Política local 05/10/2010

“O que for bom para o Acre terá meu apoio, mas, serei implacável contra a politicagem”.

Senador eleito Sérgio Petecão (PMN).

Leitura das urnas
As urnas deixaram uma leitura clara nesta eleição: a fadiga do modelo de governar da FPA para as elites e dissociada dos grotões tem que mudar. Ninguém imaginaria que o senador Tião Viana (PT), por tudo que representa, por seu belo trabalho parlamentar, ganhasse apertado de um Tião Bocalom (PSDB) sem o seu perfil. Ou Tião governa com os aliados ou perderá a PMRB.

Está errado
O governo virou um aparelho do PT. Não conheço um secretário estadual que não seja do PT. Isso é errado, sem os aliados a FPA não teria chegado ao governo. Isso politicamente é falho.

Será que não?
Será que entre os partidos aliados não existe ninguém capaz de ser um bom secretário?

Pé quente
O empresário Eliazar Machado, do “Posto de Gasolina do Machado”, foi o pé quente desta eleição: apoiou o irmão Eber Machado (PSDC) e Astério Moreira (PRP), e ambos se elegeram.

Desmotivação
Ouvi ao longo da campanha candidatos dos “nanicos” e até de outros partidos maiores, num mantra, dizer que não valia a pena pedir votos para o governo porque só o PT se beneficiaria.

Prova das urnas
E tanto foi assim que não houve motivação, empenho, que a diferença para o candidato Tião Bocalom (PSDB) foi de 1%, um sofrimento até a última urna, e com uma derrota em Rio Branco.

Creio nisso
Acredito que o senador Tião Viana (PT) vai dar uma guinada radical de administrar porque é um político de mente aberta, sabe que governar com os políticos é questão de sobrevivência.

Nomes fortes
Tião Viana, com sua experiência do parlamento, não tenho dúvida, fará um governo plural, que aglutine, envolva os políticos, porque a eleição para a PMRB em 2014 será uma batalha difícil.

Muito fortes
A oposição credenciou dois nomes que se mostraram fortes nas urnas: Tião Bocalom (PSDB) e Márcio Bittar (PSDB). Ambos muito bem votados em Rio Branco e fortes postulantes à PMRB.
Abuso do poder
Quem acompanhou a campanha do senador Tião Viana (PT) sabe que ele fugiu léguas do aparelho estatal, daí por não crer que prospere a ação que pede a cassação do seu registro.

Com São Tomé
Não conheço o “caminhão de provas” que o PSDB diz ter para sustentar o pedido de cassação do seu registro por “abuso do poder econômico”, mas terei acesso e vou comentar sobre elas.

Delta
É o nome do instituto de pesquisa do Francimar Façanha. Acertou na mosca a sua última previsão do dia 29 último, que apontava uma diferença apertada na disputa do governo.

Caiu o véu
“A prefeita Leila Galvão (PT) passou a campanha entre a cabeleireira e a manicure”, criticam petistas, fulos, com a vitória de Tião Bocalom (PSDB) sobre Tião Viana (PT), em Brasiléia.

Chegaria tranqüila
A deputada Antonia Sales (PMDB), como a coluna previu, foi a mais votada para a Aleac, com 6 mil votos. Não chegou aos 8 mil devido a abstenção de 40% no Juruá, devido às fortes chuvas.

Poder de transferência
Quem mostrou poder de transferência de votos foi o deputado Mazinho Serafim (PSDB). Não foi candidato, mas elegeu a irmã Marileide Serafim (PSDB) deputada na sua vaga.

Quem sabe
Vou me guardar para comentar a ação parlamentar da oposição quando os vir nos debates.

Méritos próprios
Se Jorge Viana (PT) e Tião Viana (PT) ganharam a eleição foi pelo forte carisma de ambos.

Dindim fora
O prefeito de Feijó, Dindim, será expulso do PSDB por fugir da campanha e ser o principal responsável pela derrota do candidato Tião Bocalom (PSB). Dindim é político de um mandato.

Grande destaque

Se há algo que mereça destaque na eleição que se findou foi a ação conjunta da Justiça Eleitoral, do MPE e da PF, implacáveis no combate à compra de votos. Sem eles, a patifaria da troca de votos por favores teria corrido livremente, como em eleições passadas. Não cabe reclamação. Como diz o ditado, ninguém é preso ou investigado por estar rezando na igreja.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation