Universidade não se decide, mas recomenda inscrições ao Enem

O que era para ser o fim de um impasse que se arrasta há tempos precisou ser adiado. A Ufac (Universidade Federal do Acre) ainda não se definiu como adotará o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) como processo de seleção de seus novos acadêmicos. Mas algo é certo: a instituição usará o novo exame este ano. Por conta disso, a reitora Olinda Batista recomendou aos candidatos que se inscrevam ao Enem.
ENENUFAC
A proposta é que até a metade da semana que vem o Conselho Universitário se defina de que forma a Ufac irá usar o Enem. De acordo com a reitora, as consultas públicas realizadas obtiveram resultados não consensos. Enquanto que a maioria dos alunos das escolas da rede pública escolheu o uso do total do Enem, os da particular optaram pelas vagas remanescentes.

Essa experiência a Ufac teve ano passado, mas sem sucesso. Sobraram somente vagas do curso de Inglês (licenciatura) em Cruzeiro do Sul, o que acabou por não ter procura. “Nós temos um entendimento interno de que é bom para a Ufac entrar no Enem”, disse Olinda Batista, durante a entrevista coletiva de ontem. Para ela, a segurança oferecida pelo Enem não deixa margens para erros em questões, algo muito comum em vestibulares passados da instituição.
A eficácia oferecida pelo concurso também evitaria fraudes no processo de seleção. As provas são corrigidas pelo Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), em Brasília.

“Queremos recomendar que todos os candidatos inscrevam-se ao Enem, independente da decisão a ser tomada pelo conselho”, afirmou Olinda. Uma nova consulta pública será realizada na segunda-feira (5), e logo após o Conselho Universitário se reúne para um veredicto. “Temos várias modalidade de aderir ao Enem”, ressaltou a reitora. 

Indagada se a indecisão da Ufac não atrapalharia o método de estudo por parte dos estudantes, Olinda Batista afirma que já no vestibular do ano passado a instituição usou questões que seguem o mesmo padrão do Enem, onde o estudante precisa usar mais o raciocínio para resolver os problemas propostos. 

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation