Política nacional 12/10/2010

“Quem pode julgar sobre crença religiosa é Deus” .

Dilma Rousseff, recém-convertida, insinuando que o câncer a aproximou da religião.

Debate Dilma x Serra: detector flagrou mentiras
O perito em veracidade da Truster Brasil, Mauro Nadvorny, fez a pedido da coluna a análise de voz dos candidatos nas “considerações finais” do debate de terça, na Band, após o fim do bate-boca: o detector de mentiras israelense registrou que Dilma mentiu quando disse “estar preparada para ser presidente”. O tucano Serra mentiu também ao prometer que “vai eliminar os atrasos na Saúde e na Segurança”.

Verdades e mentiras
Serra mentiu, diz o laudo da Truster Brasil, quando prometeu manter os programas sociais. Mas é verdade que “trabalhará por economia forte”.

Saúde velha de guerra
A promessa do mínimo de R$ 600 passou no detector; o reajuste de 10% na aposentadoria, não. Dilma mentiu no que vai fazer na Saúde.

Tensão na mentira
A voz de Dilma, ao contrário de Serra, mostrou “tensão extrema” na despedida, sinal de que mentiu dizendo que “nunca atacou sem prova”.

Instantâneo
Mauro Nadvorny, da Truster, ressalta que a análise “é “radiografia do momento”, e pode se alterar “em outras circunstâncias”.

Insultos foram…
Saia justa na platéia do debate da Band: Eduardo Suplicy (PT-SP) se sentava coladinho à ex-mulher e senadora eleita Marta quando, no segundo intervalo, um desconhecido mal-educado chegou junto: “O sr. faz questão de coroar sua galhada ao lado de quem lhe presenteou (sic) com ela?” Suplicy perdeu o rebolado, mas fez silêncio. Marta reagiu indignada, mas baixinho. Tudo muito educado e discreto.

Tendência
Nova moda em debate: sai o “trololó” de José Serra, entra o “tergiversar” de Dilma Rousseff.

Pessimismo
A reação tímida dos petistas no auditório da Band, logo após o debate, revelou que a turma de Dilma anda mesmo pessimista.

Provocação
Dilma atacou para Serra revidar e fazê-la de vítima, por ser mulher. Faltou-lhe a retórica – e a cancha – de uma Margaret Thatcher.

Foi um erro
Ataca o adversário, em debates, quem está atrás nas pesquisas. A estratégia de Dilma espantou macacos velhos da política: ela foi a mais votada no primeiro turno, mas se comporta como se o tivesse perdido.

Desmemoriados
Dilma cobrou, mas esqueceu o assunto “Paulo Preto”, ex-assessor do governo paulista que “fugiu com US$ 4 milhões”. Esqueceu, e Serra não cobrou, de “explicar detalhadamente” o escândalo Erenice Guerra.

Furou a canoa
O governador do Rio, Sergio Cabral, prometeu fazer companhia a Dilma, no debate da Band. Mas cancelou na última hora. A intriga mais saborosa atribuiu o cancelamento a más notícias nas pesquisas.

Dilma tem vice
Michel Temer, vice de Dilma, desta vez foi incluído pelo PT entre os convidados para acompanhar a candidata no debate da Band. No primeiro debate, ele teve de “cavar” um convite da emissora. Temer está feliz, agora: pela primeira vez, vai aparecer no programa eleitoral.

Mancada
O programa de Agnelo Queiroz (PT) mostrou na TV quem o apóia – na “Assembleia” – ao governo do DF. Alguém precisa contar aos redatores do programa que não há Assembléia no DF, e sim Câmara Legislativa.

Só coluna?
Descobriram que o filho do acupunturista de Dilma, Gu Zhou-Ji, está na folha de pagamentos da Casa Civil. O chinês disse que Erenice “estava com problema de coluna”. De coluna, artigos, editoriais, manchetes…

Caso médico
No afã de atrair o apoio da Verde, o ex-senador petista Aloizio Mercadante disse que o coração dele e de Marina Silva “batem do lado esquerdo”. Do direito, seria irrevogável procurar um cientista.

Põe na conta
O Conselho Nacional do Ministério Público apura suposta “lesão” ao nosso bolso pelo procurador-geral de Justiça do Piauí, Augusto Cézar Andrade, e do ex-, Emir Martins: eles deixaram um procurador em disponibilidade por quase dois anos. Remunerada, claro. 

Pensando bem…
…falta em carisma a Serra o que sobra em quilos a Dilma. 

PODER SEM PUDOR

Erro de logística

Hoje ministro do Tribunal de Contas da União, José Múcio Monteiro foi escalado pelo PFL para disputar o governo de Pernambuco com Miguel Arraes, que retornara do exílio. Sabia que a surra seria grande, mas topou. O PFL botou um helicóptero à sua disposição e, certo dia, ele desceu num distrito próximo a Palmares. Foi o maior rebuliço. No palanque, ouviu a saudação: “E agora o candidato a governador de Pernambuco, que vem de helicóptero só para nos presti-giar!” Ele ficou surpreso com a expressão “nos prestigiar”, mas o locutor explicou onde ele chegara de verdade:
– O senhor é candidato em Pernambuco. O nosso distrito é em Alagoas.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation