Política nacional 17/04/2011

“Já temos nossos gângsters aqui, não precisamos importar mais”.

Deputado Marcelo Ramos (PSB-AM) explicando a rejeição do titulo de cidadão amazonense a Ricardo Teixeira.

Negócios da Petrobras tiram o sono do governo
Apresidenta Dilma ficou impressionada com informações recebidas sobre a desenvoltura do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RS) na área internacional da Petrobras, ainda que já tenha dito que nada mais a surpreenderia, envolvendo o parlamentar. Ela foi avisada de aquisições da estatal na Tanzânia e no Gabão capazes de tirar-lhe o sono. Dilma ordenou apuração dos fatos e exigiu rigor nas próximos aquisições.

Corrida ao ouro
O PMDB de Minas percebeu a crise e já tenta indicar um substituto para atual diretor internacional da Petrobras, Jorge Luiz Zelada.

Esqueletos
O Brasil quer importar “cérebros” do exterior para o desenvolvimento tecnológico. Já não basta ser brasileiro o genial cérebro do mensalão?

Fim do mundo
Abalado pelos grampos ilegais, o bilionário australiano Rupert Murdoch faria o maior sucesso aqui com o News of the end of the world.

Homem certo
Tem gente querendo arranjar algo para Lula fazer, em vez de passar o dia dizendo asneiras. Talvez fiscal das obras do estádio do Corinthians.

Dilma prefere Ana Arraes
O líder do PMDB e futuro presidente da Câmara, deputado Henrique Alves (RN), reforçou com seu apoio a candidatura da líder do PSB, deputada Ana Arraes (PE), para a vaga do ministro Ubiratan Aguiar no Tribunal de Contas da União. Campeã de votos em 2010, a mãe do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), tem a torcida da presidenta Dilma Rousseff, mas a decisão será do plenário da Câmara.

Esqueça o que assinei
Quinze deputados do PT que assinaram apoio a Sérgio Carneiro (PT-BA) no TCU, depois juraram apoiar o líder do PTB Jovair Arantes (GO).

UNE amestrada
A mãe Petrobras pagou tudo no congresso da UNE em Goiânia, que teve Lula, cujo governo calou a entidade com grana. Pública, claro.

Pergunta na rodovia
Só se fala de quem recebeu no DNIT. Mas a pergunta se recusa a calar: e de quem Pagot?

Macumba
“Despachos internos”, registrou a última agenda do ministro interino Paulo Sérgio Passos, dia 8 (sexta), no site do Ministério dos Transportes. Mas a foto do anterior, Alfredo Nascimento, está lá, com sorriso amarelo.

O retorno
O deputado João Paulo (PE) não descarta trocar o PT pelo PSB, para disputar a prefeitura do Recife. Ele contou vantagem no cafezinho da Câmara: pesquisas dariam a ele mais de 50% das intenções de votos.

Por um triz
O governador de Rondônia, Confucio Moura, escapou por um triz de levar um soco de seu ex-auxi-liar e ex-ouvidor geral do Estado Antonio José Magalhães. Confúcio ficou assustado, mas não reagiu.

Veto inútil
O PT de Teresina deixou claro ao senador Welington Dias (PI) que não aceita a candidatura a prefeita da mulher dele, deputada Rejane Dias. Mas o senador, que tem prestígio junto a Dilma, não pretende desistir.

Esperteza
O ex-governador Zeca do PT, que não gosta de Delcídio Amaral (PT-MS), quer afastar o senador da disputa pelo governo do Mato Grosso do Sul em 2014. Por isso o lançou à prefeitura de Campo Grande.

Tucano amigo
Sai do próprio tucanato boa parte das denúncias sobre escândalos na Assembléia Legislativa do Pará, quando era presidida pelo senador Mario Couto (PSDB-PA). O MP apura o desvio de milhões de reais durante as presidências de Couto e Domingos Juvenil (PMDB).

Onipresença
O prestigiado ator paraibano Luiz Carlos Vasconcelos (que atuou no filme “Carandiru”), está na folha de salarios da prefeitura de João Pessoa. Como só vive fora do Estado, deve ter o dom da onipresença.

Pardon
A França também tem um Enem básico: a prova de Geografia de conclusão do ensino médio mostrou unidos Japão, Itália e Brasil. Nosso país virou uma ilha, pouco maior que a península italiana.

Pensando bem…
…o DNIT é um ônibus da alegria. Tudo foi decisão “coletiva”. 

PODER SEM PUDOR
Secretária traiçoeira
Importante jornalista do Rio, diretor de jornal, descobriu de forma curiosa o caráter de um político que julgava seu amigo: o deputado Júlio Lopes (PP-RJ). O parlamentar ligou para ele, mas o celular não atendia. Distraí-do, Lopes não desligou e nem percebeu que sua ligação caí-ra na secretária eletrônica. E passou a fazer comentários sobre o jornalista, a quem chamou de “muito nervoso” e até de “veado”. Perplexo, o jornalista carioca ligou para o deputado, disse-lhe desaforos e se demitiu de sua “amizade”, para sempre.

Assuntos desta notícia


Join the Conversation