Um novo momento para o cinema acreano – Produções audiovisuais começam a surgir como bom produto cultural para competirem em festivais

neypremio
Ney Ricardo e Afonso Gallindo

O cinema acreano aos poucos vem retomando seu espaço como arte que traz em sua essência um olhar contestador sem ser panfletário, de uma realidade e identidade amazônica com sua pluralidade cultural. Todo esse processo é o reflexo do que vem acontecendo nos últimos seis anos, graças ao esforço de grupos de realizadores independentes e entidades como a Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-metragistas do Acre (ABDeC/AC), Samaúma Cinema e Vídeo e Asacine, que vêm realizando projetos de exibição, com a criação de cineclubes, fóruns e outros, objetivando fomentar uma politica para o audiovisual no Acre.

É evidente que é preciso muito mais, mas é importante pontuar que alguns resultados estão surgindo como bons produtos culturais. Aos Trancos e Barrancos (22 min), documentário do diretor acreano Ney Ricardo é um desses produtos. O filme foi vencedor da Premiação Especial do Júri, o Troféu Cidade de Porto Velho, do 1º Festival de Cinema Curta Amazônia,  Prêmio “Melhor Produção Amazônica”. O diretor participou da entrega da premiação no último final de semana em Porto Velho (RO).

Para Ney Ricardo o audiovisual acreano vive um momento de construção coletiva, mas é preciso muito mais para solidificar tal processo de politica cultural para a área. Ele aponta como uma das ações a realização do Festival Internacional de Cinema do Acre, único estado do Brasil que não possui esse tipo de mecanismo de fomento à produção audiovisual.

“Os festivais são um dos principais mecanismos de fomento à produção audiovisual, isso possibilita a circulação de bens e serviços culturais. Infelizmente, ainda não conseguimos realizar o projeto para a realização do festival acreano aprovado na Lei Rouanet, que se encontra na fase de captação de recurso. As empresas deveriam investir em cultura no Acre, entre elas, as de telefonia celular, os bancos, as de construção, empreiteiras e outras. Rondônia, por exemplo, já possui dois grandes festivais, e nós precisamos atentar para a importância desse processo. Acredito que como movimento iremos conseguir implementar essa política e realizar o festival, além da construção do Plano Setorial”, comenta Ney Ricardo.

Entre as ações apontadas pelos realizadores independentes para a construção do Plano  figuram a realização do II Fórum Setorial do Audiovisual, que servirá  para a construção do Plano Setorial do Audiovisual e o Fórum Audiovisual da Amazônia Legal (FAAL), previsto para acontecer em Belém em agosto deste ano. O FAAL debaterá assuntos concernentes ao fomento a produção audiovisual, organizados a partir de cinco eixos temáticos: Integração Regional; Regionalização das Políticas Públicas; Cadeia Produtiva na Amazônia Legal (formação, produção, difusão e distribuição); Acesso, pesquisa, preservação e memória e Povos e comunidades tradicionais.

 

* Rose Farias é jornalista e assessora de imprensa da FEM

 

CURTAMAZÔNIA: PORTO VELHO RESPIROU CINEMA DE 25 À 29 DE MAIO 

Porto Velho respirou Cinema de 25 À  29 de maio, com filmes inscritos de 19 estados brasileiros, participando e prestigiando com 174 trabalhos inscritos, isso demonstra resultado positivo para Rondônia, porque,  o Festival leva a imagem positiva de um Estado que num passado recente foi massacrado pela grande mídia nacional, em função de situações políticas desagradáveis, mais hoje Rondônia vive um outro ciclo, o ciclo da esperança e dos sonhos. Pensando nesse sentido, é que estamos buscando investimentos fora do Estado, para podermos propiciar e realizar atividades culturais, através do Cinema, e estamos contribuindo para a difusão do Cinema Nacional, propiciando também maior visibilidade aos realizadores alternativos e independentes de cinema e vídeo desse imenso País e de Rondônia.  

Podemos afirmar também que o mais novo empreendimento cultural de Rondônia está se firmando e já  começa com força total em nossa cidade de Porto Velho, contribuindo e fazendo parte de nossa história de Rondônia e do Brasil. 

CONHEÇA O RESULTADO DA PREMIAÇÃO DA MOSTRA COMPETITIVA E DA PREMIAÇÃO ESPECIAL:  

PREMIAÇÕES ESPECIAIS: 

1) O  PRÊMIO SINJOR/RO – JÚRI DA CRÍTICA VAI PARA: “AVE MARIA OU MÃE DOS SERTANEJOS”, direção Camilo Cavalcante, de Pernambuco 

2) O  PRÊMIO “AMAZONSAT “-  JÚRI POPULAR VAI PARA: “DOIDO LELÊ”, direção de CECI ALVES, DA BAHIA. 

3) O PRÊMIO ABD RONDÔNIA DO JÚRI TÉCNICO: MELHOR TRILHA MUSICAL VAI PARA: “VESTÍGIOS DO TEMPO”, DO DIRETOR DO FILME RONALDO ADRIANO, E O PRODUTOR DA TRILHA MUSICAL DE EDUARDO OLIVEIRA (KADU) MATO GROSSO.  

4) O PRÊMIO ABD NACIONAL DO JÚRI TÉCNICO: MELHOR MONTAGEM VAI PARA: O FILME “PORNOGRAPHICO”, DOS DIRETORES HAROLDO BORGES E PAULA GOMES, CUJO MONTADOR DO FILME  É HAROLDO BORGES DA BAHIA. 

5) O PRÊMIO “TV RONDÔNIA” DO JÚRI TÉCNICO: MELHOR DIREÇÃO DE ARTE VAI PARA:  O FILME DOSSIÊ RÊ BORDOSA, DO DIRETOR DE ARTES DANIEL BRUSON, DE SÃO PAULO. 

6) O PRÊMIO FECOMÉRCIO – “MELHOR PRODUÇÃO AMAZÔNICA” VAI PARA: “AOS TRANCOS E BARRANCOS”, DE NEY RICARDO DO ACRE E  “E O QUE NOIS RAMÚ CÚME?, DE DANIEL LUIZ BATISTA, DO AMAZONAS. 

7) O PRÊMIO GOVERNO DE RONDÔNIA –  “PRÊMIO INCENTIVO” VAI PARA: “UM OLHAR SOBRE O PROGRESSO”, DIREÇÃO DE MARIVALDO LAGO, NOVA MAMORÉ/RO. 

PREMIAÇÃO DA MOSTRA COMPETITIVA: 

A) MELHOR DOCUMENTÁRIO: “NÚMERO ZERO”, DIREÇÃO CLÁUDIA NUNES, DO ESTADO DE GOIÁS. 

B) MELHOR ANIMAÇÃO: “DOSSIÊ  RÊ BORDOSA”, DIREÇÃO CÉSAR CABRAL, DO ESTADO DE SÃO PAULO. 

C) MELHOR FILME AMBIENTAL: “OLHAR DE JOÃO”, DIREÇÃO MARILEY CARNEIRO, DO ESTADO DE GOIÁS 

D) MELHOR FICÇÃO: “BREVE PASSEIO”, DIREÇÃO RAFAEL JARDIM, DO ESTADO DA BAHIA. 

E) MELHOR EXPERIMENTAL : “1:21”, DIREÇÃO ADRIANA CÂMARA, DO ESTADO DE PERNAMBUCO 

F) MELHOR FILME INSTITUCIONAL: “DIAS DE CAIÇARA”, DIREÇÃO LUIZ SCARABEL JUNIOR, DO ESTADO DE SÃO PAULO. 

G) PARA MELHOR DIREÇÃO: CÂNDIDO ALBERTO DA FONSECA, DE MATO GROSSO SUL, COM O FILME:  “BETO LIMA – O INTÉRPRETE DAS FLORES”. 

H) PARA MELHOR ATOR O VENCEDOR É: FERNANDO NEVES, DE PERNAMBUCO, COM O FILME: “PORNOGRAPHICO”, DIREÇÃO HAROLDO BORGES E PAULA GOMES. 

I) PARA MELHOR ATRIZ – A VENCEDORA É: PAULA BRAUN, DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, COM O FILME: “MARIDOS, AMANTES E PISANTES”, Direção Ângelo Defanti. 

J) MELHOR ROTEIRO: “NINHO DOS PEQUENOS”, DIREÇÃO ULISSES COSTA, DO RIO GRANDE DO SUL. 

K) O PRÊMIO SGC-REDE TV RONDÔNIA E DIÁRIO DA AMAZÔNIA – PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI: “GALO PRETO. O MENESTREL DO COCO”. DIREÇÃO WILSON FREIRE, DE PERNAMBUCO. 

L) E A MENÇÃO HONROSA “ELETROSUL”  VAI PARA: “OS ANJOS DO MEIO DA PRAÇA”, DE ALÊ CAMARGO E CAMILA CARROSSINE, DE SÃO PAULO. 

M) O GRANDE VENCEDOR DO 1º FESTIVAL DE CINEMA CURTAMAZÔNIA ESCOLHIDO POR UM JÚRI EQUILIBRADISSIMO, MELHOR FILME PRÊMIO BNDES: “AVE MARIA OU MÃE DOS SERTANEJOS”, DO DIRETOR CAMILO CAVALCANTE, DO ESTADO DE PERNAMBUCO, LEVA O TROFÉU TRÊS CAIXAS D´ÁGUA, SIMBOLO DE NOSSA CIDADE PORTO VELHO, QUE REPRESENTA O 1º FESTIVAL DE CINEMA CURTAMAZÔNIA. 

O Festival de Cinema Curta Amazônia é feito por gente super bacana, entidades privadas e públicas, empresas e empresários, imprensa regional e nacional que apostam na diversidade cultural nesse País Plural, e sem eles não seria possível transformar este sonho em realidade. Estes são os nossos patrocinadores, apoiadores e realizadores oficiais, se você não tiver aqui, esperamos que no próximo ano venham prestigiar e participar diretamente desse novo empreendimento cultural aqui em Rondônia. 

O BNDES APRESENTOU O FESTIVAL DE CINEMA CURTA AMAZÔNIA 

Patrocionadores Culturais: 

– Eletrobrás – Eletrosul / Governo Federal 
– Fundo Nacional de Cultura/Secretaria do Audiovisual/Ministério da Cultura 

Apoiadores Culturais: 
– CTAV/Sav/Ministério da Cultura /Governo Federal 
– Secel /Governo de Rondônia 
– Fecomércio/RO – SESC, SENAC 
– Maporé 
– SISTEMA GURGAZC: REDE TV RONDÔNIA E DIÁRIO DA AMAZÔNIA 
– TV RONDÔNIA E O AMAZONSAT DA REDE AMAZÔNICA DE TELEVISÃO – ANTÔNIO CAMPANARI, NONATO NEVES, PABLO MEDINA E EQUIPE. 
– TV ALLAMANDA, SBT. 
– FOLHA DE RONDÔNIA 

Apoios Institucionais: 

– ABD/RO – Luiz Brito/Presidente 
– ABD Nacional – Solange Lima/Presidente 
– Iphan/RO/Governo Federal 
– Senadora Fátima Cleide 
– Vereador Jaime Gazola 
– AQUI  Publicidade 
– Sinjor/RO 
– Site O Observador 
– Jornal Eletrônico Rondoniaovivo/Paulo Andreoli e Marcos Souza e Equipe. 

Apoio da Mídia: 

COLUNA DO ZECATRACA, GENTE DE OPINIÃO, COLUNA ALAN ALEX, BLOG DO SERGIO RAMOS, BLOG 24 QUADROS, PROGRAMA CLOSE, PROGRAMA VIVA PORTO VELHO, JORNAL ONORTÃO, NORTFEST, PORTALRONDÔNIA, TUDORONDÔNIA, RONDONOTICIAS, ÚLTIMA HORA, E A IMPRENSA RONDONIENSE E NACIONAL. 

Realização:  Associação Curta Amazônia 

No encerramento, Carlos Levy afirmou: “Quero primeiro agradecer à Deus, e à todos os colaboradores que estiveram presentes nesse 1º FESTIVAL DE CINEMA CURTAMAZÔNIA, as escolas públicas e privadas convidadas, do técnico ao mais simples funcionário das Instituições que nos apoiaram, e com a Benção de Deus, iremos muito em breve, levar a MOSTRA CURTAMAZÔNIA ITINERANTE à todos do Estado de Rondônia, nos 52 municípios, além da meta de levar à Bolívia e ao Peru, unificando e integrando nossa fronteira através da cultura cinematográfica. 

Agradecer aos nossos convidados pela paciência e atenção dispensada. O nosso muito obrigado!. Aos parceiros de primeira hora, e afirmar que o CURTAMAZÔNIA está pronto prá seguir o seu caminho que é a DIFUSÃO DO CINEMA BRASILEIRO, dando mais oportunidade e abrindo mais janelas de exibições para os realizadores anônimos desse imenso País. O CURTAMAZÔNIA tem a proposta de levar os filmes nacionais aos brasileiros e amazônidas que somos. O nosso muito obrigado à todos. VIVA RONDÔNIA! VIVA O CINEMA NACIONAL! E VIVA O CURTAMAZÔNIA!”.  

“CURTAMAZÔNIA – Cinema da Amazônia para o mundo!” 

FONTE/ASSESSORIA 

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation