MPF/AC recomenda o embargo das 18 maiores propriedades infratoras

O Ibama e o Instituto do Meio Ambiente do Acre recebem hoje uma recomendação do Ministério Público Federal solicitando o imediato embargo das 18 maiores propriedades rurais do Estado. A medida é resultado do cruzamento de dados do Governo do Acre (imagens de satélite atualizadas) com os mapas de desmatamento dos municípios fornecidos pelo próprio Ibama.

A sobreposição das imagens identificou, inicialmente, 25 propriedades que desmataram Áreas de Proteção Permanente (APP). Mas, o detalhamento das imagens só deu segurança ao procurador Anselmo Rodrigues Lopes para recomendar o embargo em 18 propriedades infratoras.

O MPF não adiantou qual a extensão da área desmatada ilegalmente no Estado. Hoje, será divulgado um documento da assessoria do órgão detalhando todo processo que justifica a recomendação.
Caso os órgãos ambientais não acatem a recomendação, o MPF não descarta a possibilidade de entrar com uma ação civil exigindo o cumprimento da Lei.

A cruzada do MPF contra o desmatamento ilegal e a comercialização de gado manejado em áreas embargadas pela Justiça começou na quarta-feira, quando o procurador Anselmo Lopes entrou com uma Ação Civil Pública contra 14 frigoríficos, que estariam comprando gado vindo de áreas de desmate ilegal.

O presidente da Federação de Agricultura e Pecuária, Assuero Veronez, classificou a ação movida contra os frigoríficos como desnecessária e truculenta e assegura que a multa prevista de R$ 2 bilhões prejudica integralmente a cadeia produtiva da carne no Acre.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation