Policial da Ciatran morre após ser atropelado por jovem

O tenente da Polícia Militar, José  Ricardo de Lima, 42 anos, que prestava serviço na Companhia Estadual de Trânsito  (Ciatran), foi atropelado e morto na noite de terça-feira, 20, quando trafegava em uma motocicleta na Rodovia AC-40, bairro Vila Acre, a caminho de casa.
Policial-da-Ciatran
Segundo informações de testemunhas, o oficial da Polícia Militar trafegava  de motocicleta na Rodovia AC-40 sentido Centro/bairro, onde o jovem Larney de Moura Silva, 19 anos, trafegava em um carro em alta velocidade e decidiu fazer uma manobra proibida (cavalo de pau)  no meio da pista. Ele perdeu o controle do veículo que rodou diversas vezes até atingir o militar, que não teve tempo de desviar da colisão.

Com o impacto da batida, o corpo do tenente Ricardo foi lançado a alguns metros de distância. Ele teve morte instantânea ao sofrer múltiplas fraturas.

Uma equipe de paramédicos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionada, mas ao chegar ao local a vítima já estava morta.

Moradores do bairro Vila Acre, revoltados, tentaram agredir o motorista do carro, que tentou fugir, mas foi impedido por um policial militar que passava no momento do acidente e deteve o rapaz. Ele o entregou a uma patrulha que chegou momentos depois.

O acusado foi preso e encaminhado à Delegacia de Flagrantes (Defla), onde foi indiciado por crime de homicídio culposo (quando não existe a intenção de matar), pagou uma fiança no valor de quatro salários mínimos e foi liberado para responder o processo em liberdade.

O tenente Ricardo era considerado pelos colegas de farda e superiores  um profissional exemplar. “Ele ministrava palestras voluntariamente nas escolas públicas sobre Educação no Trânsito e desenvolvia junto com funcionários do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) campanhas educativas de combate à violência no Trânsito. Era pastor da Igreja Quadrangular  e ironicamente foi vítima da imprudência e do excesso de velocidade de um jovem que somente portava a carteira de permissionário”, lamentou um policial militar.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation