Com carreata, agentes reabrem as negociações com o governo

Os agentes penitenciários mais uma vez provaram a força da sua união na manhã de ontem. Cerca de 200 agepens de folga se uniram para realizar uma carreata pela cidade, seguida de uma visita de mobilização junto à Assembléia Legislativa (Aleac). Com as duas iniciativas, eles conseguiram a reabertura do diálogo com o Governo do Estado, obtendo a resposta do deputado Moisés Diniz (PCdoB) de que serão agendadas novas rodadas de negociações com a categoria para discutir as suas pautas de reivindicações.
Agentes2004
A carreata durou cerca de 45 minutos, reunindo cerca de 70 motos e mais de 50 carros. O comboio partiu às 8h30 do presídio estadual, no fim do Conj. Universitário, e seguiu até o prédio da Aleac. A única parada do grupo aconteceu na Avenida Ceará, perto da Secretaria Municipal de Saúde, no local onde o agente Roney Barbosa Vidal foi assassinado há 1 ano. Lá, eles fizeram um círculo e oraram pelo colega, sócio-fundador do Sindap.

Chegando à Casa Legislativa, eles distribuíram uma folha contendo os 23 principais pontos coletados no formulário distribuído a cada agente na paralisação interna realizada na segunda (18), data da morte de Roney. Dentre os destaque, estão: a falta dos EPIs (equipamentos de proteção individual, que poderiam ter salvo Roney há 1 ano, quando foi baleado por 2 tiros na costela ao sair do serviço); e de monitoramento de vídeo nos presídios; a contratação dos 192 agentes em CR; a escala 12x36h e o tratamento dado pelo Iapen.

Eles também fizeram algumas denúncias, como o caso do agente Ruth, que conduzia um microônibus sozinho com 23 presos quando o veículo quebrou, empacando em plena BR-317. “Se os presos tivessem se rebelado ou alguém quisesse ter assaltado o carro naquela hora, não havia nada que eu pudesse fazer”, disse. Outros ocorridos denunciam a falta de comunicação com os diretores de presídios, a obstrução de serviços bem feitos, etc.  

Após chamar a atenção dos parlamentares – lotando o salão do povo da Aleac -, os agentes se reuniram no auditório para repassar algumas das denún-cias prestadas. Depois da sessão da Aleac, alguns dos deputados se reuniram com eles. Já na reunião, o deputado Moisés Diniz (PCdoB) repassou aos agentes que o governo estava montando um calendário de negociações para discutir acordos econômicos e administrativos com todas as classes. Ao fechar tal calendário, Moisés explicou, ficará marcado 3 encontros especiais com os agepens.       

O primeiro será para expor o andamento das investigações sobre o assassinato do agente Roney, feito com os secretários de Polícia Civil (Emylson Farias) e de Segurança Pública (Ildo Reni Graebner). O segundo será para avançar no debate das pautas administrativas, com a direção do Instituto Penitenciário do Acre (Iapen). O terceiro e último encontro será para discutir as questões salariais, com uma equipe de Articulação do governo estadual.

“Ficamos muito satisfeitos com a resposta. Acredito que ela serviu para recormeçarmos a construir um diálogo de respeito. Também fazemos uma avaliação muito positiva das atividades de ontem, uma vez que elas se sucederam de forma bem organizada e não causaram maio-res danos à sociedade”, finalizou Adriano Marques, presidente do Sindap.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation