Analistas ambientais do Ibama e ICMBio entregam cargos e portaria de fiscalização

Revoltados com a intransigência do Governo Federal e o corte salarial de 30% por causa da greve de 35 dias, cerca de 1.500 analistas ambientais do Ibama e do Instituto Chico Mendes (ICMBio) de todo o Brasil entregaram ontem os seus cargos de confiança e a portaria de fiscalização concedida pela União. No Acre, 34 servidores da área aderiram à forma de protesto e deixaram de vez, às 9h, no pátio do Ibama/AC, os seus cargos de analistas.

O objetivo do ato é sensibilizar o Governo Federal a ser mais tolerante às reivindicações dos servidores, já que este se recusa, sequer, a abrir negociações. Várias catego-rias do Ibama estão em greve, entre analistas, técnicos, especialistas, etc.

De acordo com Francisco Messias Lopes, diretor do comando de greve no Acre, as duas principais bandeiras de lutas são: a reestruturação da carreira dos servidores (isonomia salarial, gratificações e mudanças de nomenclatura) e a não aprovação do Projeto de Lei 549/09 (congelar o salário dos servidores federais por 10 anos, com apenas reajuste a cada 2 anos de 2,5% do IPCA e a inflação do PIB) no Congresso Federal.

Além disso, eles pedem mais servidores administrativos (concurso público) e o fim do sucateamento (falta de estrutura) das unidades de interior, em especial, na região Norte.  

Com a nova medida grevista tomada pelos analistas, a fiscalização e a concessão federal de licenças ambientais (em especial, para obras do PAC 2) estão altamente prejudicadas. Em alguns estados, como o Acre, tais funções estão interrompidas quase por completo.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation