Há pessoas mais inteligentes que outras?

Há no meio educacional, científico e social a crença de haver pes-soas mais inteligentes que outras. Isso se deve ao fato de, por longo tempo, especialmente entre os séculos XIX e XX, existir a convicção de a inteligência ser algo possível de ser medida, determinada e comparada através de testes, como o famoso teste de QI, que dava a inteligência da pessoa em números. No entanto, com o tempo, o teste de QI foi caindo em descrédito. Pouco a pouco, foi se notando que nem sempre as pessoas mais inteligentes e bem sucedidas alcançavam os melhores resultados.

Os psicólogos e pesquisadores começaram a identificar casos de pessoas que obtinham resultados medíocres nos testes de QI, mas que se davam bem na vida, pois eram pessoas determinadas, disciplinadas, persistentes e carismáticas. Mas como pessoas consideradas “burras” pelo teste de QI poderiam ter tanto sucesso? A resposta encontrada é simples: existem vários tipos de inteligência.

Segundo Howard Gardner, psicólogo cognitivo e educacional norte-americano, ligado à Universidade de Harvard, conhecido pela sua teoria das inteligências múltiplas, a inteligência é composta de pelo menos oito competências: lógico-matemática, lingüística, interpessoal, intrapessoal, corporal-cinestésica, musical, espacial e naturalista, as quais podem ser assim definidas:

1. Inteligência Linguística — As pessoas que possuem este tipo de inteligência tem grande facilidade de se expressar tanto oralmente quanto na forma escrita. Elas, além de terem uma grande expres-sividade, também têm um alto grau de atenção e uma alta sensibilidade para entender pontos de vista alheios. É uma inteligência fortemente relacionada ao lado esquerdo do cérebro é uma das inteligências mais comuns.

2. Inteligência Lógica — Pessoas com esse perfil de inteligência tem uma alta capacidade de memória e um grande talento para lidar com matemática e lógica em geral. Elas têm facilidade para encontrar solução de problemas complexos, tendo a capacidade de dividir estes problemas em problemas menores e ir os resolvendo até chegar à resposta final. São pessoas organizadas e disciplinadas. É uma inteligência fortemente relacionada ao lado direito do cérebro.

3. Inteligência Espacial – Está mais presente em nave-gantes e engenheiros. Pessoas com este perfil de inteligência têm como principais características a criatividade e a sensibilidade, sendo capazes de imaginar, criar e enxergar coisas que quem não tem esse tipo de inteligência desenvolvido, em geral, não consegue.

4. Inteligência Musical – Diz respeito à relação da pessoa com a natureza. É um tipo raro de inteligência. Pessoas com esse perfil têm grande facilidade para escutar músicas ou sons em geral e identificar diferentes padrões e notas musicais. Algumas pessoas têm esta inteligência tão evoluída que são capazes de aprender a tocar instrumentos musicais sozinhas.

5. Inteligência Corporal-Cinestésica – É mais desenvolvida em atletas ou dançarinos. É uma inteligência relacionada ao cerebelo, que é a porção do cérebro que controla os movimentos voluntários do corpo. É um dos tipos de inteligência diretamente relacionado à coordenação e capacidade motora.

6. Inteligência Interpessoal – É representada pela capacidade de compreensão dos sentimentos do outro. Pessoas com este perfil de inteligência são extremamente ativas e causam grande admiração nas outras pessoas. Possuem enorme capacidade para convencer as pessoas a fazer tudo que elas acham conveniente.

7. Inteligência Intrapessoal – Manifesta autoconhecimento, é um tipo raro de inteligência, e quem a desenvolve tem enorme facilidade em entender o que as pessoas pensam, sentem e desejam. Ao contrário dos lideres interpessoais que são ativos, os lideres intrapessoais são mais reservados, exercendo a liderança de um modo mais indireto, através do carisma e influenciando as pessoas através de idéias e não de ações. Entre os tipos de inteligência, este é considerado o mais raro.

8. Inteligência naturalista, ecológica ou biológica – A inteligência naturalista é a capacidade para reconhecer e classificar as espécies e organismos, animais e plantas, do ambiente, como também para cuidar deles, domesticá-los e interagir com eles.

Explica-se, deste modo, o fato de alguns indivíduos com “atraso” em alguns campos poderem atingir bons níveis de atuação em outros. Por exemplo, um bailarino que é excelente em dança pode ser regular nos estudos.

Gardner é considerado um dos “demolidores” do conceito de quociente de inteligência (QI). Suas teo-rias, entretanto, têm pequena aceitação entre neurobiólogos. Resenha publicada, recentemente, na revista Educational Psychologist, menciona a insuficiência de comprovação empírica. A possibilidade de medir a inteligência pela aplicação de testes simples parece ser um critério para validação das hipóteses.

Finalizando, o breve estudo, diz-se que a relação cérebro-mente pode ser descrita como um conjunto de oito sistemas distintos de elaborações fundamentais. Um deles pode atuar muito bem enquanto outro apresenta rendimento mediano e um terceiro funciona mal. É possível, então, explicar, dessa forma, porque tantas pessoas possuem talento em determinada área e não em outra. Mas é preciso aprofundar os estudos nesse campo ao ponto de o ser humano compreender como desenvolver diversas habilidades, ou seja, como trabalhar o cérebro para obter, dele, mais desempenho e, assim, ter mais sucesso na vida. É um desafio para a ciência.

DICAS DE GRAMÁTICA

COMO ESCREVER A ABREVIATURA DE HORAS E MINUTOS, PROFESSORA?
– Na Língua Portuguesa, a representação de horas não é efetivada com a utilização de dois-pontos nem com vírgula (17,30), e sim com a abreviação da palavra hora, que é h, sem ponto final (nunca hs nem hrs).

A representação de minutos é realizada com a abreviação da palavra minuto, que é min, sem ponto final. Portanto abreviam-se as horas desta maneira: 12h, 12h30min, 14h22min.

A abreviação min é dispensável, pois claro está que aquilo que vem após as horas são os minutos. Poderemos, então, abreviar também assim: 12h30, 14h22.
A frase apresentada deve, então, ser reescrita das seguintes formas:

Às 17h30min, iniciar-se-á a palestra do Presidente da Academia Brasileira de Filologia.

Às 17h30, iniciar-se-á a palestra do Presidente da Academia Brasileira de Filologia.

Luísa Galvão Lessa – É Pós-Doutora em Lexicologia e Lexicografia pela Université de Montreal, Canadá; Doutora em Língua Portuguesa pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Mestra em Letras pela Universidade Federal Fluminense; Membro da Academia Brasileira de Filologia; Membro da Academia Acreana de Letras.,
[email protected]

Assuntos desta notícia


Join the Conversation