Política local 10/06/2010

“Quem me colocou como candidato ao governo que me tire”.

Vereador Rodrigo Pinto, sobre a cúpula do PMDB.

Esperar sentado
Conversei ontem com o vereador Rodrigo Pinto (PMDB) sobre a situação política que atravessa: com a candidatura ao governo detonada nos bastidores peemedebista, mas não anunciada oficialmente. Foi textual de que quem o fez candidato que pague pelo desgaste de sacá-lo: “eu vou à convenção e o ônus do anúncio será da direção do PMDB, não renunciarei”.

Data marcada
O desfecho tem que acontecer na próxima semana, após a cúpula do PMDB retornar da convenção nacional, neste fim de semana, em Brasília, quando definirá a aliança com o PSDB.

Candidato a nada
Em conversa que teve com vereadores amigos, Rodrigo teria afirmado que não será candidato a nada, até porque os recursos que tinha, ele investiu na sua pré-candidatura ao governo.

Livre para agir
Também colocou que assim que for feito o anúncio pela direção do seu partido de que foi decretado o fim de sua candidatura ao governo vai apoiar na campanha quem bem entender.

Parado na rua
Ontem, fui parado diversas vezes na rua por leitores (a coluna é bem lida, aqui, em Cruzeiro do Sul, via internet) para saber mais detalhes da rejeição do PT ao PMDB.

Alívio peemedebista
Os peemedebistas eram os mais preocupados e todos alegres com a rejeição dos petistas: “com o PMDB no palanque do PT, no Juruá, estaria decretado o fim do partido na região”.

Nem que tussa
Sobre a possibilidade dos peemedebistas pedirem votos para a candidata Dilma Rousseff, a reação foi unânime, do menor filiado ao vereador: “não faço isso nem que a vaca tussa”.

Mais palatável
Conversei com muita gente, inclusive, com peemedebistas históricos e todos achando que a candidatura do senador Tião Viana (PT) só tende a avançar na região com essa indefinição.

Bem melhor
Avaliam que seria bem melhor de vender em Cruzeiro do Sul a candidatura de Rodrigo Pinto ao governo, por ser algo novo, que a candidatura do tucano Tião Bocalom (PSDB).

Outro fato
Outro comentário ouvido é que, ao contrário do candidato ao governo pelo PSDB, Tião Bocalom, que eventualmente vem ao Juruá, Tião Viana (PT) é presença constante aqui.

Ultrapassa o PT
Também dão como um componente favorável ao petista o fato que não limita suas conversas aos petistas e trata com urbanidade até os tradicionais adversários.

Bem situada
A todos com os quais conversei perguntei sobre os candidatos da região a deputado federal. Impressionou como Henrique Afonso e Gladson Cameli são muito bem avaliados.

Outros nomes
Foram ouvidas também boas referências ao deputado federal Fernando Melo (PT) e ao candidato Thaumaturgo Filho (PT).

Bem situados
Para deputado estadual escutei comentários positivos sobre a deputada Idalina Onofre (PPS), deputada Antonia Sales (PMDB) e críticas a ausência do deputado Luiz Gonzaga (PSDB).

Senado Federal
É consenso nas rodas de conversa que o ex-governador Jorge Viana (PT) fica com uma das vagas do Senado.

Mais simpática
Muitos acham que a deputada Perpétua de Sá (PT) deu um tiro no pé ao abrir mão da candidatura para o marido Itamar de Sá (PT), que não tem a mesma simpatia que ela.

Agindo certo
Outro comentário é que Deda (PP) para chegar na Aleac, deve buscar votos fora do Juruá, por não ter mais duas prefeituras a dispor, como teve ao eleger a mulher Maria Antonia (PP)  a deputada.

Uma ressalva
Mas, todos ressalvam que isso pode ser compensado com investimentos na Capital.

Decifra-me, ou devoro-te!

Como na fábula da esfinge, o Juruá é isso, politicamente: decifra-me ou devoro-te! Na campanha do Wagner Sales (PMDB) a prefeito de Cruzeiro do Sul todas as pesquisas da FPA apontavam para uma vitória da candidatura Zinho (FPA) a prefeito, talvez pelo poderio financeiro, mas as urnas abriram e ele perdeu. Por isso, qualquer prognóstico por essas bandas é bom não ser feito antes da última semana de campanha, sob pena de se errar feio.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation