Yawanawás vendem 10 toneladas de farinha com incentivo do Boa Compra

Já estão nos mercados acrea-nos dez toneladas de farinha de mandioca da produção familiar, compradas e distribuídas pela empresa Tia Eliza. O diferen-cial do produto – de alta qualidade segundo o empresário – são os produtores: índios Yawanawá do Rio Gregório. A Aldeia Nova Esperança fica a oito horas de barco da BR-364, no município de Tarauacá. A venda da produção foi garantida graças ao programa Boa Compra, do Governo do Estado.
Yawanawas
Na manhã de ontem representantes do povo Yawanawá estiveram reunidos com o secretário de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof), Nilton Cosson e o empresário Júlio César, da empresa Tia Eliza, para o pagamento do processo de compra e o fortalecimento da parceria. O cacique Biraci Yawanawá garantiu que em 2011 a aldeia Nova Esperança tem capacidade de entregar 100 toneladas de farinha de mandioca. “Esta intermediação que o Governo fez é um incentivo muito grande para nós. É a realização de um sonho poder vir aqui fechar este negócio. Essas dez toneladas são apenas uma demonstração do que podemos produzir e colocar no mercado. Só vamos conseguir manter o nosso povo na aldeia se a aldeia oferecer condições para isso e são ações como essa que garantem a sustentabilidade do nosso povo”, disse.

Segundo o empresário, toda a produção será comprada e distribuída aos mercados acreanos dada a qualidade da farinha produzida pelo povo Yawanawá. “Esta é a primeira vez que eu vejo esta intermediação do governo, fazendo a ponte entre os produtores e as empresas, transportando o produto até o nosso armazém. Com a compra de uma produção em maior volume podemos inclusive ter embalagens específicas para a farinha produzida pelos indígenas, como forma de valorizar o produto da terra e agregar valor. As pessoas dão preferência ao que é produzido aqui”, disse.

Um dado interessante diz respeito à cooperação entre as etnias indígenas. Segundo Bira, foi feito um negócio entre caciques para garantir dois dos melhores produtores de farinha do povo Poyanawa, que tem tradição nesta cultura, para ajudar os Yawanawás a produzir dentro de um padrão de qualidade.

O Programa Boa Compra vem fortalecer a produção agroflorestal sustentável, garantindo qualidade, preço e mercado para os produtos que vêm do campo e consolidando as cadeias produtivas prioritárias.

Em reunião com Binho Marques, Yawanawas reconhecem fortalecimento da comunidade
Logo após terem recebido o pagamento pela venda direta da farinha de macaxeira, o grupo de representantes indígenas participaram de uma reunião com Binho Marques no Gabinete do Governador e o convidaram para participar do Festival Yawa, que será realizado de 25 a 30 deste mês, na Aldeia Nova Esperança, na Terra Indígena do Rio Gregório.

A festa, que especialmente celebra o direito à vida e a conquista da terra, este ano faz referência a reunião de grupos que haviam se dispersado nos últimos anos. O cacique Biraci Brasil e seus filhos, Charles e Macilvo Yawa agradeceram ao governador pela política de emancipação e fortalecimento das comunidades. “Mas queremos fazer este agradecimento com mais 700 yawa, no festival.

Queremos passar a alegria do Povo da Queixada ao nosso governador”, convidou Biraci Brasil. Binho confirmou presença e observou que a parte mais complicada do processo está em consolidação pelos índios. “O que vocês estão fazendo é a parte mais difícil. O esforço de vocês é exemplo para todas as lutas. Por isso, vou ao festival: para agradecer”, afirmou o governador. O primeiro Festival Yawa foi realizado em junho de 2002. (Agência Acre)

 

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation