Presidiário toca fogo na casa da mãe de rapaz que ele matou a tiro

O presidiário Wisnê da Silva Araújo, 21 anos, o “Africano” preso no último dia 14 de maio, foi posto em liberdade na sexta-feira, 18 e voltou a aterrorizar moradores do bairro Calafate. Ele é  acusado de matar a tiros de escopeta o desempregado Daniel Sales Pinheiro, 21 anos, morto com um tiro no pescoço.

O crime ocorreu  no dia 17 de março deste ano e, segundo informações, Africano  após sair do presídio tocou fogo na casa da mãe de Daniel.

Em abril deste ano Africano foi acusado de atirar na cabeça da mãe de Daniel. A mulher ficou gravemente ferida e ainda se recupera internada no Hospital de Base.

Histórico de violência –  Segundo o que a polícia apurou, Africano matou Daniel porque foi acusado de roubar uma bicicleta de um parente de Daniel que em companhia de amigos teria dado uma surra em Africano e o obrigado a beber urina.

Revoltado, Africano ao ser preso prometeu que quando saísse do presídio mataria Daniel.

No dia 16 de março ele foi posto em liberdade e no dia seguinte matou Daniel com um tiro de escopeta.

Durante o período em que permaneceu foragido Africano teria divulgado uma lista de nomes de pessoas que ele mataria. No início do mês de abril Africano teria atirado na mãe de Daniel e em um homem. As vítimas foram atingidas na cabeça, mas escaparam da morte.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation