Política local 02/06/2010

“Corram e fiquem perto dos deputados que isso pode acabar em briga”.

Da apavorada diretora da Aleac, Fernanda Montenegro, para os seguranças.

Blindagem inexplicável
Os deputados de oposição baixaram feio o linguajar ontem na Aleac, ao reagir a mais uma protelação à ida de secretários do governo à Casa para prestar contas. Mas, a base governista não pode reclamar de nada, pois se excessos aconteceram são frutos da blindagem fútil que montaram para evitar que secretários sejam ouvidos em plenário, o que é antidemocrático.

Qual o problema?
Qual é o problema de trazer dirigentes de estatais e secretários para prestar contas na Aleac do que estão fazendo? Estes senhores não estão em cargos privados, mas em cargos públicos.

Belo exemplo
A Câmara Municipal, ao contrário da Aleac, dá um belo exemplo de democracia: quase todos os secretários municipais foram convidados a dar esclarecimentos e todos compareceram.

Nem um pedaço
Não foram agredidos pela oposição, foram questionados e não lhes foi tirado nenhum um pedaço.

Alta conta
Tenho Moisés Diniz (PCdoB) na conta de um deputado equilibrado, um dos destaques da Aleac, mas nada acrescenta ao seu currículo colocar travas à ida de secretários à Aleac.

Confusão dos diabos
O que poderia ser apenas uma sessão como outras descambou para os ataques pessoais, a ponto do presidente Edvaldo Magalhães (PCdoB) encerrar os trabalhos para não dar briga.

Xingamentos
Foi uma sessão de xingamentos ao deputado Walter Prado (PDT), com termos como “rato de esgoto”, “palhaço”, “mamulengo”, “muralista”, ditos por Calixto, N.Lima, Donald e Idalina.

Resposta irônica
A resposta do deputado Walter Prado (PDT) foi mais amena: “me chamaram de rato, poderia responder os chamá-los de gatunos, mas, não farei, para não baixar o nível do debate”.

Quase briga
No salão, não fosse a intervenção novamente do deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB), teria havido briga, após o deputado Calixto fazer revelações da conduta pessoal de Walter Prado.

Pagar para ver
Prado garante que houve só pedido de adiamento e que os dirigentes do Iapen irão à Aleac.

Furioso
O deputado Luiz Tchê (PDT) estava ontem furioso com o vice-governador César Messias (PP), que recomendou ao prefeito de Manuel Urbano, Chico Mendes, só apoiar candidatos do PP.

Justa razão
Luiz Tchê tem razão de ficar bravo: Chico Mendes é seu antigo aliado, em quem investiu, enquanto o vice César Messias nunca meteu um prego numa barra de sabão a seu favor.

Mesma moeda
“Se a coisa for neste rumo vou me sentir no direito de não votar e nem pedir votos para a chapa de governador da FPA, por o vice-governador César Messias não ser do PDT”, reagiu Tchê.

Investimento errado
O deputado Delorgem Campos (PSB) dizia ontem que o candidato à Aleac, Deda (PP), está dando tanto sacolão e fogão, em Epitaciolândia, que um salário de deputado não recupera.

Faca de duas bainhas
A candidata a deputada federal, Antonia Lucia (PSC), não vai ficar impune se tentar desviar os votos do seu grupo para a segunda vaga de senador da FPA, com base em um grande acordo.

Articulação escondida
A articulação feita às escondidas, comandada por um deputado da FPA seu amigo, se for levada avante, é consenso na oposição que o PSC será sacado da aliança oposicionista.

Adeus legenda
E Antonia Lucia ficando só, dê adeus à legenda para se eleger deputada federal.

Vir para cena
O ex-deputado federal João Correia (PMDB) precisa vir para a cena política com a sua candidatura a senador, porque em campanha quem tem pernas curtas parte bem cedo.

Nome cotado
O apóstolo Wildson, da Comunidade Apostólica Celular, é o nome mais cotado na aliança do PSDB para ser o vice de Tião Bocalom (PSDB). Não tem voto, mas, é altamente qualificado.

Continua inconfiável
Ouvi ontem de importante dirigente da FPA que nada mudou em relação à confiabilidade no prefeito de Tarauacá, Wando Torquato, que segundo ele, continua inconfiável ao extremo.

Números na mesa
Tanto assim é que dos 6 milhões previstos para serem aplicados pelo governo na região de Tarauacá, apenas a ninharia de 300 mil reais serão gerenciados por ele, justificou o cardeal.

Dobradinha na PM
Wherles Rocha finalmente definiu seu passo político: será candidato a deputado estadual pelo PPS. Fará dobradinha com o ve-reador Vieira (PPS), que disputará vaga na Câmara Federal.

Contas prestadas
O presidente da Adesg, Frank Lima, prometeu entregar hoje ao secretário Cassiano Marques a prestação de contas dos recursos recebidos, e findar de vez a polêmica.

Nada além disso

O combativo deputado N. Lima (DEM), ao falar na sessão de ontem, me citou nos seguintes termos: “Luiz Carlos, você não conhece o Tião Viana, se ele for governador você vai perder sua independência na imprensa, ele é pior que o Jorge”. Por partes: não sou funcionário do senador, somos apenas amigos. Ainda assim, nunca me telefonou e pediu para retirar ou colocar uma nota. Fosse esse “censor”, seria diferente. E acho que será o mesmo se chegar ao governo. Respeito seu direito de ver no Bocalom o melhor nome a governador e me permita como cidadão achar que o Tião Viana reúne melhores qualificações. No mais, a vida segue.               

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation