Política local 15/06/2010

“Nesta aliança entre o PTB e o PT, nós entramos com a cara e eles com o tapa”.

Empresário Zamir Texeira (PTB).

Revisão da aliança
O empresário Zamir Teixeira, um dos filiados mais antigos do PTB, no Acre, entrou com pedido junto à presidente Iolanda Lima, para que reveja a aliança com a FPA, nos termos em que foi montada. Considera o espaço da segunda suplência do Senado uma “falta de respeito” com a importância do PTB, que detém preciosos minutos no horário eleitoral, vistos com pouco caso.

Duas propostas
Zamir defende que o PTB ocupe uma primeira suplência do Senado na chapa da FPA e que, se a proposta não for aceita, que o partido abra vaga para ele ser candidato a senador.

Esquema poderoso
Todos os prefeitos da região do Vale do Acre, por determinação da cúpula petista, apoiarão a candidatura de Sibá Machado (PT) à Câmara Federal.

Outro esquema
Já no Vale do Juruá todas as prefeituras e diretórios do PT darão apoio à candidatura do deputado Thaumaturgo Lima (PT) para deputado federal.

Ao Jacaré, zero?
Ao deputado federal Fernando Melo, o “Jacaré”, que abdicou de disputar a indicação da segunda vaga de senador na FPA, ao que parece, só sobraram os elogios e nada mais.

Aliança confirmada
Dirigentes da oposição dão como certa a entrada do PMDB na coligação puxada pelo PSDB, o que deve ser oficializado no próximo dia 26, quando ambos farão as suas convenções.

Entre os favoritos
Pela campanha forte montada em torno de sua candidatura será uma “zebra” a não eleição do ex-secretário de Finanças da PMRB, Geraldo Pereira (PT), a deputado estadual.

Precisam correr
A tendência natural do PP é eleger dois deputados estaduais. Os candidatos José Bestene (PP) e Elson Santiago (PP) tratem de correr se quiserem garantir essas duas vagas.

Estrutura majoritária
É que o ex-prefeito de Rodrigues Alves, Francisco Deda (PP), montou no Juruá uma estrutura poderosa, digna de quem disputa cargos majoritários.

Roncam e não decolam
Os prefeitos Randinho (Marechal Thaumaturgo), Burica (Rodrigues Alves) e Neuzari Pinheiro (Porto Walter), pelo que se escuta numa voz unânime, não decolaram as suas gestões.

Tiram votos
Segundo lideranças políticas dos três municípios, o trio vai tirar mais votos do que dar aos candidatos que por eles forem apoiados nesta campanha.

Duas festas
O PT prepara duas festas políticas para acontecerem no calor da eleição, aqui, em Cruzeiro do Sul: as inaugurações do estádio de futebol e da ponte sobre o Rio Juruá.

Bandeiras de campanha
Não são obras que possam dar uma colaboração para alavancar o desenvolvimento do município, mas impressionam pelo porte e podem funcionar como bandeiras eleitorais.

Com Petecão
O deputado federal Sérgio Petecão (PMN), entre os seus vários apoiadores no Juruá, terá o grupo Tota, como troco por ter  rifado pela ala do vice-governador César Messias (PP).

Observação de aliado
Um aliado de Tião  Bocalom (PSDB) no Juruá me fez ontem a seguinte observação: “enquanto ele não perder os rrr do sotaque paranaense não se elege a cargo majoritário, no Acre”.

Mas pela rejeição
E completou que os votos que o tucano terá no Juruá serão mais pela natural rejeição ao PT, de que pelos seus méritos políticos.

Nas mãos do Wagner
Vou fazer uma análise mais pragmática: Bocalom ser ou não bem votado no Juruá está diretamente ligado a ter ou não ter o apoio incisivo do prefeito Wagner Sales (PMDB).

Nem pensar
Se o PMDB, no Acre, ousar pedir votos  no seu palanque para a petista Dilma Rousseff, não conte para isso com o candidato ao Senado, João Correia (PMDB).

Nem discutir
Correia não admite nem de leve essa possibilidade na sua campanha.

Grande impasse
O TSE definiu apenas que o projeto “ficha limpa” será aplicável já nesta eleição, mas ainda não decidiu se aplica-se aos crimes cometidos por candidatos ante da edição da lei.

Turma grande
Se entender que se aplica a lei, vai pegar uma penca de candidatos, no Acre.

Eleição plebiscitária

A eleição, no Acre será plebiscitária entre os que apóiam e os que não apóiam a gestão da FPA. O PSOL deve lançar um candidato ao governo, mas nada que venha quebrar a polarização entre as candidaturas de Tião Viana (PT) e Tião Bocalom (PSDB), e pelos números da pesquisa, segundo turno é praticamente fora de cogitação. A sorte da FPA é que o nome do senador Tião Viana (PT) tem luz própria e sua aceitação extrapola os muros do governo do PT.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation