Governo e iniciativa privada fazem preparativos para seminário da ZPE

Reunidos na sede da Fieac (Federação das Indústrias do Acre), representantes do Governo do Acre e da iniciativa privada discutiram os últimos preparativos para o seminário que debaterá e preparará empresários locais para a implantação da ZPE (Zona de Processamento de Exportação) no Estado.
Fieac-ZPE
O evento está agendado para a próxima sexta-feira (30) e marca o início da segunda fase do trâmite para que o mecanismo saia do papel. Embalados pelo bom ritmo de desenvolvimento econômico, empresários locais têm na ZPE a grande aposta para o salto de seus negó-cios e aumento de lucros.

A função do poder público nesse momento é preparar o Estado com a estrutura e logística necessárias para que a ZPE acreana seja competitiva com as demais unidades da federação que já contam com a ZPE. Ao todo, o Brasil tem 22 ZPEs, mas nenhuma está em funcionamento.

O Governo também quer qualificar o empresariado para que esteja preparado para enfrentar a concorrência proporcionada pela chegada de novos negócios. Para o presidente da Fieac, João Francisco Salomão, a proximidade do Acre com os mercados do Peru e da Bolívia o faz ainda mais atrativo.

“Pelos portos do Peru também encurta-se a distância com a China, hoje um dos principais importadores dos produtos brasileiros”, disse. Salomão lembrou também que a Rodovia do Pacífico está conectada a outros países vizinhos pela Rodovia Panamericana, que conecta o continente de Norte a Sul.

“A única ZPE que tem co-mo portos de apoio os do Oceano Pacífico, de frente para a Ásia, é a do Acre, isso tem chamado a atenção dos empresários de todo o país”, enfatizou o secretário de Planejamento, Gilberto Siqueira.

O gargalo que ainda preocupa os defensores da ZPE é a segurança energética do Acre. Para garantir uma eletricidade eficiente, o Estado está na dependência da construção do segundo Linhão para acabar com os constantes apagões.

Salomão avaliou que até 2013 o Acre terá o problema resolvido, com a entrada das usinas do Complexo do Madeira no sistema elétrico. Segundo Gilberto Siqueira, a proposta é que até o final do ano todas as etapas burocráticas para a implantação da ZPE estão finalizadas.

“Queremos já no começo de 2011 iniciar a instalação das primeiras indústrias”. Projeções do Governo indicam investimentos públicos de R$ 160 milhões para instalar ao menos 15 indústrias.

Como contrapartida, os empreendimentos gerariam cerca de 6.000 empregos. “O Acre está entrando em um novo ciclo de desenvolvimento econômico, o que entu-siasma tanto o setor público quanto o privado”, comemorou o secretário.   

Assuntos desta notícia


Join the Conversation