Petecão: “atribuo a minha eleição à vontade de mudanças no Estado”

Voltando do Juruá, onde foi agradecer a sua votação e iniciar a campanha presidencial para Serra (PSDB), o senador eleito Sérgio Petecão (PMN) conversou ontem com a imprensa. Ele lamentou a derrota da oposição ao governo. “Estou triste porque tínhamos a certeza de que ganharíamos o governo, que perdemos por uma quantidade mínima de votos. Pessoalmente ganhei, mas não levei porque o povo queria mudar. Mas não adianta chorar pelo leite derramado. Temos que levantar a cabeça porque a oposição mostrou a sua força e nós estamos conscientes da nossa responsabilidade”, refletiu.
Petecao0710
Disputa à Prefeitura de Rio Branco
Indagado se será novamente candidato em 2012 para disputar o executivo da Capital, Petecão respondeu: “neste momento não estamos pensando em Prefeitura de Rio Branco. A responsabilidade das lideranças da oposição pede que façamos uma reflexão para ver onde erramos. Só quero ajudar. Quem manda é o povo e se ele decidir estou aí. Mas a minha missão é de unir cada vez mais a nossa oposição. Precisamos estar cada vez mais fortes para enfrentar esse pes-soal que esta aí e que pensa que manda em tudo”, argumentou.

Razões da sua votação
Quanto ao grande número de votos que recebeu, Petecão prefere minimizar a sua própria importância pessoal no processo.  “Tenho dito que não adianta o Petecão achar que é o bam bam bam, o bonitão e o dono dos votos. O Petecão foi o instrumento que o povo escolheu, abraçou e disse: “nós vamos eleger o Petecão e vocês do governo não mandam em tudo”. Não adianta eles pegarem qualquer um e botar para votar que vai ser eleito. Estou consciente da minha limitação e da nossa estrutura. A minha eleição atribuo a essa vontade de mudança que todos nós respiramos e está muito forte e que, em breve, nós vamos mudar”, sintetizou.

Postura no Senado Federal
Quanto às suas diretrizes parlamentares, o senador eleito confessa que não quer inventar nada. “O que for bom para o Acre vou ajudar, inclusive, o governador e o Governo Federal se for preciso. Com o Serra, vou me empenhar muito mais e mostrar que aqui precisamos de recursos porque vivemos num estado fictício. Mas na hora que tiver que fazer as críticas e as cobranças vamos cobrar porque tenho um compromisso com a população do nosso Estado”, revelou.

No caso de uma vitória da Dilma, o novo senador também promete fazer uma oposição moderada. “Com certeza, iremos juntar um grupo de pessoas que queiram fazer uma oposição boa para o país e não raivosa que pode prejudicar. O Senado é uma casa importante onde nós temos que ter um amadurecimento político. Oposição só por oposição não é legal. Eu confesso que me sinto preparado para chegar ao Senado e fazer um bom trabalho com a experiência que adquiri na Câmara Federal. Não quero cometer nenhum tipo de erro primário que venha a prejudicar o meu Estado”, garantiu.

Relação com Jorge Viana
Questionado de como será o seu relacionamento na bancada acreana no Senado, principalmente, com Jorge Viana (PT), Petecão ponderou: “sempre disse que ele pode contar comigo. Mas espero também poder contar com o Jorge Viana. Que ele tenha humildade. Acima dos interesses do Jorge e do Petecão está o interesse do povo acreano. Não tenho nada contra o Jorge, muito pelo contrário. Acho que ele tem importantes serviços prestados ao nosso Estado. Mas tem que entender que o Acre não é do PT, mas do seu povo”, finalizou.

Assuntos desta notícia

Join the Conversation