Novos olhares, outros conceitos de Segurança Pública

Entregue ao público terça-feira, 26, pelo governador Binho Marques, a nova Delegacia Geral de Tarauacá traz vários instrumentos que possibilitam acolhimento de qualidade e a prestação de um serviço que não é mais isolado, mas faz parte de uma política de Estado e de um sistema integrado, moderno e eficiente.
Nova-Delegacia
Ao custo de cerca de R$ 800 mil, a reforma e adequação predial garante também melhor segurança à integridade física dos policiais envolvidos na ocorrência, bem como, do agente em conflito com a lei, desde a cela até os cartórios da delegacia, quando necessário os procedimentos do interrogatório e outros esclarecimentos à autoridade policial plantonista.

Oferece também amplas condições de proporcionar atendimento de qualidade, com celeridade e eficiência, dotando ao mesmo tempo de condições de trabalho bastante satisfatórias.

A estrutura do prédio não permite que a vítima se encontre com o agressor – esse é um aspecto muito importante – mas não é só isso: há equipamentos de acessibilidade, como rampas e banheiros para portadores de necessidades especiais. Acima de tudo, está adequado para a política de regionalização da Segurança Pública e a efetiva integração das polícias. Foi construída uma sala que no futuro abrigará o delegado regional. Essa nova política de segurança, levada a efeito em todas as áreas de governo, fará do Acre o melhor lugar para se viver na Amazônia notadamente com os sistemas de educação, saúde e segurança pública prontos para funcionar adequadamente.

Entre outros ambientes, a delegacia de Tarauacá conta com auditório confortável para reunião funcional e encontros com a comunidade, modelo que de interação que só pode ser visto em poucos lugares do país. Os gestores do sistema não têm dúvida que o novo modelo possibilitará, em pouco tempo, considerável diminuição na criminalidade em Tarauacá e região. “Não é só um padrão arquitetônico, mas uma mudança de conceito”, reafirmou o delegado Emylson Farias, secretário de Estado de Polícia Civil.

A cerimônia foi muito prestigiada. Estiveram presentes os secretários Emilson Farias, da Polícia Civil; Márcia Regina, da Segurança Pública; o comandante da Polícia Militar, Romário Célio, delegados, agentes civis, professores, representantes do Poder Judiciário, Defensoria Pública e Ministério Público; o presidente da Assembléia Legislativa do Acre, Edvaldo Magalhães, o deputado Moisés Diniz, líder do Governo na Aleac, membros de organizações religiosas, lideranças sindicais e comunitá-rias, vereadores e empresários.

“Nosso projeto vai acontecer do jeito que o povo sonha”, diz Binho
O governador citou como exemplo da eficiência do sistema, o percentual de 85% de resolução dos homicídios – padrão de países como o Japão. Com essa taxa, o Acre é proporcionalmente o Estado com maior resolutividade desse tipo de crime. “Esta não é uma delegacia isolada. Faz parte de um sistema”, voltou a ressaltar o governador ao afirmar que os indicadores futuros serão ainda melhores porque ao concluir seu mandato deixa para o sucessor, Tião Viana, as bases prontas para o Acre fixar-se na Nova Economia, baseada em baixo carbono e alta inclusão social – e a segurança se inclui nessa nova perspectiva. “O nosso projeto vai acontecer do jeito que o povo sonha”, completou o governador, citando que os avanços em saúde e educação certamente trazem reflexos para a segurança pública. Além desses efeitos, o Acre é proporcio-nalmente a sua população, o Estado que mais ofertou emprego em 2010.

Delegado ressalta boas condições de trabalho
A unidade policial conta com ciclo completo de atendimento ao público. Para efeito de exemplo, nas novas delegacias da Capital, o sistema reduziu de uma hora para dez minutos o registro de uma ocorrência. O acolhimento consiste no registro de boletins de ocorrências, análise criminal, investigação, flagrante e policiamento civil comunitário, que tem por finalidade, dinamizar o fluxo das atividades policiais na delegacia.

A Diretoria de Centrais de Atendimento (OCA) acompanha projetos como esse para garantir compatibilização  do sistema ao arcabouço legal de atendimento ao público. O Acre é o único Estado a possuir legislação específica sobre o tema. “Estou feliz porque o Governo tem olhado para a segurança pública e nos dado condições de trabalho”, disse o delegado titular da unidade, Julvan Lacerda.

Integração, padronização, informação e prevenção: avanços na Polícia Civil
A secretária de Segurança Pública, Márcia Regina, destacou os quatro eixos do sistema: integração e regionalização com olhar no território; padronização; gestão da informação e repressão qualificada e prevenção. “O sistema é independente e só acontece porque todos estão juntos”, disse a secretária. Em função desse novo olhar, a Polícia Civil registrou grandes avanços nos últimos anos, entre eles a autonomia da instituição através da criação da Secretaria de Estado da Polícia Civil.

Desde 2007, o governo Binho Marques avançou em cursos de capacitação e reciclagem de alto padrão. Já em funcionamento na 1ª Regional e em várias delegacias de Rio Branco, a terceirização do atendimento ao usuário reduziu tempo, otimizou recursos financeiros e o trabalho dos chefes das equipes, reduzindo muito as queixas na Corregedoria de Polícia Civil por conta de má atendimento. Um dos avanços foi a implantação do Sistema de Informação e Gestão Operacional (Sigo), software que permite criar e organizar banco de dados,  padronizar e agilizar ações e procedimentos de enfrentamento à violência. O Sigo vem sendo utilizado em delegacias e unidades da Polícia Militar, possibilitando acompanhamento em tempo real das ocorrências. (Agência Acre)

 

 

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation