FPA mobiliza lideranças políticas por uma vitória de Dilma no Acre

Uma reunião das lideranças partidárias da Frente Popular, ontem, no auditório do Hotel Pinheiro, teve como objetivo incrementar a candidatura da presidenciável Dilma Rousseff (PT) no Acre. Todos os 15 partidos do grupo políticos mandaram representantes. Além disso, a maioria dos candidatos da FPA, vitoriosos e derrotados, também compareceu à mobilização. A coordenação da campanha presidenciável petista no Estado ficará a cargo do governador eleito Tião Viana (PT). “Estamos aqui para iniciar a jornada da campanha da Dilma no segundo turno”, disse ele.

Tiao0910
Aliás, Tião Viana saiu antes da reunião terminar para pegar um vôo à Brasília. Lá vai se encontrar com a presidenciável. No domingo, o novo governador acreano, acompanhará Dilma Rousseff durante o primeiro debate entre os presidenciáveis na Rede Bandeirantes em São Paulo. O governador eleito argumentou sobre a importância de uma virada eleitoral no Estado no segundo turno presidencial.  “O grande objetivo nosso é mostrar à população acreana que tivemos um presidente que sempre esteve ao lado das pessoas mais pobres que eram esquecidas como o Lula. Ele homenageou as pessoas mais simples e humildes e fez muito pelo Acre”, ressaltou.

O novo governador acha que muitas obras só foram possíveis graças à ajuda de Lula ao Acre. “Mais de R$ 400 milhões transferidos para o Bolsa Família, R$ 350 milhões para o Luz Para Todos, ele elevou o salário mínimo e estabeleceu os Programas de Aceleração do Crescimento (PACs) e a força da habitação no Acre com 10 mil casas populares. Criou programas como o Pro-Uni. Homenageou a história política do Acre e, sobretudo, a população que mais precisa. Então, essa personagem merece o reconhecimento do povo acreano e a gratidão com os votos na Dilma”, argumentou.

Para Tião Viana é necessário uma mobilização da população para entender o melhor para o próximo Governo do Estado. “Nós vamos dividir a responsabilidade com o povo acreano dizendo que a melhor maneira de ajudar na caminhada futura do próximo governo é a Dilma nos apoiando. Se Deus quiser vamos ter um Governo Federal atuando pelas pessoas que mais precisam no Acre. A certeza que a Dilma é o que o Lula é. A presença entre os pobres e excluídos, pessoas que tinham necessidade de ter um governo e agora tem com Lula e terão com a Dilma que é a continuidade desse trabalho em todo o Brasil. Ela está próxima da gente e vai estar ajudando o Acre como o Lula ajudou. Assim poderemos fazer muito mais pelas pessoas que mais precisam”, salientou.

Jorge Viana: “Dilma é a mais cristã dos candidatos à presidência”
O senador eleito, Jorge Viana (PT), relacionou o resultado eleitoral no Acre com a importância da eleição de Dilma. “Temos muito trabalho a fazer. A eleição que dividia os acreanos acabou no dia 3 de outubro e nós temos que tirar lições e ter humildade. Temos que ter os dois pés no chão e descalços para a gente sentir bem o chão que a gente pisa. Aconselho a todos a fazerem isso porque estou também fazendo. Tenho conversado como Tião Viana que quer seja feito isso. A avaliação da nossa eleição local vamos fazer depois do segundo turno da eleição presidencial”, falou.

Jorge Viana faz comparações entre as duas candidaturas presidenciais. “Nesse momento o Acre e o Brasil correm um grande risco. De um lado tem um projeto representado por uma candidatura do Serra (PSDB) gerida pela elite paulista que quer de volta o governo para governar pelos que já têm. Aqueles que podem tudo a partir do Estado mais rico do país. Do outro lado a candidatura que é a possibilidade de continuar o trabalho do presidente Lula através da eleição da Dilma que é candidatura dos mais pobres. Isso começou a acontecer com um olhar humano, generoso e solidário ao Norte e ao Nordeste. Por isso, afirmo que o Lula tem sido o melhor presidente que o Acre já teve. A Dilma é o melhor para governar o Brasil”, manifestou.

O ex-governador garante que a eleição de Dilma facilitaria o processo de desenvolvimento do Estado. “Estou falando não só porque a Dilma tem uma relação melhor comigo e com o Tião por ser do mesmo partido. Mas são dois processos bem distintos. Um vai trabalhar pelos mais ricos que não precisam nem de governo e a Dilma vai trabalhar pelos mais pobres e os que mais precisam. O Acre está vivendo uma fase onde começa a se desenvolver. Está dando certo e os resultados já aparecem. Isso não pode ser interrompido. Se a gente já elegeu o nosso governador Tião Viana agora é hora de pensar no futuro do Acre principalmente das pessoas mais pobres. Isso é fundamental”, destacou.

O fator Marina
Outra questão importante para Jorge Viana é a posição que Marina Silva (PV) terá no segundo turno. “Estou torcendo para que a Marina nos apóie. Ela que nos ajudou a construir o sonho do desenvolvimento sustentável e sempre esteve ao lado dos mais pobres. A Dilma é a candidata mais cristã que temos nessa eleição porque só os que não são cristãos são indiferentes e intolerantes. O pessoal da elite que é assim. Quem cuida dos pobres são as pessoas tolerantes e que têm mais sensibilidade. A Dilma está sofrendo nessa campanha com tanta mentira e ofensas. Que Deus ajude que a verdade possa vencer e o governo continue nas mãos certas de uma mulher que será a primeira presidente do Brasil e que vai cuidar do povo brasileiro como mãe cuida dos filhos”, afirmou.

Lições das urnas acreanas
Apesar da avaliação da FPA sobre o resultado eleitoral do Acre só ser realizado com profundidade depois do segundo turno, Jorge, já pensa em correção de rumos. “A coisa mais importante é a gente corrigir as falhas que a gente cometeu na eleição estadual. Porque se a gente não assume que houve falhas a gente repete e não pode ser mais do mesmo. Agora, tem que ser mais muito mais de coisas boas. Nessa plenária temos que chamar todos os dirigentes partidários, os candidatos que se elegeram, os que não se elegeram que tiveram votos para nos ajudar nisso. Desde o dia 3 não sou senador só de quem votou em mim, mas de todos os acreanos”, finalizou.          

Assuntos desta notícia

Join the Conversation