Em dia de estréias, Seleção Brasileira derrota o Irã com gols de ‘veteranos’

Sob o forte calor de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, a Seleção Brasileira não fez uma grande exibição diante do Irã, mas conseguiu vencer sem sustos o adversário por 3 a 0, ontem, no segundo amistoso da Era Mano Menezes. E, apesar dos vários novatos e estreantes em campo (Philippe Coutinho, Elias, Réver, Wesley e Giuliano), foi do “veterano” Daniel Alves o gol que abriu o caminho da vitória em uma excepcional cobrança de falta. Pato e Nilmar, outros atletas já acostumados com a amarelinha, completaram o placar.
Robinho
O time canarinho, que já havia batido os Estados Unidos em agosto em Nova Jersey, volta a campo na próxima segunda-feira, diante da Ucrânia, na cidade inglesa de Derby, às 15h30 (horário de Brasília).

Trio milanês e susto no início
Com o trio “milanês” formado por Robinho, Pato e Philippe Coutinho no ataque, o Brasil começou a partida desatento e errando muitos passes. Apoiado pela maior parte dos torcedores que foram ao Zayed Sports City, o Irã aproveitou a lentidão tupiniquim e, com uma marcação sob pressão, encurralava os comandados de Mano Menezes na defesa.

Aos quatro, a seleção do Oriente Médio chegou inclusive a balançar as redes com o atacante Gholami. No entanto, o árbitro alegou impedimento (que não existiu) e anulou o que seria o primeiro gol da partida.

Golaço de Daniel Alves
Na cobrança, o lateral-direito Daniel Alves, um dos mais experientes do jovem grupo de Mano, pegou a bola com carinho e colocou com maestria no ângulo do arqueiro Rahmati. Golaço.

Na comemoração, o atleta do Barcelona, que já foi campeão do mundo com a equipe catalã nos Emirados em 2009, fez o número quatro em alusão aos quatro anos vestindo a camisa amarelinha.

A pintura de Dani Alves mudou radicalmente a cara do jogo. O Brasil passou a ter maior posse de bola e o Irã, visivelmente abatido pelo tento sofrido, diminuiu a empolgação inicial.

E, por pouco, o abatimento iraniano não piorou. Aos 16, Robinho invadiu a área e tocou para Pato. O atacante do Milan finalizou cruzado, mas Heydari cortou quase em cima da linha. Quatro minutos depois, em jogada semelhante, Robinho carimbou a trave. No rebote, Pato, sozinho, arrematou para fora.
Depois da pequena “blitz”, o Brasil tirou o pé de acelerador – muito por causa da temperatura elevada – e passou a cozinhar o jogo até o final do primeiro tempo. Na saída para o intervalo, Robinho reconheceu que a Seleção não fazia grande exibição.

Tabelinha e gol de Pato
Jogador que mais finalizou na partida, Pato foi recompensado aos 23. Após tabelinha com Elias, o camisa 9 do Brasil ampliou o marcador com um belo disparo de perna direita.

Com a boa vantagem no marcador, o Brasil voltou a cadenciar o ritmo da partida, e Mano aproveitou para fazer mais mudanças, sacando Thiago Silva e Lucas, e colocando, respectivamente, os debutantes Réver e Wesley. Aos 38, Nilmar ainda teve boa chance de ampliar, mas parou nas mãos de Rahmati, principal destaque do Irã.
Aos 46, André Santos cruzou da

 esquerda, Nilmar marcou o terceiro gol do Brasil e fechou o marcador. Antes do apito final, o Irã quase descontou com Teymourian, mas o atacante chutou para fora. (Globo Esporte)

Assuntos desta notícia

Join the Conversation