Pesquisadores lançam livro fotográfico para revelar as curiosidades sobre geoglifos

Um mistério insolúvel e milhares de respostas! Assim podem ser resumidos os geoglifos encontrados no Acre. Como patrimônios arqueológicos, há anos eles vêm sendo objetos de estudos, mas não é justo que todo este rico suspense fique restrito a estudiosos. Para mostrá-los ao público, os pesquisadores Alceu Ranzi, Denise Schaan e Antônia Barbosa (Ufac) lançaram ontem (7) à noite, às 20h, o livro fotográfico ‘Geoglifos: Paisagem da Amazônia Ocidental’, no Memorial dos Autonomistas, Teatro Hélio Melo.
Alceu-Ranzi
A solenidade da obra foi um sucesso, reunindo diversas autoridades acreanas e curiosos aficionados pelo enigma milenar dos sítios arqueológicos. A publicação contém mais de 85 ilustrações surpreendentes e dois artigos dos pesquisadores Alceu Ranzi e Denise Schaan. Além disso, possui 1 mapa de localização da maioria dos 271 geoglifos achados ao redor do Estado (sobretudo no leste) e uma apresentação escrita pelo governador Binho Marques.

De acordo com o pesquisador Alceu Ranzi, trata-se de um trabalho ilustrativo, para expor a beleza artística dos geoglifos. “É um livro estético, de fácil leitura visual e feito exclusivamente para as pessoas conhecerem mais sobre estas maravilhosas estruturas”, resume Ranzi.

O livro foi distribuído gratuitamente na cerimônia, encantando a todos os presentes. As fotos foram tirada em sobre-vôos, pelos fotógrafos Edson Caetano, Sérgio Vale, Maurício de Paiva e Diego Gurgel. A publicação é patrocinada pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) e pelo Governo do Estado.

Documentário internacional
– Direto do Canadá para as intrigantes terras acreanas, a equipe de cineastas Peter Von Puttkamer (diretor), Niall McCann (apresentador) e Todd Southgate (cinegrafista), da Gryphon Productions Ltda, vie-ram colher material para o seu documentário ‘Lost In The Amazon: Percy Fawcett’ (tradução, Percy Fawcett: Perdido na Amazônia). O longa narra a história do arqueólogo Percy Harrison Faw-cett, tentando comprovar sua tese de que teria existido uma civilização perdida na Amazônia.

Tal constatação é feita no documentário através de associações com os geoglifos. Isto é, a presença dos grandes sítios poderia significar provas de que tais sociedades habitaram mesmo a região. O inglês Percy Fawcett organizou expedições para tentar encontrar este grande povo perdido na Serra do Roncador (PA e MS), mas se perdeu misteriosamente nas buscas. O seu corpo nunca foi achado, sendo realizadas várias tentativas de resgates.

O documentário terá 1h de duração e será exibido por redes televisivas dos EUA, Reino Unido e Canadá. Trata-se do projeto precursor de um longa-metragem hollywoodiano, que deve ser estrelado pelo astro Brad Pitt, detentor dos direitos autorais do livro de David Grann, que narra tal história. (T.M., com informações da Agência de Notícias do Acre)         

Assuntos desta notícia

Join the Conversation