Expansão do crime organizado via Transoceânica preocupa

O secretário de Polícia Civil do Acre, Emylson Farias, recebeu ontem, 5, a visita de um grupo de integrantes da Polícia Nacional do Peru (PNP), liderado pelo chefe da Territorial de Cuzco, general Luis Romero Iparraguirre. Romero está preocupado com a expansão do crime orga-nizado através da rodovia Transoceânica, conhecida no Brasil como Estrada do Pacífico ou Interoceânica.
Bolivia
A estrada liga o Oceano Atlântico, pelo Brasil, a três pontos no Pacífico peruano – incluindo o de Lima, a capital – passando muito perto da Bolívia. O medo da Polícia Nacional Peruana é que o intercâmbio entre os países cortados pela rodovia não se restrinja apenas às relações comerciais lícitas, mas forta-leça também as ações do crime organizado.

“Já mantemos um convê-nio com o governo brasileiro para combater o narcotrá-fico, agora queremos fortale-cer a ação conjunta também em relação ao crime organi-zado”, declarou Romero. Segundo ele, o Acre se des-taca nessa parceria em vir-tude da sua localização na faixa de fronteira, se consti-tuindo em corredor natural da criminalidade.

Entre as ações do crime organizado que devem ser coibidas conjuntamente destaca-se o tráfico ilícito de entorpecentes, de armas, de pessoas e roubo de carro. O comandante da Polícia Militar do Acre, coronel Romário Célio, também esteve presente ao encontro e assegurou que medidas já estão sendo adotadas nesse sentido. De acordo com ele, a visita da comitiva peruana será retribuída em breve pelas autoridades da Segu-rança Pública acreana.

Célio destacou ainda que a parceria entre as polícias já vem sendo discutida há algum tempo, ele lembrou inclusive recente encontro ocorrido no município de Assis Brasil, passagem obrigatória. Para o secre-tário de Polícia Civil, Emylson Farias, a parceria com a Polícia Nacional Peruana é de fundamental importância para o combate e criminalidade.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation