Política local 03/08/2010

“Estamos fazendo uma campanha pé no chão, trabalhando muito, e sem ostentação”.

Candidato à Câmara Federal, deputado estadual Thaumaturgo Lima (PT).

O canto do galo
Os dirigentes da Assembléia de Deus não esperaram o galo cantar três vezes e já no primeiro canto “renegaram” de público a candidatura da irmã de igreja Marina Silva (PV) e anunciaram apoio à petista Dilma Rousseff, com quem ela andou às turras no governo Lula. Os pastores não resistiram a um cafuné vindo dos cardeais do PT e passaram cantar salmos de louvor à Dilma.

Mais apressadinhos
Foram mais impacientes que Pedro, discípulo de Jesus, que revela a Bíblia, antes de renegá-lo, esperou o terceiro canto do galo, para depois deixá-lo de lado.

Debate salutar
Jorge Viana (PT) abre hoje na TV-GAZETA, no programa do Alan Rick, a série de entrevistas com os candidatos a senador. Será uma  boa oportunidade para se avaliar o projeto de cada um.

Duro e incisivo
O que se espera é que o apresentador Alan Rick vá além do “por que o senhor quer ser senador” e seja incisivo com todos nas perguntas, para não deixar dúvida no telespectador.

 Fora da disputa
Malhado no “Ficha Limpa” e para evitar o desgaste de ver seu nome vetado pelo TRE, o ex-prefeito Juarez Leitão (PT), cassado por compra de votos, desistiu de tentar uma vaga na Aleac.

Merla Albuquerque
O mesmo caminho seguiu o ex-prefeito de Feijó, Francimar Fernandes (PT), com problemas no TCE e TCU, que renunciou e lançou o filho Merla Albuquerque (PT) para deputado estadual.

Muito preparado
Merla é um dos candidatos à Aleac do PT dos mais preparados e excelente figura humana.

Oração fraca
O candidato a deputado federal, Jessé Santiago (PSB), tem oração fraca: clamou para a Antonia Lucia (PSC) ter a sua candidatura à Câmara Federal negada pelo TRE/AC e não foi atendido.

Numa prensa
Jessé, que esperava correr só entre os crentes, terá adversá-rios evangélicos de peso à Câmara Federal, como o deputado federal Henrique Afonso, Pastor Rodson e a Antonia Lucia.

Entre os três
Conversei ontem com lideranças de Cruzeiro do Sul. Citaram como os mais votados a deputado federal, no município: Henrique Afonso (PV), Gladson Cameli (PP) e Thaumaturgo Lima (PT).

Gato escaldado
Ao contrário da eleição para prefeito da Capital, Petecão (PMN), nesta campanha do Senado não tem revelado seus apoiadores para não perdê-los para a FPA, como ocorreu para a PMRB.

Apoio importante
Ao conseguir fechar o apoio do “Chico Hulk”, em Tarauacá, sempre bem votado para vereador, o deputado Walter Prado (PDT), que já estava bem naquele município, ficou melhor ainda.

Bem cotado
Mesmo com a campanha cerrada contra sua candidatura entre os evangélicos, o senador Tião Viana (PT) é o nome preferido da comunidade para o governo.

Nome homologado
O ex-prefeito de Marechal Thaumaturgo, Itamar de Sá (PT), que teve o registro da candidatura impugnado pelo MPF, teve ontem seu nome liberado por 6×0 na sessão do TRE/AC.

Campanha liberada
Com a decisão fica liberado para continuar tocando sua candidatura para deputado estadual.

Novo status
Caso o Itamar de Sá se eleja à Aleac, Perpétua de Sá, sua mulher, deixará de ser “deputada”, para ser “mulher de deputado”, e ele perderá o incômodo posto de “primeiro damo” (sic).

Família batalhadora
A Aleac ganharia um político que não compra votos, faz um belo trabalho com a família na campanha, e os humildes teriam voz naquela Casa, com a eleição de Rabelo Góes (PMDB).

Difícil
O ex-prefeito de Sena Madureira, Nílson Areal, alardeia por onde anda no município que já está tudo acertado para voltar ao cargo na próxima sessão do TSE, do dia 5. É muito difícil!

Como é que pode?
Tem candidato a deputado que declarou no TRE/AC que vai gastar uma ninharia na sua campanha e, ao contrário, já colocou na rua uma estrutura para quem disputa o governo.

Caça aos miaus
É muito simples pegar esses “gatos”; é só checar nas gráficas e empresas que trabalham com cartazes, out-doors etc, quanto de material gráfico foi encomendado por cada um.

Precisa dizer
O vereador Rodrigo Pinto (PMDB) precisa dizer se será ou não candidato a deputado estadual.

Fazendo justiça

O TRE/AC está sendo justo até aqui no julgamento dos malhados pela “Lei da Ficha Limpa”, impedindo a candidatura de quem foi condenado por malversação do dinheiro público e liberando os que foram relacionados por cometimento de atos administrativos e técnicos incorretos, mas que não causaram prejuízo ao erário. Há que se separar as duas situações.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation