A Jaguatirica mostra as garras

As mais recentes pesquisas presidenciais do Datafolha e Ibope mostram apenas uma novidade, o crescimento dos índices de Marina Silva (PV). Além disso, a candidata acreana notadamente se saiu melhor que os seus concorrentes no debate de domingo na Rede Record. Ao contrário da sua postura usual, Marina se mostrou agressiva com Serra (PSDB) e Dilma (PT), mas sem perder a elegância.

Seguiu o roteiro de uma tática mais incisiva para tentar se qualificar junto ao eleitorado para chegar ao segundo turno. Aliás, ela tem se mostrada eficiente como comandante da “onda verde” que cresce no país.

Ainda que o crescimento de Marina Silva esteja longe de garantir a realização do segundo turno, a candidata já se tornou um fenômeno nessas eleições. Ao contrário da ex-senadora Heloisa Helena do PSOL que fez muito barulho, em 2006, mas teve uma votação pífia e desapareceu da cena política brasileira, Marina sairá vitoriosa do pleito indiferente do resultado. Conseguiu a simpatia de milhões de brasileiros para a sua causa ambientalista.

No entanto, algumas lideranças do PT devem estar ar-rependidas por terem prestigiado mais o norte-americano, ex-ministro, Mangabeira Unger, que foi o mais ferrenho adversário de Marina dentro do governo Lula. Quando a candidata proferiu a celebre frase: “sou uma jaguatirica ferida lambendo minhas feridas dentro da toca”, preparava o contra-ataque por ter tido que engolir um insatisfatório projeto de regularização fundiária na Amazônia. Agora, a Jaguatirica virou uma peça chave para o resultado das eleições presidenciais seja no primeiro ou segundo turno.

Claro que existem alguns pontos a serem considerados. Mesmo numa improvável vitória da candidata verde não haveria condições de governa-bilidade com um Congresso Nacional que terá a maioria do PT e o PMDB. Teria que haver costuras, nessa hipótese, que poderiam levar o país novamente ao loteamento de cargos em função da governabilidade. De qualquer maneira considero altamente positiva a possibilidade de termos duas mulheres de orientação progressista disputando uma eleição presidencial.

De qualquer maneira, Marina atraiu a atenção da grande mídia brasileira para o Acre. No domingo haverá cobertura dos principais veículos de comunicação brasileiros em Rio Branco do voto de Marina Silva. Ela trouxe um enorme benefício para o Estado mostrando ter condições de participar de uma disputa política nacional em igualdade de condições.

Confirmou a minha tese que o Acre é uma verdadeira escola de política. O resultado eleitoral nesse caso, será o menos importante porque Marina já garantiu a respeitabilidade e a vitória do Acre nessas eleições. O resto são apenas detalhes.

 

* Nelson Liano é jornalista
[email protected] – twitter.com/NelsonLiano      

Assuntos desta notícia

Join the Conversation