenas tática de depreciação dos produtos que as empresas usam para vender mais. É característica da matéria em si.

Assim é importante que valorizemos aquilo que não perde valor e que fica melhor com o tempo. Ou seja, as nossas virtudes, nosso conhecimento e experiências. Tenha em mente que a perfeição do Homem é seu objetivo real e que apenas quem se esforça, que despende força de vontade e paciência, estudo e trabalho consegue adquirir avanços admiráveis ao longo do tempo, tornando assim o Homem não um simples barco atormentado pelo vai-e-vem do oceano da vida e do Adamastor do destino, mas verdadeiro farol firme e seguro que dá o exemplo e ilumina àqueles que ainda estão em situação atrasada. Aliás, nada mais justo que o progresso de cada um seja conquistado por braços próprios, pois não há loteria espiritual no mundo, nem recebimento sem mérito. Nada é por acaso.

*Paulo Hayashi Jr, Doutorando em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)