Política local 11/07/2010

“Quem é canalha sem ser político será mais canalha quando se eleger”.

Da publicação “Frases Políticas”.

Campanha virulenta
A campanha mais virulenta na oposição contra os irmãos Jorge e Tião Viana é comandada pela candidata a deputada federal Antonia Lucia (PSC), notadamente no meio evangélico. Antonia Lucia não aprendeu ainda que este tipo de campanha já não elege ninguém, no Acre.

Bom sinal
40% dos candidatos a deputado possuem curso superior, o que dá um amplo leque para uma boa escolha. Entre os bons nomes está o Dr. Jeferson, candidato a deputado estadual pelo PV.

Longo trabalho
A candidatura do Jeferson é competitiva. Na última eleição já foi bem votado e desde lá vem trabalhando, o que leva crer que deve melhorar sua performance nesta campanha.

É bom se precaverem
Os candidatos que cairam na malha fina do projeto “Ficha Limpa” podem preparar os recursos ao TSE, pois pelo que ouvi ontem, o TRE/AC é que deve acatar os pedidos de impugnaçõs do MPF.

Suplício chinês
A partir da próxima terça-feira é que será aberto o prazo para os recursos, durante cinco dias. A partir daí é que os juízes do TRE se pronunciarão, o que significa cerca de 10 dias de suplício.

Podem se preocupar
Os candidatos da aliança PTC-PSDC podem se preocupar com a candidatura a deputado do Roberto da Princesinha (PSDC) que está muito bem estruturada em vários municípios.

Manifestação aberta
O deputado federal Gladson Cameli (PP) terá um apoiador de peso em Sena Madureira: o prefeito Wanderley Zaire (PP), o que por certo vai lhe render muitos votos no município.

Só zebra
Gladson Cameli (PP), Perpétua Almeida (PCdoB), Fernando Melo (PT), Henrique Afonso (PV), Sibá (PT), Thaumaturgo Filho (PT). Se a FPA fizer seis deputados federais, estes são os favoritos.

Raia de fora
Correndo por fora estão as candidaturas de Jessé Santiago (PSB) e Junior Betão (PR).

Se abrir mão…
Ontem, um deputado da oposição que costuma acertar previsões, comentou que se o Márcio Bittar (PSDB) abrir a munheca e gastar na campanha será o mais votado da oposição.

Fama pertinente
Bittar tem a fama de atravessar rio a nado com as duas munhecas fechadas.

Campanha organizada
Ontem, o PT estava com suas lideranças em Cruzeiro do Sul fazendo o planejamento estratégico para a campanha no Juruá. Este tipo de organização é o que falta na oposição.

Saravá, meu pai!
O deputado Luiz Gonzaga (PSDB) está fechando apoio de tudo o que é centro de macumba. Gonzaguinha, diz o ditado: se macumba resolvesse, campeonato baiano acabaria empatado.

Doido por votos
Sugestivo o slogan do candidato a deputado estadual, o Chico Doido: “doido por votos”.

Esquema pesado
O líder comunitário Labib Labibiano está montando um esquema inteligente para denunciar à PF os esquemas de compra de votos na região do São Francisco, que conhece em minúcias.

A pedido
Charqueiro (PMDB) para deputado estadual. É aquela figura folclórica de Vila Campinas.

Última dos moicanos
O prefeito de Plácido de Castro, Paulinho, não se sabe que milagre fez, cooptou 99% dos vereadores de oposição, que agora comem na sua gamela. Escapou a vereadora Laurita (PSL).

Pagar caro
Os adesistas, que comandaram uma campanha de desmoralização do prefeito Paulinho, podem pagar caro na próxima eleição municipal, porque Plácido é pequeno e tudo se sabe.

Novo presidente
O PTB terá um novo presidente do diretório municipal, em Plácido de Castro: Márcio Pereira.

Pode desistir
Se com a estrutura que sustenta a sua candidatura o Sibá Machado (PT) não se eleger deputado federal com uma boa votação pode procurar outra atividade.

Seria importante
Não só para o Governo, as emissoras bem que poderiam também programar debates entre os candidatos ao Senado, um mandato tão ou mais importante que o de governador.

Candidatura mantida
Quem ligou foi o ex-vice-prefeito de Brasiléia, Raimundo Pacífico (PP), para dizer que ao contrário do que foi noticiado, não desistiu e continua candidato a deputado estadual.

Volto a insistir

Posso estar ficando repetitivo, mas, o presidente do TRE/AC, desembargador Arquilau de Castro, poderia montar com a PF um esquema nos bairros para flagrar os profissionais em montagem de lista de compra de votos. São todas figuras carimbadas do movimento comunitário. Alguma coisa tem que ser feita, porque a prática tomou conotação de algo normal e inserido no processo eleitoral. Hoje, raro é o candidato à Aleac que não compra votos.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation