Gripe comum

A gripe é uma infecção respiratória aguda causada por um vírus específico, denominado influenza, que oca-siona febre, prostração, coriza, tosse, dor de cabeça, dor de garganta.

Existem três tipos de vírus influenza: a b e c. Destes, apenas o tipo C, infecta os humanos sem causar doença clinicamente relevante. O vírus B, infecta além dos humanos, os cães, os gatos e os porcos. O vírus A pode infectar vários animais dentre eles os humanos, porcos, cavalos, e especialmente aves.
A gripe geralmente ocorre como uma epidemia no inverno e pode complicar com infecção bacteriana secundária. O vírus da influenza apresenta vários sorotipos e sofrem mutações de um ano para outro. 

Estão sendo fabricadas vacinas que devem ser repetidas todos os anos, principalmente pelos grupos de maior risco (idosos e pacientes com problemas respiratórios crônicos).

As gripes e resfriados se espalham quando os vírus são liberados no ar pela tosse e pelo espirro ou transferidos para superfícies através do contato. Ao entrar em ação, o vírus ataca as células que revestem o aparelho respiratório, que reage aumentando a produção de muco constituído por glóbulos brancos que vão tentar combater o avanço do mal. O muco protege e limpa as vias aéreas, mas muitas vezes o vírus pode driblá-lo e avançar livremente até os pulmões, onde causam uma inflamação, levando à pneumonia.

Para quem quer ficar bem longe de todos esses problemas, alguns conselhos básicos devem ser seguidos, já que as baixas temperaturas e a deficiência do sistema imunológico, apontados como principais causadores da gripe, podem ser driblados com alguns cuidados que incluem hábitos saudáveis de vida.

COMO PREVENIR A GRIPE – Uma boa alimentação pode ajudar a prevenir gripes e resfriados, e mesmo para quem já está com os sintomas, alimentar-se bem pode encurtar a duração dessas doenças.

A alimentação saudável, rica em alimentos fontes de vitaminas, minerais e substâncias antioxidantes, fortalecem o sistema imunológico e cria defesas orgânicas para combater o vírus. 

Por isso, para quem quer ficar livre desses dois problemas, a dica é adotar uma dieta equilibrada e variada, baseada em frutas, vegetais folhosos, legumes, grãos integrais (cereais e leguminosas), carnes magras, peixes e aves sem pele, ovos, leite e derivados, de preferência com pouca gordura.

Dentre as vitaminas e minerais que atuam fortalecendo o sistema imunológico destacam-se as vitaminas A, C, E, e os minerais zinco e selênio:

Vitamina A – Apresenta um papel muito importante na manutenção da integridade das membranas mucosas. Sua deficiência provoca uma redução do número de linfócitos T circulantes, aumentando a probabilidade de infecções bacterianas, virais ou parasitárias. Os alimentos ricos nessa vitamina são: cenoura, abóbora, fígado, batata doce, damasco seco, brócolis, melão.

Vitamina C – Estimula a resistência às infecções através da atividade imunológica de leucócitos. Aumenta a produção dessas células de defesa, que tem efeito direto sobre bactérias e vírus, elevando a resistência a infecções. Acerola, frutas cítricas (limão, laranja, lima), kiwi, caju, tomates e vegetais folhosos crus são fontes excelentes. Morangos, repolho e pimentão verde são boas fontes. Os sucos devem ser consumidos imediatamente após preparo para que não haja grande perda da vitamina C.

Vitamina E – Tem a capacidade de interagir com as vitaminas A e C e com o mineral selênio, agindo como antioxidante. Sua função primordial é proteger as membranas celulares contra substâncias tóxicas, radiação e os temerosos radicais livres que são liberados em qualquer reação química do organismo e podem causar sérios danos às estruturas das células, detonando o processo de envelhecimento e desencadeamento de algumas formas de carcinogênese.

 Alimentos ricos em vitamina E são o germe de trigo (fonte mais importante), óleos de soja, arroz, algodão, milho e girassol, amêndoas, nozes, castanha do Pará, gema, vegetais folhosos e legumes.

Zinco – Atua na reparação dos tecidos e na cicatrização de ferimentos. Uma deficiência de zinco resulta em diversas doenças imunológicas; a deficiência grave causa linfopenia (grande diminuição do número de linfó-citos). Fontes alimentares importantes de zinco são as carnes, peixes (incluindo ostras e crustáceos), aves e leite. Cereais integrais, feijões e nozes são também boas fontes.

Selênio – Possui grande capacidade antioxidante, ou seja, neutraliza a ação dos radicais livres (formados devido à ação dos raios solares, poluição, fumaça de cigarro, entre outros) no nosso corpo, retardando o processo de envelhecimento e evitando o desencadeamento de algumas formas de câncer. Castanha do Pará, alimentos marinhos, fígado, carne e aves são os alimentos mais ricos em selênio.

Além disso, há a vacina que leva de 30 a 45 dias para atingir o estágio ideal de defesa. A eficácia da vacina fica em torno de 90% e a imunidade equivale a cinco anos, o que não extingue a possibilidade de eventuais resfriados.

DICAS PARA FUGIR DA GRIPE – Algumas dicas que poderão ajudar a prevenir ou atenuar os sintomas de gripes e resfriados são: tenha hábitos alimentares saudáveis; Consuma pelo menos cinco porções de frutas e outros vegetais todos os dias; Ingira pelo menos de 8-10 copos de água/dia. A água deixa os cílios pulmonares mais fortes e amolece o muco, facilitando o trabalho desses cílios; Faça lavagens nasais com solução fisiológica e estimule principalmente crianças, a assuar o nariz sempre que possível; Não utilize descongestionantes, antiinflama-tórios ou xaropes sem consultar um médico; Crianças e idosos devem ser vacinados de preferência no início do outono;

Caso a gripe já tenha se instalado, não esqueça que o repouso é fundamental para uma recuperação mais rápida.

* Terezinha de Freitas Ferreira é doutora em Enfermagem pela Universidade de São Paulo – USP. Professora da Universidade Federal do Acre/Ufac. Coordenadora Operacional do Mestrado e Doutorado em Saúde Pública da Universidade de São Paulo – USP/Ufac.

** Daiana de Freitas Ferreira é acadêmica do Curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Educacional do Norte – Uninorte.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation