As arábias de grego

Quando se propagou a descoberta do Pré-Sal (nome que sinceramente poderia ser outro, no caso do Acre com certeza seria “Pré-Chico Mendes”), cheguei a imaginar uma verdadeira revolução no Brasil, no âmbito econômico, social e esportivo. Claro que é preciso paciência para que essas mudanças venham a ocorrer em um país acostumado com o jeitinho brasileiro e os espertalhões de plantões.

O royalty iria distribuir a “fortuna do rei” para os quatro cantos desta terra de meu Deus, inclusive aonde o vento faz a curva, no caso o Acre. Logo imaginei: “claro que a partir de agora iremos ter gasolina (derivado do petróleo, para os incautos) mais baratas”. Isso mesmo que a extração do petróleo no Brasil deva iniciar apenas entre 2015 a 2017.

Não sou muito otimista. Nunca fui. Mesmo assim tentei formular uma utopia na minha imaginação. Mas o presente grego logo me trouxe a dura realidade que é morar em um país galgando no crescimento, no entanto com crianças no volante do rolimã.

Devemos ter um aumento de gasolina em cima de outro aumento de gasolina. Tudo para que o combustível – pelo menos do meu carro – saia dos caros R$ 2,92 para os caríssimos 3,50, segundo se estima os econômicos de fundo de quintal. Aumento de aproximadamente 20%, mesmo que o salário mínimo, base para a maioria dos salários no Brasil, tenha sido de apenas perto dos 6,8%.

O brasileiro pode ficar tranqüilo que a nova presidente do país prometeu 12% de aumento em 2012 no salário mínimo. A pergunta é: “até lá quanto terá subido a energia (boa sorte Eliane Sinhasique), educação, saúde, arroz, feijão, gasolina, carne?”. Fiquem tranqüilos que nosso salário, pessoas trabalhadoras, não consegue acompanhar os índices econômicos, bem diferente dos colegas trabalhadores das Câmaras, dos Senados, entre outros, isso mesmo sem trabalhar as 44 ou 48h semanais.

Vou sair de casa hoje, colocar a gasolina que minha velha carteira permitir e desfrutar, o que pode ser pela última vez o prazer de pagar menos que os R$ 3,40 ou R$ 3,50 que o litro pode ficar, pois o Pré-Sal não passa de mais um sonho inventado em Sucupira, talvez pelo prefeito Odorico Paraguaçu, para enganar seus eleitores. No caso, somos nós mesmo.
Feliz Dia das Mães, adiantado, com a possibilidade de gasolina cara.

Ramiro Marcelo é jornalista.
E-mail: [email protected]

Assuntos desta notícia


Join the Conversation