O microfone é do povo!

Encerramos ontem mais uma sabatina com os pré-candidatos ao Senado no programa Toque & Retoque, na GAZETA FM 93,3. O quadro “Boca no Microfone” foi o palco dos debates que há muito tempo não se via na imprensa acreana.

O quadro “Boca no Microfone” está no ar há mais de um ano, comigo e o jornalista Nelson Liano Jr., e seu sucesso deve ser totalmente creditado aos ouvintes da 93,3 FM.

São os ouvintes que nos pautam, nos dizem quem querem ouvir, quem querem que botem a boca no microfone.

São esses mesmos ouvintes que nos enviam perguntas, nos contam o que sabem e nos dão base para uma boa entrevista.

O microfone é do povo.

Não tenho a menor dúvida que sem esses ouvintes o rádio acreano não seria o que é hoje: um espaço democrático e de debates importantes.

Não fazemos rádio por vaidade. Fazemos rádio por amor.

Não fazemos rádio para aparecer, mas para ajudar os governantes a governarem para o povo, fazendo de Rio Branco uma cidade melhor para se viver e um estado melhor aparelhado para seu desenvolvimento.

É através do rádio comprometido com os anseios da massa popular, que não consegue ser ouvida, que não consegue chegar perto dos governantes, que fazemos a ponte entre os administradores e as necessidades do povo.

Não fazemos rádio para fazer críticas levianas e nem fazer elogios exacerbados. É na nossa emissora que oposicionistas e situacionistas tem espaço.

Com a boca no microfone dizemos o que o povo quer dizer mas não sabe aonde dizer e nem para quem dizer.

Entrevistamos os pré-candidatos ao governo do Acre Tião Bocalom, Rodrigo Pinto e Tião Viana. Entrevistamos os pré-candidatos ao Senado, Sérgio Petecão, Edvaldo Magalhães, Jorge Viana e João Correia com o mesmo espaço, com o mesmo carinho e com a mesma firmeza em alguns questionamentos.

Não fomos subservientes e não estendemos tapetes para ninguém. Para nós, que fazemos o jornalismo ético, livre, sem mordaças, o que importa é a comunicação bem feita. A comunicação que todos entendem. Do mais alto intelectual ao menos esclarecido, temos certeza que foi possível compreender e analisar cada candidato.

É isso o que importa.

Perguntamos o que tinha que ser perguntado. Falamos o que tinha que ser falado e os entrevistados se sentiram muito à vontade para responder o que quiseram dentro de um horário igualitário.

Nenhum reclamou. Nenhum disse que se sentiu prejudicado por essa ou aquela pergunta e nós não crucificamos e nem endeusamos quem quer que seja.
Fazemos rádio com amor, com profissionalismo e merecemos toda a audiência que temos porque entendemos que o microfone sempre foi e será do povo. 

Eliane Sinhasique é jornalista, radia-lista, publicitária e apresentadora do Toque & Retoque há mais de 15 anos .
[email protected]

Assuntos desta notícia

Join the Conversation