Doença de Buerger

A doença de Buerger é um tipo de trombose inflamatória que afeta basicamente as artérias e as veias das pernas e dos braços, e devido à redução do fluxo sanguíneo ocasio-na dores nas extremidades.

A doença de Buerger foi descrita, pela primeira vez em 1908, por um médico americano chamado Leo Buerger na Reunião da Associação dos Médicos Americanos, que ocorreu em Washington.

Embora a causa ainda não esteja bem definida, alguns estudos relacionam a doença de Buerger com a inalação das toxinas do cigarro, podendo surgir em pessoas que nunca fumaram, mas que, na maioria, poderão ter sido fumadores passivos (respirando o fumo exalado por outros).

A doença afeta tanto homens quanto mulheres, e a idade mais freqüente situa-se entre os 20 e os 45 anos. Quintas e Roncon Albuquer-que (2008) comentam que a incidência da doença de Buerger tem decrescido globalmente, apesar de se verificar um incremento relativo de casos no sexo feminino atributável ao número crescente de mulheres fumadoras.

SINTOMAS – A maioria dos autores consultados assegura que comumente, os primeiros sintomas são a cor azulada nos dedos dos pés ou das mãos, e a sensação de frio no membro afetado, oportunidade em que se fazem presentes a isquemia arterial (diminuição do fornecimento de sangue), flebite superficial (inflamação das veias superficiais), e claudicação (dor induzida pela insuficiência da circulação sanguínea durante o exercício) nos pés e/ou nas mãos, ou dor nestas áreas durante o repouso.

Outros sinais e sintomas desta doença podem incluir: a sensação de adormecimento e/ou formigueiro nos membros; cãibras ou fadiga nos pés e nas mãos; pés e tornozelos inchados.

As úlceras que se formam nos dedos dos pés provocam uma dor tão intensa que por vezes impede o paciente de dormir à noite. Contudo, se o paciente abandonar o fumo e tomar os medicamentos receitados, a dor desaparecerá após um período de uma a quatro semanas, e as úlceras também se curarão de forma natural.

TRATAMENTO – De acordo com os especialistas, quando os vasos sanguíneos se obstruem de tal forma que surgem sintomas de isquemia e a medicação tem pouco ou nenhum efeito, o remédio será a realização de um transplante de vasos para se obter uma recuperação completa. Se o paciente deixar de fumar imediatamente após o diagnóstico positivo da doença de Buerger, a recuperação é muito rápida. Portanto, em pacientes com esta doença é absolutamente necessário deixar de fumar antes de ini-ciar o tratamento.

Autores afirmam que, se o pa-ciente continuar a fumar, nenhum tratamento trará efeito positivo e os fimantes eventualmente, podem sofrer amputações das extremidades inferiores e dos dedos, e em alguns casos, poderão até morrer, devido à coagulação na carótida e nas artérias cervicais.

Aliás, a operação de bypass é absolutamente necessária em casos em que o paciente se abstém de fumar mas a dor não desaparace e não o deixa dormir, ou quando o grau de ulceração é tal que o tratamento poderia ser muito demorado.

A operação de bypass é um procedimento em que se transplantam vasos sanguíneos para salvar as obstruções nas secções afetadas. Os vasos empregues na operação de bypass denominam-se enxertos vasculares, que também podem ser vasos artificiais, fabricados em materiais plásticos como o teflon. Ás vezes, os vasos do próprio paciente são usados como substitutos. Esssa cirurgia tem por objetivo curar, principalmente os problemas circulatórios nas pernas. O procedimento consiste na retirada de parte de uma veia superficial (a veia safena magna) que é em seguida,  transplantada para as artérias afetadas nos membros inferiores.
Sendo a operação bem sucedida, a dor cessará completamente e as ulcerações também serão curadas.

IMPORTANTE – No que diz respeito à realização da cirurgia de bypass Sasajima e colaboradores (1998), fazem as seguintes observações:

* A operação só terá êxito, se o paciente deixar de fumar definitivamente. Após a operação, o paciente deverá ser examinado de três em três meses para observar a sua evolução e, em cada uma dessas visitas, se analisará o nível do monóxido de carbono para se confirmar se o paciente deixou realmente de fumar.

* Uma vez superados estes obstáculos, pode-se garantir a eficácia ou desobstrução de um enxerto por bypass por um prazo de 20 anos.

* Passados 20 anos, quando o paciente atinge a idade em que as artérias começam a endurecer, o implante poderá começara endurecer também, pelo que será necessário realizar a operação de novo.

TRATAMENTO ALTERNATIVO – Com base em estudos realizados no Rusk Institute of Rehabilitation Medicine, Bastos (2010) indica que a acupuntura pode ajudar a aumentar o fluxo sanguíneo dos vasos dos portadores da doença de Buerger.

* Terezinha de Freitas Ferreira é doutora em Enfermagem pela Universidade de São Paulo – USP. Professora do Centro de Ciências da Saúde e do Desporto da Universidade Federal do Acre – Ufac. Coordenadora do Mestrado e Doutorado Interinstitucional em Saúde Pública da Universidade de São Paulo – USP/Ufac.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation