Seminário discute políticas públicas para cadeia produtiva da mandioca

O fortalecimento da cadeia produtiva da mandioca é o tema central do seminário que reúne desde a noite de ontem representantes do governo do Estado, Embrapa, Sistema OCB/SESCOOP, Federação dos Trabalhadores Rurais do Acre, do Banco do Brasil, e também produtores rurais e parlamentares.

mandioca_1

O encontro se estende até o dia 12, com a realização de mesas redondas, oficinas e com exposições sobre a política de desenvolvimento regional sustentável do Banco do Brasil, a política de incentivo e crédito para cadeia produtiva da mandioca, exigência do mercado consumidor de farinha de mandioca e seus derivados. E também com os depoimentos de produtores, entre outros assuntos relacionados à gestão, produção e industrialização do produto.

De acordo com o secretário de Extensão Agroflorestal e de Produção Familiar, Nilton Cosson, a proposta é tornar a produção de mandioca mais rentável para os produtores, assim como acontece na região do Juruá. “Estamos trabalhando no fortalecimento da cadeia, estão sendo construídas dezenas de casas de farinha em todo o Estado. A meta é fomentar a discussão, e assim transformar as unidades produtivas mais rentáveis, manter áreas específicas para a cultura de mandioca como atividade central dos produtores”.

Somente na região de Cruzeiro do Sul foram instaladas cerca de 600 casas de farinha e 200 estão sendo construídas nos municípios de Rio Branco e Sena Madureira.

A soma dos esforços entre as diferentes instituições para traçar políticas públicas para o setor foi destacada pelo prefeito de Rio Branco, Raimundo Angelim. Segundo ele a produção da mandioca está intimamente relacionada ao povo acreano. “Temos produtores determinados, crédito, assistência técnica e conhecimento tecnológico, a mandioca é uma oportunidade de trabalho e renda”.

Representando os trabalhadores rurais, Sebastiana Miranda, falou dos desafios que ainda são encontrados no meio rural, e também dos avanços alcançados nos últimos anos. Ela enfatizou ainda a importância das casas de farinha e do apoio das instituições. “Os projetos para fortalecer a cadeia produtiva são validos e necessários”.

Judson Valentim, chefe-geral da Embrapa, anunciou que nos próximos meses será realizada uma demonstração da colheita da mandioca em áreas preparadas na região de Cruzeiro do Sul, o objetivo da pesquisa é garantir maior produção por hectare. “O Juruá tem tradição no cultivo da mandioca como produto principal, nossa trabalho de pesquisa visa agregar valor ao produto. Temos um projeto para que a farinha de cruzeiro tenha certificação de origem”, finalizou.

A solenidade de abertura do primeiro seminário Cadeia Produtiva da Mandioca contou com a participação do senador Tião Viana, dos deputados federais, Fernando Melo e Perpétua Almeida, dos secretários de Estado, Nilton Cosson e Mauro Ribeiro, do superintende do Banco do Brasil, Edvaldo Souza, do chefe-geral da Embrapa, Judson Valentim, da presidente da Fetacre, Sebastiana Miranda e do presidente OCB Valdemiro Rocha. (Agência Acre)

Assuntos desta notícia


Join the Conversation