Política local 05/04/2011

“As aves cantam mesmo quando o ramo se parte, pois sabem que têm asas”.

(Salvador Diz Mirón)

Quebradeira geral
“Estamos vendendo o almoço para comprar a janta”. Ouvi a afirmação ontem de um amigo prefeito, que prevê dias negros a persistir a torneira fechada do Governo Federal. “Sem perspectivas de liberação de emendas paramos as obras e estamos pagando só pessoal”, revelou. Acha que por conta disso raro será o prefeito com mandato a se reeleger em 2012.

Degola é saída
O prefeito Angelim, por exemplo, já determinou demissões na rede municipal de ensino.

Outra história
A explicação para a quebradeira não está só no corte de 50 bilhões do orçamento federal, mas no fato que, com Lula, o dinheiro vinha em carretas por sua relação de afeição com o Acre.

Relação de amizade
Para se ter um exemplo, Jorge Viana tinha um quarto reservado na Granja do Torto, onde dormiu várias vezes. Na atualidade, mesmo como senador, seu acesso à Dilma é restrito.

Do tamanho que é
Com Dilma Rousseff, o Acre não é tratado politicamente, mas do tamanho da sua importância.

Que mal pergunte?
Em que ficou o pedido de prisão preventiva do prefeito de Tarauacá, Wando Torquato?

Doutor Pelezinho
Meu amigo Pelezinho, hoje em um bom cargo no governo, segundo e-mail, está exigindo ser chamado de “doutor”. Pelezinho, cargo público, se dorme nele e se acorda fora dele.

Caldeirão do Estrelão
Pelo e-mail que chega, vai ferver a reunião do Rio Branco, dia 8, para detonar o presidente Natal Xavier. Convidado a me fazer presente, como bom torcedor do “Estrelão”, eu irei.

Discussão escatológica
Nossos bravos vereadores retornaram de Boca do Acre após discutir com seus colegas amazonenses a chegada pelo Rio Acre de dejetos dos lares acreanos até aquele município.

Matar a curiosidade
Só para matar a minha curiosidade, o cocô chega inteiro ou completamente dissolvido?

Debate importante
Foi um debate tão importante que quase derruba a “Bolsa de New York”.

My god!
Um secretário disse outro dia que tem a fórmula de uma “ração especial” que o peixe engorda 1 quilo por semana. Mais cômica que a afirmação foi nenhum colega contestar na ocasião.

Escolha na hora
Perguntei ontem a um cardeal da oposição se seria melhor enfrentar Sibá Machado ou Ney Amorim na disputa da PMRB. Resposta: “o Ney Amorim, porque entra no nicho da juventude”.

Complementação
E completou seu raciocínio: “mas, nenhum deles é candidato de assustar a oposição”.

Pacote fechado
O deputado federal Flaviano Melo (PMDB) e o senador Sérgio Petecão (PMN) fecharam por baixo dos panos um pacote de apoio à candidatura de Tião Bocalom (PSDB) à PMRB.

Todo mundo sabe
É o típico “segredo de polichinelo” que até os mal informados sobre política já sabem.

Melhorou, sim!
Não é a sétima maravilha do mundo, mas que aconteceram avanços nesses primeiros três meses do governo Tião Viana, não se pode negar, especialmente no atendimento ao povo.

Pasta complexa
Numa pasta complexa como a da Saúde não se muda tudo em poucos meses.

Falta o encaixe
Mas, pelo que me tem chegado de informação, falta melhorar a relação da secretária Suely Melo com os servidores que é de muito atrito. E isso não é bom para a gestão como um todo.

Engolido pela máquina
O professor Márcio Pereira é um moço qualificado, boa praça, mas não aposte muito na sua eleição para prefeito de Plácido de Castro, porque no dia da eleição, 100 reais falam mais alto.

Orelha ardida
A orelha do deputado Jamil Asfury (DEM) ardeu numa roda ontem de cardeais da oposição.

Virou chacota
Virou chacota, ninguém leva a sério na imprensa na-cional o PSD do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab.

Medo da sombra
Virou rotina na oposição toda vez que o deputado federal Márcio Bittar (PSDB) levanta a cabeça para disputar um cargo majoritário leva rasteira dos dirigentes da oposição. Foi assim em relação ao Senado e está sendo agora para a disputa da PMRB. No fundo, é temor de Bittar se consolidar como a principal estrela da oposição, mas, pela idade, será questão de tempo.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation