Política local 27/10/2010

“Ele tinha tudo para ser sacerdote, bispo; foi um policial do bem”.

Senador Pedro Simon (PMDB-RS) sobre o senador Romeu Tuma, que faleceu ontem.

Gravações envolvem Carvalho em Santo André
O presidente Lula e seu chefe de gabinete, Gilberto Carvalho, estão muito preocupados com o delegado Romeu Tuma Jr, em especial após o falecimento do seu pai, senador Romeu Tuma (PTB-SP), aos 79. Faz sentido. Tuma Jr desvendou o assassinato do prefeito de Santo André (SP) Celso Daniel, investigando inclusive lavagem de dinheiro lá fora, e tem em seus arquivos diálogos gravados que comprometem Carvalho.

Poço de mágoas
Muito emocionado com a morte do pai, o delegado Tuma Jr desabafou ontem com amigos: “Olha o que eles fizeram ao velho…”

Bate-boca
Tuma Jr atribui a enfermidade do pai a um bate-boca com o diretor da Polícia Federal, Luiz Fernando Correa, nos corredores do Senado.

Internação
Logo após a discussão com Correia, da qual teria participado também Roberto Troncon, da PF, o senador se sentiu mal e foi hospitalizado.

Vazamento
Para a família, teria sido vazado pela PF o grampo envolvendo Tuma Jr com a “máfia chinesa”, para afastá-lo do governo. Ele foi inocentado.

Factóide de Lula
O comando da Marinha enrolou, enrolou e não informou os custos da utilização de 4 navios e 6 helicópteros no factóide de Lula no campo petrolífero de Tupi, amanhã, para exaltar a Petrobras e falar mal dos tucanos. Mas oficiais superiores da Marinha calculam gastos de R$ 2,2 milhões (exatos R$ 2.291.360,00) só em combustíveis. Serão usadas uma fragata da classe Bosisio, outra da classe Independência, cada uma com helicópteros Super-Linx, ao custo de US$ 9.000 por hora/vôo.

Queimando dinheiro
A Marinha apoiará o factóide com as fragatas e também dois navios de desembarque. Os quatro consomem 80 mil litros de combustível/dia.

Lula nos ares
Dois helicópteros Super-Puma (US$ 7.300 a hora de vôo) levarão Lula e comitiva e jornalistas a Tupi. A operação deve durar 8 horas.

700 homens
Toda a operação da Marinha, de apoio ao factóide de Lula, nesta quinta, mobilizará setecentos homens durante pelo menos 24 horas.

Jeito tucano…
Assim como a Folha soube há seis meses quem venceria a licitação no Metrô paulista, o mercado já sabe que a empresa Fator F deve vencer uma licitação de R$ 6 milhões antes da posse de Geraldo Alckmin.

…de ser ‘feliz’
A Fator F vai dar assessoria de imprensa para o novo governo paulista. F de Ferreira, um Roger Ferreira, assessor de imprensa da campanha de… Alckmin. F é ligado a G, de Gonzáles, marqueteiro de José Serra.

Ouvidos moucos
Dilma passou batida no debate da Record, quando Serra perguntou duas vezes sobre a Gemini, sociedade com a multinacional de gás liquefeito White Martins, supostamente favorecida pela Petrobras.

Rir ou chorar?
Virou peça de ficção a nota oficial da ex-ministra Erenice Guerra ao deixar a Casa Civil, em setembro: fala em “honra atacada” e familiares “atingidos” e “mentiras sem provas”. À PF ela já forneceu uma prova.

Ecopicaretagem
A poucos dias da conferência Cop-16, parte da Europa atingiu zero grau em pleno outono. Deve ser o “aquecimento global” alardeado por ecopicaretas que ganham a vida (e grana) alar-deando o apocalipse.

Leilão esquisito
Altas somas pagas pelo Banco do Brasil para “arrematar” as folhas de pagamento de prefeituras e câmaras municipais intriga procuradores do Ministério Público. Em Fortaleza, o BB pagou R$ 3 milhões à Câmara.

Ar engarrafado
Tucano é bicho do mato e Curitiba, a “cidade do verde”. Mas com engarrafamento de deixar carioca pasmo, a capital paranaense corre risco de ficar conhecida como “cidade cinza”. Abre o olho, Beto Richa!.

Donos da verdade
Rádios e TVs do governo são parceiras, desde a semana passada, de Bolívia, Paraguai, Venezuela e Cuba na União Latino-Americana de Agências de Notícias (Ulan), rede “alternativa” à mídia independente.

Pensando bem…
… Erenice é pouco: Dilma também tem guerra com o português.

PODER SEM PUDOR

Greca, o asteca

Certa vez, na Câmara Municipal de Curitiba, um opositor atacou assim o grupo político do qual fazia parte Rafael Greca, ex-ministro do Turismo de FHC:
– Esse Jaime Lerner e seus astecas…
“Assecla” do então prefeito, Greca devolveu, na bucha:
– Quem me dera estar entre incas e maias!

Assuntos desta notícia

Join the Conversation