Política local 06/06/2010

“A política é dinâmica, os inimigos de hoje são os aliados de amanhã”.

Ex-prefeito de Plácido de Castro, Luiz Pereira.

Informações confusas
As informações sobre o destino do PMDB são confusas. Figura de proa do partido (não é nenhum orelha seca) me disse que avança a possibilidade de uma aliança com o PT.

Segunda a mesma fonte, na segunda-feira, haverá “uma conversa com o senador Tião Viana (PT) para definir a aliança”, assim que ele retornar de viagem ao Vale do Juruá.

Pressão nacional
A mesma fonte do PMDB acrescentou ontem que, a “pressão nacional” para repetir a aliança nacio-nal com o PT, no Acre, é grande do presidente Michel Temmer (PMDB).

Passarinho tem ouvido
O prefeito Wagner Sales já tinha alentado a possibilidade da coligação com o PT numa conversa sexta-feira última com seu amigo Eliazar Machado, do “Posto do Machado”.

Versão do Flaviano Melo
Flaviano Melo me disse ontem, às 12 horas, pelo telefone o seguinte: “o Rodrigo Pinto só não será candidato se manifestar este desejo, o que não fez até o momento”.

Aliança com o PT
Sobre a aliança com o PT, foi textual: “você sabe, Luis Carlos, que essa possibilidade é zero, no Acre”.

Pressão nacional
E sobre a pressão nacional, revelou “o presidente Michel Temmer (PMDB) me convidou para estar na convenção nacional, em Brasília, e irei com meus convencionais, só isso”.

Para prestigiar
Justificou sua ida à Brasília com os convencionais como forma de “prestigiar o amigo Temmer”, que garante nunca tê-lo pressionado, por respeitar a posição do Acre.

Outra versão
Já na oposição a versão é outra. Um dirigente me disse ontem pela manhã que, falou com Wagner e Flaviano Melo, que o encarregaram de viabilizar a aliança com o PSDB.

Correria atrás
Me adiantou ainda (eram 10 horas) quando conversamos por telefone (estou em Cruzeiro do Sul), que estava justamente atrás de Bocalom para fechar o acordo.

Seria o fim
Ele disse não crer na aliança PT-PMDB, e justificou: “o Wagner não teria como explicar ao povo de Cruzeiro do Sul a mudança e tampouco o Flaviano aos seus eleitores”.

Bastidores fervilham
O certo é que os bastidores do PMDB fervilham com as duas vertentes, já que o partido tem que definir seu rumo até sua convenção, nos próximos dias.

Fogo amigo
O ex-deputado federal Junior Betão (PR) botou o bloco na rua. O problema é voltar ser queimado pelos “aliados” na campanha, como “sanguessuga” e “homem das ambulâncias”.

Grana alta
1 milhão de reais são os gastos previstos pelo TRE para realizar o referendo sobre o fuso horário.

Pela bola preta
A deputada Maria Antonia (PP) e seu marido Francisco Deda (PP) apresentaram defesa nos processos que respondem por propaganda antecipada, mas, a condenação é quase certa.

Mexendo no bolso
Cada um pode pagar 20 mil reais como multa, se confirmada a condenação.

Que maldade
Recebo e-mail propondo que como “castigo” os deputados briguentos sejam penalizados assistindo as imersões filosóficas da “Sociedade Philosophia” do professor Marcos Afonso.

Liga não, Marquinhos!
O autor deve ser um desses trogloditas da cultura sem sensibilidade, liga não, Marquinhos!

Coisa do Braga!
Posso até estar maldando, mas, esse e-mail me cheira coisa do cartunista Braga!

No coletivo
O deputado federal Fernando Melo (PT) é um dos favoritos a reeleição porque soube direcionar seu mandato, voltado quase que todo ao setor produtivo, onde terá muitos votos.

Quem está vivo aparece
Convidados pelos organizadores da “Marcha para Jesus”, o senador Tião Viana (PT) e o ex-governador Jorge Viana estiveram no palanque principal, mas, não falaram.

Coisa ridícula
Mas, que coisa ridícula as bandeiras de Israel, justamente um país que pratica o genocídio contra crianças palestinas e matou recentemente pacifistas que iam levar comida a Gaza.

Multa neles
A promotora Alessandra Marques tem que ser mesmo dura com os empresários dos transportes coletivos, que ganham tubos de dinheiro, pagam salários miseráveis, e ainda se sentem no direito de deixar 100% os ônibus parados na garagem. Tem que haver punição. Não podem brincar impunemente com toda uma população. São os donos dos ônibus, não os donos do mundo. Multas pesadas: é o mínimo que se espera que sofram.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation